Despedida de solteira

Um conto erótico de Pedro
Categoria: Grupal
Data: 20/05/2003 01:01:00
Assuntos: Grupal

Quem é que nunca deixou um trabalho na faculdade para fazer na última hora ? Quem não deixou não é normal, principalmente se o trabalho era para ser feito em grupo. Ai é que não sai nada antes da última noite. No meu caso sempre foi assim, mas uma destas ocasiões foi empolgante. Último dia, um trabalho enorme que era para ser feito em um grupo de 8 alunos, ainda estava na metade quando bateu o desespero geral. Toca todo mundo para a biblioteca da faculdade, aquela puta zona, correria e discussões. Lá pelas dez da noite conseguimos finalmente concluir o estudo, só que faltava passar a limpo e a biblioteca estava para fechar. Combinamos que o Marcão, a Valéria e eu iríamos virar a noite para passar a limpo o trabalho, e os outros fariam a apresentação. Valéria era a garota mais assediada da turma, sem dúvida a mais bonita e os cuecas de plantão viviam bajulando a menina. Era morena bem queimada de sol, cabelos pretos ondulados, alta, corpo esguio, sempre vestida como uma patricinha. Não fazia muito o meu tipo, talvez porque eu achava que os meus camaradas exageravam na bajulação, afinal ela era bonitinha, mas não era nenhuma deusa. Na realidade meu tipo é mais mulherão, tipo potranca, gostosona. Mesmo assim a Valéria não era de se jogar fora, mas eu preferia me manter a respeitosa distância a encher muito a bola dela. Apesar de todas as tentativas dos coleguinhas, Valéria estava noiva, de casamento marcado e não dava mole para ninguém. Seu noivo, o Robertinho marcava a moça que nem zagueiro de fazenda. Era o último ano de Valéria na faculdade, iriam se casar nas férias e ela já havia conseguido a transferencia da matrícula para o Paraná, onde iriam morar. Rumamos para minha casa, que estava vazia e tinha mais espaço para trabalhar. Marcão digitava o texto no computador, Valéria ditava e eu, sem ter o que fazer fui preparar um lanche reforçado. Lá pela meia-noite, revezei com o Marcão no computador e falei para a Valéria ir para casa, pois já estava tarde e sua família podia ficar assustada. Valéria insistiu em ficar até o fim, e me repreendeu por ter uma atitude tão machista. Retruquei brincando que não era atitude machista, mas sim medo do Robertinho, seu noivo. Continuamos o trabalho e lá pelas três e meia da manhã terminamos o que seria a última tarefa antes das férias. O Marcão, que é um tremendo maluco, abriu uma garrafa de champanhe vagabunda que eu nunca soube de onde ele tirou, e começamos a fazer uma puta festa. Valéria ficou nos olhando da porta, e começou a chorar copiosamente. Dizia que já estava com saudades da turma, da faculdade, da vida de solteira. Acho que naquele momento caiu a ficha, em menos de um mês ela estaria casada, em outro estado, em outra escola, com outra turma. Valéria desculpou-se educadamente por atrapalhar a nossa alegria trancou-se no banheiro. O Marcão, com a sutileza de um elefante falou: Porra meu, acho que ela está arrependida, mas também esse tal de Robertinho é um puta babaca. Encerrei o assunto comentando sobre a qualidade do espumante que estávamos tomando, quando ouvimos o barulho do chuveiro. Marcão comenta: Mas que puta folgada, tá tomando banho na sua casa. E eu complemento: Já pensou que agora ela está esfregando meu sabonete na buceta? Amanhã vou rifar o sabonete na faculdade. E continuamos na brincadeira até que Valéria retornou à sala, descalça, enrolada na minha toalha do Garfield, com os cabelos presos em um coque sobre a cabeça e o corpo ainda parcialmente molhado. Sentou-se no sofá entre os dois marmanjos que estavam mudos. Pegou a garrafa de champanhe, e tomou quase metade de um gole só no gargalo. Cruzou as pernas e começou a encarar a mim e ao Marcão, um após o outro, enquanto o silêncio no ambiente era sufocante. Após alguns minutos, que pareciam horas, o Marcão saiu com essa: O Robertinho vai cobrir a gente de porrada... Caimos os três na risada, pois a situação era absolutamente incômoda, e ao mesmo tempo cômica. Valéria quebrou o gelo: Ok, você dois foram os dois únicos caras que não deram em cima de mim, não tentaram me comer e sempre foram meus amigos, portanto decidi que minha despedida de solteira vai ser aqui e agora, vou dar para vocês dois. E dizendo isso, levantou ainda com a garrafa na mão e foi até a estante escolher um CD para dançar. O Marcão é mesmo um cara tranqüilo, já estava de pé encoxando a Valéria e beijando o seu pescoço. Valéria desvencilhou-se do Marcão e subindo na mesa de centro começou a simular um strip-tease. Tirando a toalha revelou um corpo bonito, seios pequenos mas proeminentes, cintura fina mas uma bunda poderosa. O tesão no corpo da Valéria eram as marquinhas do biquini, que emolduravam os bicos dos seios, a vulva e também as nádegas. A dança que ela estava desenvolvendo era meio tosca, mas a visão do seu corpo queimado estava conseguindo me excitar, e muito. Levantei-me e comecei a dançar. Valéria derramou o resto da garrafa sobre seu corpo, e pediu que eu chupasse seus seios. Como ela estava sobre a mesa, seus seios estavam bem na altura de minha boca, e eu não tive dificuldade de mamar naquelas tetinhas. Os bicos estavam duros como pedra, e tinham o aroma da bebida. Seu seio era tão pequeno que eu conseguia coloca-lo inteiro dentro de minha boca, e isso era muito gostoso. Valéria já estava bem excitada, e guiava minha cabeça a sua vontade. Eu corria minhas mãos por todo o seu corpo ainda não acreditando na textura de sua pele, lisa como uma seda. Desci beijando e lambendo desde os seios até o ventre, aproximando-me cada vez mais de suas pernas, e do objetivo final que fica entre elas. Beijei sofregamente sua buceta, e ajoelhado no chão começei a chupa-la, primeiro lambendo os lábios externos, depois aprofundando cada vez mais até que a penetrava com a língua. Valéria já estava molhada e pude beber de sua seiva, que naquele instante era a melhor bebida do mundo. Descendo da mesa, Valéria beijou-me vorazmente, revelando seu estado de exitação. O Marcão a essa altura já estava pelado, sentado no sofá, segurando a pica. Valéria interrompeu o amasso comigo, e pegando o Marcão pela pica carregou-o até o centro da sala e começou a dançar. Era uma cena patética, um cara pelado, com a pica dura, dançando de rosto coladinho. Já sem roupa fiquei admirando a cena sentado no sofá. Ao final da música, Valéria sentou-se novamente no sofá entre eu e o Marcão, mas segurando as duas picas. Eu bolinava seus seios e beijava seu pescoço, enquanto o Marcão estimulava seu clitoris. Não demorou e Valéria teve seu primeiro orgasmo da noite. Ofegante, ainda com uma pica em cada mão, disse que iria dar primeiro para o Marcão, que era o mais afobado, e dizendo isso colocou-se de quatro oferecendo aquela bunda maravilhosa para o meu colega, e caiu de boca na minha pica. Em instantes entramos em ritmo, e Marcão estocava a sua buceta violentamente, e ela ao mesmo tempo tentava engolir a minha pica. Um novo orgasmo deixou-a mais bem mais relaxada e travessa. Mudando de posição ela montou sobre a pica do Marcão e começou a cavalga-lo. Explodindo de tesão, decidi comer o cuzinho da Valéria, tal como nos filminhos de sacanagem. Com a pica bem molhada com sua saliva saliva, coloquei-me sobre ela e apontei para seu lindo botão, que estava rosadinho. Ela tentou se desvencilhar, disse que não queria, que nunca tinha dado, mas foi vencida pelo tesão. Comecei esfregando minha pica em seu anus, levemente. Depois, calmamente fui introduzindo meu membro em seu corpo, em movimentos cadenciados com o ritmo da cavalgada, até que senti minhas bolas batento em sua bunda. Valéria gemia num misto de dor e prazer, sendo fodida pela buceta e pelo cuzinho, e com a respiração ofegante, murmurava sofregamente obsenidades, enquanto gozava repetidamente. O Marcão ainda conseguia chupar os peitos da Valéria e eu mordia o seu cangote. Ficamos metendo nesta posição até que cada um nos gozou, quase ao mesmo tempo. Deitei-me no chão, exausto, com Valéria nos meus braços e adormecemos. Entre suas pernas estava o resto de semen de dois marmanjos. Marcão dormiu sobre o sofá. Acordei com Valéria massageando a minha pica. Ela sorriu e disse baixinho que queria chupar meu pau. Começou lambendo a cabeça, e aos poucos foi engolindo toda a pica, com movimentos cada vez mais fortes. Com uma das mãos massageava meu saco e com a outra apertava a pica. Eu bolinava seus seios. Em poucos minutos ejaculei descontroladamente em sua boca, e ela, lambendo as sobras, disse que queria mais. Virou-se para o Marcão e começou a chupar a sua pica, que naquele instante estava mole e flácida. Fui para a cozinha, para deixar os dois a sós e me recompor. Minutos após voltei a sala e Marcão, já acordado segurava a cabeça de Valéria, que de joelhos chupava seu caralho como uma louca e se masturbava ao mesmo tempo. Aquela cena me deixou novamente com tesão, e aproveitando a posição de Valéria, enfiei minha pica em sua buceta sem aviso. Ela aceitou com prazer e começou a rebolar aquela bunda, enquanto eu a estocava violentamente, segurando sua cintura e jogando meu corpo sobre o dela. Valéria parou de chupar o Marcão e começou a masturba-lo, esfregando a cabeça da pica em seu rosto. Em instantes ele lançou seu esperma, que escorreu pela face e pelos seios. Enquanto isso eu ainda bombava ardorosamente. Ela ainda gozou por duas vezes até que, ao sentir que o meu gozo era iminente, tirei o pau para fora gozei em sua cara, esporrando-a mais ainda. Toda melada, ela ficou alguns instantes brincando com a porra enquanto conversava conosco. Agradeceu o nosso carinho e tesão, e disse que gostava muito de nós mas que nunca mais nos veríamos, ao menos enquanto estivesse casada com o Robertinho. Pediu que não contássemos para ninguém e confidenciou que aquele momento estaria guardado em sua memória para o resto da vida. Tomou um novo banho, pegou suas coisas e foi embora, deixando dois novos e saudosos admiradores.


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
rafa
05/08/2003 14:24:25
é isso mesmo só podia ser um juca mesmo né seu idiota manda os seus ai eu meto o pau, sua bicha filha duma puta!
Democratica
27/05/2003 01:34:16
Ei, Juca! Se toca! Esse site não é só sobre relatos reais. O nome já diz: Casa dos CONTOS ERÓTICOS. E, caso não tenha ido além da oitava série, saiba que contos são, básicamente, frutos da imaginação do autor. Parabéns ao autor, o conto é demais!
Juca
21/05/2003 01:38:15
Vai dormir muleque!!!! Ai vc acordou quando caiu da cam e viu que tudo era um sonho!!! Acho que vc deu para o Marcão e não sabe com falar!!!!


sogra brasileira contará no genropornodoido mulher sarra no pau dentro da cueca quero ver dois pauzudo de 90cm pegando uma casada e fazendo ela gritar e gemercontos encasa so andamos peladosaprendeu a gostar de pica com mulheruma mulher fazendo tranzando com um homem perveso/perfil/154178conto de safada meu padrasto gostoso fudeu meu cu guloso eu pedia mais mete fode mair me fode gostonovinha com uma trena pra medi u pau di garoto vídeo de sexocoto de maes encinado filho apor camizinhafilme patroa lésbicas castigando empregad enfiando a mao na bucetabaixa vídeo porno molhes ñ quenta rolar ir choracarolzinhanasurubaNininha metendo subrinho! Bundaxvdeoconto erotico vadia cadela sitiovadia adoro dar o cuzinho pro gigolo foder com vontade o cuzinho delaVamp19-Contos O Doce Nas Suas Veias Capitulo 02Conto erotico umaa muler muito ssafaadacontos de buceta suadaconto erotico era so pra pincelar sem camisinha ele enfiou ate as bolastorei um garotinho virgemtetinhapornocorno tomou leite corno contosmulher cagando enquanto dava a bucetacomendo a sogra contofududinhaContos eroticos de mulheres de manauscontos eiroticos leilaporngozano nos etra xesualdetosexoencoxando na frente de pessoas contos eroticos sobrinhaxvideo fudeludades sentembroContos comi a buceta da minha nora mwsmo ela estando menstruadamostrano a mae a pica durapornor doido batendo poleta na varanda homemconto erotico funk peladaevolução anal negao e vadiairma disse q n cu n e pecado incestoXbideo maoseimulher danto o cu pra um homecom o ppu mais grante do mintocontos de tia lesbica com a sobrinhacontos chefe comedor de esposaX videos uma mulher comeno uma rola grande egrossa do irmaaocontos eroticos de tio,sobrinha e a amigaXVídeos mulher barriguda metralhandocontos chupador de xoxotaminha prima e eu brigamos e trasamos xvideoporno forçado tiofudendo a forçacontos eroticos malv comendo as interesseiraconto erotico estupro machos enjoaremporno gay conto o plaboy e o traficante marrentodotado se a mão no cu da vagabunda tá depositei o pintofilha minha femea contocontos eronticos batedo uma quando a vizinha viuSexoloucoanimalpatricinha do olho azul se surpriende com tamanho da rolavidios pornnou que mae e filha tranza com o meismContos ai meu cu na infanciacontos porno clareira da cadelaXVídeos as mestiça de cabelo curtinho gostosa postiçahentai contoszooman contoconto gay o nerd e o bad boy 7contoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgeclip16.com meninas virgens dando ate sair sangueFOTOS E VIDEOS DE novinhas DE VESTIDO COM CALCINHA ENFIADA NO REGO USANDO DROGAS E SENDO EXTUPRADASconto erótico peguei minha filha f****** meu cachorroPorno contos de traicoes dentro da propria casaWww.vainovinhavideo.com.brMichele e o tio contosexo anal hAaaaapornô queridinho da titiaajudante de predeiro trasa com uma mulher casadaConto erotico com penis pequenoContos eroticos gueys dando para dotadosconto erótico homem castradorubilane anal xnnngosto de ser encoxadayoutube cdzinhas exibidas de baby dollxv egua no cio pingando vídeo pono tento fugi do negao mais se treme toda de tanto gozáGordinhos fudrndoestrompa dores de mulheres XVídeoscontos eiroticos leilaporncontos eiroticos leilapornescravo e puto de minha mulherfostos.as.mais.gostozas.quadrinho.eroticosde.saia.coladacontos eróticos incesto brincaderinha com mamãe parte 4