DEI O CU POR ACIDENTE (reedicao)

Um conto erótico de Estefanio
Categoria: Homossexual
Data: 14/07/2007 16:38:47
Assuntos: Homossexual, Gay

Meu nome é Augusto, moro na cidade de Alto Horizonte, em Goiás. Tenho 43 anos e ainda sou solteiro. O que vou contar aqui aconteceu a 15 anos atrás, quando eu trabalhava como cortador de cana em fazendas do estado do Pará, como quase todas as pessoas que conhecia, aqui da minha cidade.

Tinha chegado a época do corte de cana e, como todo ano, saí da minha cidade no interior de Goiás e fui para o Pará procurar trabalho. Eu estava com 28 anos e, naquele ano, arranjei emprego como cortador de cana numa fazenda que ainda não conhecia. Quando cheguei já notei que havia algo estranho. De noite eles nos mantinham trancados num barracão e só saiamos pela manhã para o corte, voltando a noite para dentro do barraco, que era trancado com cadeado pelo lado de fora e guardado por dois homens armados com rifles. No final da semana não recebíamos nosso dinheiro, pois diziam que estávamos era devendo. Trabalho escravo.

Durante o dia não dava para fugir, pois éramos vigiados o tempo todo, mas a noite poderia haver uma chance, na escuridão, quem sabe... Mas o problema era que ficávamos trancados. Éramos 35 homens trancados dentro de um barracão grande de madeira, dormindo pelos cantos, onde dava. Já nos primeiros dias que cheguei, notei que num canto do barraco sempre havia algum tumulto, sussurros, gemidos... Perguntei para um colega que estava do meu lado o que era e ele falou para eu ir lá ver pessoalmente, senão não ira acreditar. Fui me arrastando na direção dos sons, era muito escuro e quase não dava pra ver nada. Chegando lá, notei que havia um homem de quatro, e outro, por trás, estava enrabando o cara. Voltei rapidamente para o meu canto. Perguntei pro meu colega quem era o viado e ele me disse que isto era segredo, que não era pra ninguém saber. Na verdade, não era um só e cada dia tinha um diferente. Era proibido acender luz para que quem estava de quatro não fosse reconhecido, e nem que o estava comendo, e essa lei era obedecida. Perguntei pra ele se ele já tinha ficado de quatro e ele riu dizendo que não, mas que às vezes vai até lá e pega a fila para dar umazinha em quem estiver dando. Mas que lá era proibido falar pra que as pessoas não fossem reconhecidas pela voz. Achei aquilo tudo muito estranho e preferi ficar na minha, sem me envolver.

Amanheceu e, como sempre, vieram os guardas e abriram o barraco. Lá fora, um cheirinho de café. Saí do barraco e peguei a fila do café. Uma caneca e um pão pra cada um. Fiquei olhando pros outros, todos com cara de gente sofrida, uns mais novos, outros já velhos, tentando imaginar como pode ter acontecido o que vi na noite passada. Quem estava dando o cu? Olhando pros rostos desses homens, não dá pra saber. Todos pareciam muito sérios.

Após mais um dia no canavial, voltamos pro barraco. Eu só pensava em fugir dali, mas como? Aproveitando a última claridade do dia, dei uma olhada em volta, era só mato, mas isso era bom, pois para fugir era só me embrenhar naquela mato e sumir. Se conseguisse chegar ao rio, nem os cachorros me alcançariam mais, pois perderiam o rastro. Mas como sair do barraco? Era um barraco velho, madeira já meio podre, não deveria ser difícil despregar uma ou duas daquelas tábuas. Notei que num canto havia uma tábua bem podre e que poderia se soltar com um bom empurrão.

Anoiteceu, vieram os guardas e nos trancaram como sempre. Já com o meu plano em mente, fiquei perto do lugar onde a tábua estava meio podre. Esperei umas duas horas até que a maioria já estivesse sossegada, me aproximei da tábua e dei um forte soco com a mão aberta. Ela cedeu. Consegui afasta-la de lado e deu pra sentir o cheiro do mato do lado de fora. Mas a tábua era muito estreita e eu não conseguiria passar. Precisaria tentar despregar a tábua do lado. Com dificuldade, enfiei a cabeça para fora do barracão pelo buraco da tábua para ver se via algum guarda. Estava muito escuro, quase não dava pra ver nada, mas vi a luz do cigarro de um deles que fumava a uns cinco metros de onde eu estava. Tive sorte de ele não ter ouvido o barulho quando soquei a tábua. Bom, amanhã eu iria ver como era a tábua do lado, pra ver se dava pra solta-la também. Estava tentando tirar a cabeça, mas as orelhas não passavam. Fiquei meio entalado, mas continuava tentando me soltar.

Derrepente, senti um movimento atrás de mim. Alguém se aproximou e estava baixando a minha calça, que era de elástico. Lá estava eu, de quatro no canto e sendo confundido com o viado da vez. Não podia falar para não chamar a atenção do guarda, então tentei fazer sinal para o cara atrás de mim, mas estava escuro. Eu tentava tirar a bunda da reta, mas ele me segurou, passou saliva no meu cu, encostou a cabeça do pau e começou a fazer força. Minha nossa! Eu ia ser enrabado sem querer. Comecei a gemer baixinho, mas não teve jeito, senti um estalo no meu cu, como se tivesse levado um choque. O cara me segurou pelos quadris e enterrou tudo. Acho que desmaiei, pois só me lembro quando ela já estava tirando o pau e senti o cu todo lambuzado. Meu cu ardia, mas foi um alívio quando ele tirou o pau. Continuei tentando soltar a minha cabeça do buraco, mas estava difícil. Novamente, um movimento atrás de mim, era outro que veio me comer. O cara chegou e já foi enfiando, como o meu cu já estava largo, entrou tudo sem fazer força. Dessa vez senti os movimentos de vai e vem. O cara me segurava com força, metia tudo e tirava, voltando a meter de novo. Ficou nesse vai e vem uns cinco minutos, até que senti o meu cu sendo enchido por fortes jatos de porra. Eu não acreditava no que estava acontecendo. Precisava me soltar. Já estava quase conseguindo quando um outro me segurou por trás e me enrabou de novo. Eu já tinha me soltado da tábua, mas não podia falar nada, pois era a lei. Fiquei quietinho sendo enrabado e esperei até que o cara gozasse. Depois, silenciosamente, voltei pro meu canto com o cu todo arrebentado e fiquei quieto. Após alguns minutos, notei que a movimentação recomeçou. Um outro tinha tomado o meu lugar e já estava de quatro sendo enrabado. Passei a mão no meu cu e senti que estava todo esgaçado. Devia estar sujo de sangue, pensei. Então peguei uma camisa velha, me limpei e vesti a calça novamente.

Pela manhã vieram os guardas e abriram o barraco. Fiquei com vergonha, mas ninguém olhou pra mim, parece que ninguém sabia mesmo o que tinha acontecido comigo naquela noite. Fomos para o canavial e eu pensando se valia a pena tentar soltar a outra tábua ou se seria melhor continuar ali, sem correr o risco de ser enrabado novamente. Quando voltamos, pude ver que a outra tábua era mais nova e seria difícil de solta-la. Desisti do meu plano. Precisava bolar um outro.

Passadas mais duas semanas, fomos surpreendidos pela polícia, que havia descoberto o sistema de escravidão da nossa fazenda e veio nos libertar. Recebi o meu pagamento e voltei para Goiás. Arranjei um outro emprego e fui estudar. Nunca falei pra ninguém sobre o que aconteceu comigo naquele barracão, até que achei este site.


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive Estefânio a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
07/04/2014 13:34:38
Tadinho. Vc parece sincero no seu relato. Trabalho escravo eh foda, mesmo. Desculpe, nao foi isso que eu quis dizer...
21/07/2007 15:51:22
Achei muito bom o seu conto ! Mais que erótico,ele é super-hilário : vá ser azarado assim, lá longe ! Dei muitas e muitas risadas ! Além disso, o autor tem bom domínio das palavras, dando até a entender que se trata, mesmo, de história verdadeira . . .
17/07/2007 13:16:35
Qué dize que vc foi cortar cana e no fim os cara é que meteram a cana nocê ehehehee
15/07/2007 08:23:55
Caro amigo, vc deve ter gostado ja que veio nos contar sua história, senão o silencio de tantos anos não teria sido quebrado, experimente de novo só que desta vez vendo quem ta te enrabando.


Contos eróticos titia chupa minha xaninhaconto porno apaixonado pelo meu primo brutamontesxvideo estrupa mae disaiaquadrinho etotico segudaoFotos de mulher dano o cuzinho vai nlvinhaxvidio gay flagrei meu amigo,na punheta e me dei maucontos eroticos engravidei minha noraisabelle galeginha xxx dano u cuvelho de pau cabeçudo come novinho virgem com kyconto comi a tia coroa peidorreiraaninha insaciaveu kid bengala xvideosContos perdendo o cabaço com negao tripétirei a virgindade da minha empregadapisão ei curra novoSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhacontos eróticos avócontos papai e filhinha seu pinto é grandeconto nora e sogro acanpandopomba gira centando no. meu paucontos eroticos taboocontos eroticos.padres dotados metendo a picabucetas gosmadaseu casei virgem da minha buceta com meu marido ele nunca fez minha buceta sangra eu não sabia que minha buceta tinha hímen seu amigo fez minha buceta sangra conto eróticodi vagar gero sinao doi meucu .xvideoContos Eróticos. Dona Veranegao pingou tesao de vaca na bebida das meninas e comeu as quatro irmans juntasviu a irma de fiu dentau e fucuo de pau duropasei amao nela eila goistou nuonibumulher fode compomba de 30 centimetrovelinho de 80 ano enfia o dedo na buceta da novinhabate ela goza pelo cugaroto punheteiro garanhao curral xvideocontos eeroticos transando com a esposa e cunhada no interior do paranavideo de menina ficano pelada na sala mostrano ar buceta pra os colegamulheres acordano so de mini chortr e calcinhacontoerotico eu namorada mae e tiocontos swing dei a minha calcinha para o meu genrovalkuiria fudenosó de calcinha mostrando a coxa rebolando é denotandoxvideu gomendo sogra gotihas100 foto de mulher em fiado a mao na bucetacomendo a sobrinha de 13 aninho conto eroticoswalmir pauzudo xvideoscontos eróticos putas da ruanovinha olha u padrasto pelado .e bati um sirirecacontos eroticos me entreguei p meu genro k me fez d putacontos eroticos meu amigo comeu eu e minha esposachupou a buceta da india ate ela gozarcontos erotico de meninos gay sendo iniciadofungando no cangote putariabrasileiracontos arronbaram meu cuzinho de menininha virgemgosando na cara da alemao no xisvidiovidos pra abaca irmao gozado dento da buceta da irma novia escodido pelo u buraco da paredexxvideo filha fazes faxina no quarto dopaicontos eiroticos leilapornSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhacontos eróticos peguei minha mulher e me vingueicontos irmazinha nossa punheteiravideos de porno de cunhadabraquinha gostosa dando para cunadocoroa crenteconto erotic incest depravad filhinhacontos eiroticos leilaporncontos eroticos de mulheres de 70 anossexo com empregad gostosa sem roupa tirandocontos eiroticos leilapornContos eroticos com foto bipunhetabr.vai laqiero pegar no pau duro e grosso dele e ouvir ele gemar de tesaoNegao no cu do geyler contos eroticos menageporno real rio sex com isaque e as novinhas de cabelo cutothayza a filha do patrao pornoqaboca novihavirei putinha do titio cassetudoBoquete gay com marginal agressivoquero ver aqueliqui nuaconto erotico huntergirls71bucetinha inchadax video gemitaoben10 estupando a gwanenteada. dormindo levando pica so de fio dentalpornocontos erotico de puta querendo rolarelatos eroticos soniferos