Relógio do Apocalipse 3: Lágrimas de Fogo e Gelo

Um conto erótico de Duque chaves
Categoria: Gay
Data: 17/10/2020 18:10:08
Última revisão: 17/10/2020 18:57:17

Lembrando que esse conto estou repostando e ele está indo em ordem, se clicar no nome do capítulo vai abrir os outros que estão na página bem a baixo. Apenas esse veio para cá. Vai entender

Ao acorda, o Alex estava deitado numa cadeira de balanço que ele colocou do lado de sua cama, ele ainda estava dormindo, estava lindo dormindo, confesso para vocês, ele era lindo até dormindo, mas não liguei muito, até porque não iria rolar mesmo, brigávamos muito, e porque ainda não viu nada. Mas voltando ao assunto, fui para o banheiro, tomei meu banho, e quando voltei abri o guarda-roupa dele e escolhi uma roupa que poderia usar, só uma camisa mesmo, porque a calça é o sapatênis seria o mesmo. Assim que sento na cama para amarra o cadarço do tênis, ele desperta.

- E não ia me acorda? - perguntou ele se espreguiçando.

- Eu ia te acordar, mas você tava tão bonitinho dormindo que deu pena. - disse para ele já em pé. Meu corpo estava ainda dolorido e minha cabeça diminui as dores, o que era bom.

- Que horas são? - perguntou ele numa briga doida se ele se jogaria no chão ou se deitaria na cama para volta a dormi.

- Não sei direito, mas deve ser 7 ou 8 da manhã. - respondi para ele.

- Ata então, vai descendo que desço depois. - me responde tentando ficar em pé.

- Ta chefe, não iria te esperar mesmo. - Retruquei sendo mais divertido do que poderia.

Desci as escadas, e não olhei para trás, fui direto para sala de jantar, vejo que os meninos ainda não tinham descido, sento e espero eles descer. Primeiro que desceu junto foi as meninas.

- Ai Daniel, como você está? - pergunta a Erika, sentando do meu lado.

- Estou bem meninas, depois de uma boa noite de sono, fico muito bem.

- Daniel, ele ficou mesmo cuidado de você, o Alex ficou mesmo preocupado contigo, não saio do quarto e até jantou lá. - Falou a Iety sentando na minha frente, dando um sorriso malicioso.

- Sério, que fofo, devo agradecer ele depois, vou pegar mas leve com ele, ops não. - respondi sarcasticamente para ela. Mas dentro de mim algo se aqueceu, eu realmente era um rapaz um pouco idiota.

Assim que dou essa resposta, os meninos desceram e o Júlio se sentou do lado da Erika, o Leo sentou do lado da Iety, então senta alguém do lado da Iety, bem na ponta da mesa, perto da cadeira que fica na frente de todas. Era o Guilherme, ele era um cara alto, sua pele era morena da cor de chocolate, forte, dos olhos cinza esverdeados, seus cabelos eram cacheados não muito grande, assim que ele senta me olha e da um sorriso me deixando vermelho.

- Daniel, até que enfim consegui se transpor como nós, tava na hora né leãozinho? - o Júlio me fez uma pergunta sarcástica e todos riram.

Olho para ele e logo respondo.

- Que bom mesmo, mas sabe o Leãozinho aqui é o rei da selva, posso matar esse touro que se acha muita coisa. - respondi brincando com ele.

- Sinto cheiro de desafio logo de manhã, que coisa mais maravilhosa. - falou o Guilherme, jogando mais lenha na fogueira.

- Isso é um desafio, Daniel chaves? - Perguntou o Júlio.

- Era sarcasmos mesmo, mas agora virou um desafio. - Respondi para ele dando um sorriso debochado.

- Foi bom te conhecer Daniel, temos que avisar o Alex para procuramos um novo Leonino. - Respondeu a Erika rindo.

- Avisa o Alex de que? - uma voz veio saindo da porta da cozinha.

Era o Alex, estava lindo, usava uma camisa de capuz azul, uma bermuda quadriculada preta com marrom claro, com um sapato tipo vovô. Se sentou na mesa, ele sempre se sentava no mesmo lugar, na frente de todos.

- Que vamos ter um duelo, desafiaram o Júlio. - Respondeu o Leo, que estava tão quieto que nem percebi que ele ainda estava la.

- Quem foi o burro que fez isso? - perguntou ele.

- O burro que esta do seu lado. - olhei para ele com raiva.

- Vou chamar os paramédicos. - Respondeu ele.

Quando ia responder os empregados trouxeram a comida, tapioca com queijo, panquecas, sanduíches, bolos, Nescau, café, sucos. O Leo era muito preguiçoso, para não se levantar ele usava sua telepatia e telecinese para pega as coisas para ele, se bobear ele fazia ir até a boca. A Iety era fresca para comer, mas me divertia sem ela saber como ela comia. O Júlio já fazia muita palhaçada, a Erika já era estressada e mandava ele para, é ele obedecia mas não demorava 2 minutos já estava fazendo de novo, mas eu via que ela gostava dele. O Guilherme era um pouco mas culto eu acho, o Alex já era mas fresco mesmo, comia tudo certinho. Eu por outro lado não era muito fresco, comia mesmo, estava com fome.

- Daniel, ire eu e você no orfanato, para que eu seja seu guardião legal. - Falou ele antes de meter um pedaço enorme de panquecas na boca.

Eu tossi na mesma hora, que me entalei com meu pedaço de sanduíche na boca, o Julio só veio e me deu um tapa que quase não tenho mas costelas.

- Brigado por quase me deixa tetraplégico. - respondi para ele rindo.

- De nada, o que importa é ajuda. - respondeu ele sorrindo da própria piadaRimos muito, mas daí me lembrei do meu foco.

- Porque vai fazer isso, eu não gosto de você e você tão pouco me curti. - respondi para ele, o ar ficou mais frio.

- Não seja ingrato garoto, estou te ajudando, o que você deveria fazer e agradecer. E não gosto de você mesmo não. - respondeu ele olhando para mim e o ar ficando muito mais frio.

- Ingrato? E me ajudando? Sério, não percebi que você estava fazendo isso. Jurava que só me queria por perto pelo que eu posso esta fazendo pela equipe. - respondi, minha raiva já estava aumenta, e sentia que eu já estava emanando calor naquela sala. Eu não sabia do porque não gostava dele, do porque estava tendo aqueles surtos de raiva, mas meus pensamentos não ajudavam eu me situar.

- Meninos dá para pararem com isso? - perguntou a Iety, soprando seu chá em sua xícara.

- Não, dessa vez não, esse garoto deve aprender a respeitar os outros. - respondeu o Alex olhando para ela.

- Parem os dois, assim isso vai dar em casamento. - falou o Leo elevando a xícara de café até sua boca e tomando um gole. - E droga, eu acabei de queimar minha língua com essa disputa de temperatura de vocês, obrigado. - bufou ele.

- Desculpa Leo. - respondi para ele. - E obrigado, mas eu prefiro morrer batendo punheta do que fica com ele.

- Não faço caridade Leo, e se depender de mim, vai morrer batendo mesmo. - respondeu Alex fazendo os líquidos da sala virarem pedras de gelo.

Esse garoto já estava me tirando do sério. A sala já não sabia de que lado ficaria, minha aura estava aumentando fazendo com que o gelo voltasse a vira líquido, um aumentando a sua aura de poder.

- Parem os dois. Agora. - ordenou o Guilherme. - Já chega, se quiserem se resolver mesmo, vão para a arena, assim saberão que é o melhor. Isso é ridículo vindo de você Alex. Ele é apenas uma criança, um garoto criado na rua. E você também, pare com essa birra, está fazendo um papel de idiota, deveria esta grato por ter um tento, por ter uma missao, um foco de vida agora.

Nem eu ou Alex respondemos ele, esse garoto me tirava do sério, me provocava, então deixamos isso para la. O pessoal depois que tudo voltou ao normal começaram a ri.

- Vocês ainda vão formar um casal. - Brincou Iety.

- Quero ser o padrinho. - falou o Júlio.

- Vou ser a dama de honra. - ordenou a Erika.

- Só fique pensando agora se vão se casar, no frio ou num vulcão. - falou sarcasticamente o Guilherme.

- Avisa antes para mim compra o vestido ou agasalho para Iety. - falou o Leo.

Todos riram, eu até que ri um pouco, mas o Alex não, ele ficava fechado, não falava nada.

- Daniel sabia que você é igual a um menino que morava aqui, só que ele morreu o nome dele era Douglas, ele brigava com o Alex do mesmo jeito que você até que... Ai doeu sabia? - a Erika deu uma cotovelada no Júlio antes dele terminar.

O ar agora estava uma nevasca, quero dizer estava nevando mesmo.

- Não quero que toque nesse nome novamente. Estamos entendido Júlio? - perguntou ele com um tom de raiva.

- Claro, desculpa. - respondeu com a cabeça baixa o Júlio.

Olhei para sala, e todos inclusive Guilherme não queria olhar em meus olhos, ele desviava como os outros e Alex, respirou fundo e o ar ficou mais gélido.

- Gente que era o Douglas? - perguntei.

Ninguém respondeu.

- Oi, eu quero saber, ele era o antigo leonino?

Novamente não tive resposta.

- Não Daniel, não te interessa esse assunto, fica na sua e vamos lá no orfanato depois das 3. E Guilherme seja bem vindo novamente ao grupo, depois vamos conversar sobre sua missão - Falou Alex saindo da sala tempestuosamente.

Ele estalou os dedos é a temperatura voltou ao normal e o gelo em cima da mesa sumiram, deixando apenas um vapor no lugar.

- Gente, me responde, quem é o Douglas?. - perguntei para todos na sala.

A Iety me olhou, mas o Leo a interveio, então eles entraram numa batalha mentalmente, até que a Iety ganhou.

- Não sabemos muito sobre ele, mas ele era do seu jeito, brigava com o Alex, pelo que sabemos ele não era o antigo Leonino, ele era o Ex do Alex. - falou ela, esperando que o pessoal ajudasse, até que a Erika respira. E eu fiquei surpreso por ele ser gay.

- Sim Daniel, você lembra muito ele, o Doug, como costumávamos chamá-lo, ele não era um de nós, mas ajudava nas missões que tínhamos, eles eram muitos felizes. - falou ela, suas voz estava trêmula, Erika era uma pessoa decidida, mais sensível.

- Mas um dia, estávamos numa missão, e Alex proibiu do Doug de ir nos ajudar, ele lutava bem, mas ele era rebelde, e foi assim mesmo sem sabermos, ele acabou com alguns Caçadores. - continuou o Júlio falando num tom de orgulho e ao mesmo tempo de amargura.

- Mas, - continuo o Leo - ele foi pego por uma emboscada, e quando tentamos salvá-lo, Alex conseguir tirá-lo da armadilha, mas assim que eles saíram, mais caçadores chegaram com algumas pessoas mais fortes que eles, e assim quase nós derrotaram, quando um ataque ia chegar no Alex, o Doug percebe, corre e empurrou, assim recebendo o ataque, vemos aquilo, nossa reações foram de revolta, assim conseguimos nos quatros destruirmos alguns e espanta os outros.

- Mas já era tarde demais, quando chegamos lá, Alex estava com o Doug nos braços chorando muito, não conseguimos tratar de seus ferimentos, trouxemos ele para cá, fomos para o quarto do Alexsandre, tentamos tudo, os médicos também, mas ele não resistiu e morreu. Isso já faz 1 mês que aconteceu. - concluiu a Iety já de cabeça baixa.

Quando percebi, todos estavam com lágrimas nos olhos, percebi que o Doug era querido por todos, ele sacrificou para que eles pudessem estar vivos, agora eu entendi do porque que eu me dava com todos, menos Alex, eu o fazia reviver da história com o Doug, ai pai, eu fui cruel com aquele menino e me senti agora muito culpado.

O resto da manhã foi deprimido já que eu fiz lembra uma história triste, o almoço não foi aquelas coisas, o Edu não apareceu para comer, e o resto da turma até o Guilherme estava sem fome. Fui procura o Edu, não estava em nenhum lugar da casa, nem mesmo na sala de treinamento, então fui atrás dele, nem o quintal ele estava. Ele sumiu-o. Fui atrás então do único que poderia saber aonde ele estava, nosso telepata, Leonardo.

- Leo, sei que você tem poderes de ler mente, então rastreia onde o Alexsandre está, preciso pedi desculpas para ele. - falei pro Leo, com um ar de urgência.

- Olha cara, eu gosto de você, mais sou um dos melhores amigos de Alex, o cara passou por muitas coisas e também tem o pai dele, eu não quero ser responsável..

- Não vai Leonardo. Eu sei admitir quando estou errado. - Rebato a ele, sendo gentil.

Ele fechou os olhos e se concentrava, isso demorou alguns segundos até que ele acorda do transe e olha para mim.

- Morro do Blumenau, um tipo de canto com um pequeno gramado, com uma vista linda para a...

- Já sei aonde fica, obrigado Leo. - falei para ele correndo.

Fui para a garagem ia pegar uma moto, mas esqueci que ainda não tinha carteira. Então recorri a meus velhos amigos, minhas pernas e pés. Como já estava dominando meio que minha velocidade, eu fui correndo para la. Sentia o vento no meu rosto, o mundo parecia que estava lento demais, me sentia livre, um trajeto que era uma hora de ônibus, para mim foi uns 10 minuto, eu acho. Corri até aonde que eu costumava ficar, antes de subir, percebi que tinha um carro, uma Frontier verde escura, muito linda, não sei se poderia ser ele, mas olhei pelo vidro do carro, não avistei ninguém lá dentro. Então subir um morrinho até chega mesmo onde era o lugar.

Alex disparou um raio de seus dedos, eu desviei rapidamente e levantei as duas mãos em rendição.

- O que você quer aqui? - pergunto ele, parecia que ele estava chorando.

- Olha não vim aqui brigar com você, eu te entendo, sei como e perde alguém que ama. - respondi para ele. - Posso fazer companhia pra você?

Ele me respondeu com a cabeça, então sentei no gramado, percebi que algumas árvores estavam congeladas, o poder desse garoto era incrível, num sol de matar desse e o gelo ainda se manter e nem ao menos pingava. Ele se deitou, colocando sua cabeça nas minhas pernas, e comecei a mexer no cabelo dele, eu via que ele chorava, em silêncio mas chorava, então eu comecei a contar detalhadamente como foi minha vida.

- Eu matei uma pessoa, eu matei aquele caçador, aquilo me deixou apavorado, eu desmaiei com aquilo, a voz dele ecoa em minha mente, e não sei se conseguirei dormir. -- Disse para ele, e meus olhos abriram ao receber um toque frio em minha mão.

-- Isso acontece com todos, isso é a guerra. É isso que queremos parar. Eu matei pessoas também Daniel e sei que um dia irei pagar por isso, mesmo sendo para um bem maior. - ELe engoliu em seco, seus olhos azuis ficaram mais glaciais - Estou me acostumando com o conceito de morte. Mesmo sabendo que muitos deles iriam reencarnar.

Ficamos parados por um tempo, e o ar frio continuou.

- Depois que minha mãe morreu naquele dia, eu fui para casa de uns tios meus, no Flores, mas não dava certo, porque eles sempre me chamavam de demônio, brigavam, me batiam, e me culpavam pela morte da irmã e sobrinha deles, isso foi assim até eu ter 10 anos, foi então que fugi, fiquei 3 dias na rua, até que encontrei um orfanato e fique lá, então fui adotado por algumas famílias, mas mesmo assim sempre fugia e ficava na rua ou então ia de volta para o orfanato, meus tios não me queriam, não conheço meu pai e nem a família dele, nunca soube de nada deles, eu tive que ser forte na marra. - foi então que comecei a chora, as lagrimas caiam nos cabelos loiros do Alex, ele já tinha parado de chorar e ficava olhando para mim. - Não tinha mais mãe, eu tive que virá forte na marra, sem família, nada, não tive muitos amigos, e não conheço o aspecto de ficar em família, sempre fique um pouco solitário, e toda noite eu chorava, lembrando do dia em que minha mãe e irmã morreram, até que eu encontro o Orfanato Sonho feliz.

- Cara que barra a sua, desculpas também por eu ter sido rude com você, Dan. - falou ele já me fazendo deitar nas suas pernas.

- Descobri minha homossexualidade cedo com 13 anos, eu não me prostituia por dinheiro, eu ficava com os caras porque queria. Já tentei suicídio 3 vezes, mas todas falhas. Eu tenho uma vida sofrida, e eu entrei e fui com vocês, para dar orgulho para minha...

Não consegui falar mas nada, minhas lagrimas desciam, e não conseguia controlar. Eu já tinha passado por coisas mais difíceis, já enfrentei gangues, a fome, a rua, o desprezo, a injustiça, tudo isso por 10 anos, e já não lembrava o que era amor, o que era família, amizade. Ele me abraçou e não disse nada, a tarde não estava tão quente, não sei se era o Alex, que estava fazendo com que o ar ficasse mais frio.

- Eu gostava muito do Doug, ele era filho da nossa antiga cozinheira, ele me fez revelar que sou gay para o meu pai, e ele já era revelado para mãe dele, já estávamos namorando 1 mês, e a mãe dele apoiava nos dois, e meu pai, ele só veio me entender depois que ele morreu. - Alex voltou a chorar para mim novamente. - Ele ajudava nas missões, mas sempre impedia ele, mas ele era rebelde, e nesse dia brigamos.

Indo ao passado com Alexsander BlackEu vou, eu sei que dessa vez vocês precisam mesmo da minha ajuda. - falou o Doug.

- Não você não vai, vamos fazer uma cruzada, e você não deve se meter nisso é muito perigoso amor. - respondi para ele.

Ele parou, olhou para mim e sorriu, aquele sorriso travesso dele, me fazia sentir tão feliz é amado, e amanhã faríamos 1 mês de namoro. Já tinha planejado tudo.

- Tá ok amor, se você não deixa eu vou assim mesmo, eu sei disso que vocês precisaram de minha ajuda, muito mas que das outras vezes.

- Eu te falei que não, e ponto.

- Eu vou, você não manda em mim.

- Mandou sim, você fica. - me preparei para congelar ele no chão.

- Você vai fazer isso contra mim, vai ter coragem Alex? - perguntou ele espantado.

- Não... - minha voz vacila - Eu não vou.

Ele sorri, ele me vencia toda vez com aquele jeito dele, o sorriso e seus olhos castanhos brilhavam. Então deixe ele lá, e fomos para a cruzada, tivemos dificuldade com tudo aquilo, mas conseguimos matar alguns Caçadores que estavam tentando entrar na Cintura (a cidade acima da nossa). Enquanto estávamos batalhando, percebo que um dos caçadores iria fugir e fui atrás dele.

- Olha quem veio atrás de mim, o Aquário. - falou o caçador olhando para mim, já parando numa área pequena cheia de arvores. - Você deveria era se preocupar com seu namorado que esta preso agora Zodiacal, não comigo, se você me matar, perdera o tempo que tem para salva-lo.

Nessa hora gelei, meu corpo parecia que tinha tomado um soco no meu estômago. Minhas pernas ficaram bambas e tudo a minha volta começou a congelar.

- O que? O que fizeram com o Doug? - perguntei já fazendo a temperatura do ambiente cair a alguns graus abaixo de zero.

- Ui, o nome dele é Doug mesmo, mas você só vai saber disso se me vencer, uma coisa que não vai acontecer. - atacou o Caçador. Sua espada cresceu e emanava uma aura negra, que logo que defendi, senti o chão perde sua vida, as flores murcharem.

O ataque dele foi repelido novamente e logo vi uma brecha e ataque. Seu corpo começava a congelar de dentro para fora, ele sentia seus músculos se contorcendo.

Ele caio no chão destruído, mas olhou para mim, o peguei pela gola da camisa e perguntei.

- ONDE ESTÁ O DOUG?

Ele rio e saia sangue da boca dele, ele estava morrendo congelado.

- Mindu, parque do Mindu, mas ele já deve está morto. - falou o caçador rindo e logo depois morreu.

Corri até o pessoal, conte tudo para eles e fomos para o Parque do Mindu, chegamos lá, o Léo vasculhou tudo telepaticamente. Fomos para dentro do parque, quando vejo o Doug está preso numa prisão feita de espinhos, era maior um pouco do que ele, num tipo oval, meu coração falhar uma batida ao vê-lo ali. Ele estava ferido, mas consigo tirar ele de lá, até que chega outros caçadores, mas com pessoas que não eram caçadores, suas auras eram fortes demais para um caçador.

Coloquei ele sentado perto de uma árvore, e fomos batalhar, até que sinto ser empurrado, quando caio no chão, vejo quem era, o Doug na minha frente recebendo uma bola de energia que cobri o corpo dele, com o impacto foi elevado alguns centímetros do chão e caio, quando o pego, vejo que ele estava todo ensanguentado, vejo que os outros pararam a luta, porque minha aura agora irradiava muito frio, as árvores e o chão já ficava com uma camada grossa de gelo, então ouço uma explosão de batalha de novo.

- Eu te falei que não era para você ter vindo, porque você veio? - perguntei para ele já chorando.

- Eu falei que você não era meu dono, e disse que iria precisa de minha ajuda. - falou ele dando um sorriso e assim me dando um pen drive. - Você não vai conseguir abri-lo agora, mas vai ajuda você em sua busca, ele se abrirá quando a busca de vocês.. - ele tossiu saindo sangue.

- Não fale mais nada por favor, vou te levar para casa e te cura. - falei para ele, já o agarrando em torno de meus braços e o já se erguendo do chão.

- Não tenho muito tempo, sei disso e você sabe. - disse ele, olhando para o céu que estava em seu crepúsculo.

- Não, para de falar, você vai viver e muito comigo, eu te amo.

- Eu te amo, e esse pen drive vai levar vocês a uma nova busca. Eu te amo Alexsander Black. - ele pegou no meu rosto e fez o último esforço e beijou meus lábios.

Quando o pessoal voltou, fomos o mais rápido para casa, colocamos ele na minha cama e pedimos ajuda dos médicos e tentamos cura-lo com tudo que tínhamos. Mas ele não resistiu e morreu.

Voltando ao presenteTentei quebrar o pen drive, mas não tive forças, e depois daquilo a mãe dele foi embora, fique depressivo, e não sai mas para missões, eu tentei sair mas não dava certo, essa foi minha segunda missão desde da morte dele. E quando você apareceu, me fez lembrar dele, e o cordão, eu dei um igual ao seu para ele, já que ele era o signo dele. - Disse Alex enxugando as ultimas lagrimas.

Eu não sabia o que falar para ele, não queria falar meus sentimentos porque toda vez que eu recebia isso, parecia falso demais, então optei por não falar, e achava que nesse ponto o Edu concordava comigo. Ficamos ali até anoitecer, trocamos algumas ideias, e começamos a fazer piadas para um levantar a autoestima do outro. Descemos e fomos embora para casa, o clima já não era de muita dor no carro, mas um pouco descontraído.

- Você que jantar Dan? - perguntou ele, quando fechou o sinal.

- Quero sim. - respondi para ele.

- Então vamos comer, que tal uma pizza? - perguntou ele.

- Acho uma boa ideia. Pandinha?.

- Pandinha? - perguntou ele.

- Sim, quando eu me preocupo com uma pessoa, e começo a gosta dela, eu crio um apelido, e um apelido que eu sei que sou eu vou chamar, mesmo sendo o mas idota de todos, e caso que o seu não e idiota, mas e bonitinho. - Eu sorri para ele entusiasmado.

Ele conseguiu dar uma risada, depois do que ele me contou, tínhamos algo em comum, e sabia agora porque ele era amargo comigo, mas eu já estava determinado a fazer ele como meu melhor amigo entre os 12. Eu passei por coisas piores e sabia o quanto era perde alguém que se ama. Chegamos numa pizzaria, e as pessoas não nos olhavam torto, para eles a perseverança do amor era a melhor coisa, você poderia ser quem quisesse. Apenas as pessoas do mundo lá de fora, que entrava, eram preconceituosos e nem todas, para falar a verdade. Sentamos e vimos que umas meninas estavam dando em cima de mim, não sei o que deu nele que ele colocou o braço em volta de mim, e me beijou no rosto.

- O que você está fazendo? - perguntei, quase dando um tapa nele.

- Aquelas piriguetes estão dando em cima de mim, agradeça depois tá. - falou ele rindo e dado uma piscada para mim.

Não falei nada, estava já com um pouco de vergonha, comemos a pizza, e fomos embora, para ele ainda tira sarro das meninas antes de ir, falar alto para elas ouvirem.

- Meu lindo, espera aqui tá, eu vou no banheiro. - e beijou meu rosto de novo.

Cara aquele menino era doido, e eu gostava desse jeito dele, mesmo brigando, mas eu gostava dele, eu acho que eu estava afim dele 9me dei um tapa mentalmente nessa hora, pare com isso e se controla). Quando ele voltou, pegou minha mão e saímos, chegamos no carro dele, era aquela Frontier verde do morro, quando ia entrando ele me para.

- Que foi?

- Ei já que é meu convidado, devo fazer as honras, faço logo. - ele riu e abriu a porta do carro, me ajudando a entrar.

- Sabia que eu poderia entrar sozinho ne?

- Pqp você em Dan, eu tentando ser um cavalheiro, e não ajuda. - ele falou resmungando.

- Oh fica putinho não, vamos palhaço entra.

Fechei a porta e vi ele dando um sorriso, estava gostando dele, mais já tinha definido que seriamos só amigos, mais nada. A viagem foi longa, conversamos besteira, coisas sérias, e sobre as missões. Chegamos rindo na mansão, em Charlleton, o pessoal estava olhando para nos e subimos as escadas com os comentário.

- Vishi, falei que ia da casório. - Disse a Iety.

- Já falei que vou se a madrinha - falou rindo a Erika.

- Cuidado gente, a noite vai ser boa. - Falou o Júlio.

Subimos e nem ligamos para os comentários, estávamos rindo muito, cheguei no quarto dele e quando eu ia saindo.

- Dan, você vai para onde? - perguntou o Alex ja sério e chegando perto de mim.

- Pandinha, eu vou para o quarto que eu tenho de direito e dormi.

- Dan, - falou ele me pegando as mãos. - Dorme aqui comigo, te prometo que não vou fazer nada e só que assim você me faz companhia. E amanhã mesmo vamos lá no Orfanato. Por favor? - perguntou ele com os olhos de cachorro que caiu da mudança.

- Tá, eu fico, mas só por hoje.

Fui tomar banho primeiro, e depois ele foi, me deu um pijama, o perfume dele estava preso naquele pijama, eu ia dormir com o cheiro dele. Deitamos, vimos uns filmes e depois um dormir de costa para o outro.


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive Duque Chaves a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.


IM01- ela so queria. aprender a amar conto erótico gorda gostozavideos de mulheres lascano o cu ate sangra egritano muitomelhorescontosdeincestoputa de 4 fudendo ganhado paimada na bundacontos eroticos maduras peludaAliviando os funcionarios contos eróticosponhei chupa meu pinto sua vagabunda na vizinhaSocorro me apaixonei pelo meu filho sexo incesto videosconto erotico vovo bucetao traindo vovomim arroba com esse pau de borracha conto lespicocontos eroticos malv comendo as interesseiraeu, minha namorada, minha namorada e meu tionovinha timidaxvidiorelatos íncestos tio e sobrinha dormindo nualuna novinha boqueteira eu confessoafeminado rabudocobtoseroticos uma pequena apostacontos sex fui enrrabado na adolescencia e gameicomi a pmcontos eróticos traindowww.xxxvideos mãe gozando é ce comtraido na piroca do próprio filhofotoporno dotados verdadeiros jegue e nurelatos casadoscontos cornos e traiçaoas pantera tia viuva dando por seu subrinho e o cunhado pegabaixar XVídeos mulher sendo sequestrada e e******** Algemado passar de fita na boca XVídeosMeu marido viaja e eu viro putamuleke punhetamdovimeu cachorro engatado emcadela quistambem comtocomendo meu sobrinhovideo sexo mulherzinha nova traino seu marido com cunhado mulecaocontos eroticos da irma cuidando do irmao com o braço quebradocontos eiroticos leilapornprovoquei levei no cu contosPeguei minha irmã bêbada de baby doll e não aguenteiconto erotico eu e meu pokemon treinado 3tio por favor coma meu cuzinho a sobrinha improrando para o tio ele nao resiste contosvídeos gay bombeiros e policiais se esfregando um no outro até gozar se melando de porraquero ver o filme porno o irmao cariciando a irma para foder ela pela primeira vez beijando muita elacontos minha buceta adora mao dentro fistimgconto lavador de carro pauzudopastor alguma pausado comendo novinha apertadinhaFotos de gostozinha braquinha nua caio no zapconto erotico gay colega de quartox vidios seduzimdo inocentedei viagra p meu vo olha no que deuxvideosdificil pra vc lukamae e fiha no swing contocasa dos contos eroticos com sobrinhos chupador de bucetaconto esposa faz ménage a força com roludocontos eroticos menor de idadeshinichi pegando nós seiosSobrinha flagra conto eroticoContos amigo do futebolcontos meu filho vive me encoxandocasa dos contos cunhado matheuswww.xxvideo mulata calvolga so no cabecaoContos eroticos gay emgrachante onfacontos eroticos primosmulhe.michando.eigual.homem.que.tem.um.grelao.que.prece.uma.rola.que.ela.bati.punheta.igual.homem.e.goza.espurrando.porra.fota.Xvideo mobile Filha tem buceta pilucasada chora com zezao rasgado o vizinho apertado masagem nos pes da minha mae conto eroticoxxvideo bucetinha escorrendo seivamulheres gostosa com binco no peito marido sai e mulher transavcom sogrocontos d mulheres evangelicas q adoram fio dental e brinquedos eróticos ao ir a igrejacinquentona brincando com pauzudo dentro do carroConto erotico- mete seu pauzudo, come a sua mae putaporno a moleirona contos eroticos gay me apaxonei pelo traficante 7conto erotico gay vovo deu leite pro netinhorelatos sexuais veridicos com fotos sou puta do meu genrovelho chupa abuseta da neta comdo amai saienteadinhameu vizinho gordinho passo aqui so pra mim da uma chupada videos xContos arrombada alunofeminização gaymulher esta no sofa conversando e derrepente o cara chega com o pau e coloca bruscamente na boca delasor bucetilhas lindas gizandocurrado na borracharia de beira de estrada conto erótico gay. shortinho fino sem calcinha da sogra contosNecsEexminha esposasuruba relatocontoerotico eu namorada mae e tiocontos eroticos diaristanovinha de baby doll tremendo para fogãovideo de sexo esposa convida o amigos para fasa uma tripla penetracao ao mesmo tempo na buceta da putataradaFotos de surubas com comtoscontos eiroticos leilapornMarido faz minete na Esposa até se virler relatos pornos de estrupos xe vovozinho com netinhas