Armei o pinto sem comer a portuguesinha.

Um conto erótico de Yuzo
Categoria: Heterossexual
Data: 18/09/2011 00:01:19
Última revisão: 13/12/2013 12:26:33
Nota 9.97

¨Conto escrito em Português. Com tradução para o brasileirês (se não existe, passa a existir), dentro de parênteses e após o asterístico.¨

Estava a ligar do aeroporto de Lisboa e foi de ficar feliz ouvir a voz do meu amigo Armando Pinto:

- Está lá!!! (*Alô!!!)

- Estou sim!!! (*Alô!!!) Como estás amigo?

- Muito bem. Chegastes agora?

Terminado a apitadela (*telefonema), pus-me a pensar. ¨Não, possivelmente, já estava há um bocadão!¨. Mas combinamos de Armando buscar-me. A viagem não havia sido nada agradável. O trajeto todo a estar rodeado por um bando de canalhas (*grupo de crianças).

Ao lado, um casal com um puto (*criança) de colo, a chorar constante, mesmo com biberon (*mamadeira) na boca. Teve momentos que quase pus me a gritar: ¨-Desamparame-me a loja!¨ (*deixe-me em paz!). Mas, bué (*muito) paciente, coloquei os auscultadores (*fones de ouvido) e tentei dormir.

E além disso, no avião tive o desprazer de encontrar um velho amigo marialva (*mulherengo), o Sujiro Nakama. O gajo (*cara), verdadeiro aldrabão (*cara de pau), me envergonhou, ao tentar seduzir a hospedeira de bordo (*aeromoça). E para piorar, ficaríamos hospedados na mesma quinta (*hotel).

Ao sair do saguão, escorreguei e caí com as nádegas sobre o betão armado (*concreto armado). Foi defronte à parada de autocarro (*ponto de ônibus). O tombo foi assistido por alguns almeidas (*garis) que limpavam a rua e até fregueses de uma tasca (*boteco). Um ardina (*jornaleiro) solícito, veio me socorrer. O começo das minhas aventuras em terras lusitanas, foi com as ancas (*bunda) doloridas (*por causa do tombo, bem explicado).

Era para o Armando Pinto visitar-me a cá no Brasil primeiro. Todavia, ele desistiu com medo de tomar pica no cu (*injeção na bunda). Isto porque, ele pensou que necessário era se vacinar contra uma melga (*pernilongo) que transmitia dengue hemorrágica.

Só no quarto da quinta, notei que meu joelho estava a sangrar. Um pequeno corte. Como não tinha um penso rápido (*band-aid) à mão, o jeito foi improvisar com fita cola (*durex).

Antes de um duche (*banho), logo após dar de corpo (*cagar), tive problemas com o autoclismo (*descarga da privada) o que fez-me ligar para o pá (*cara) da recepção, que tomou providencias na casa de banho (*banheiro). Na noite seguinte, novo tormento com o autociclismo, forçando-me a dar um raspanete (*xingar). Paciência tem limites!

Mas devo voltar a narrar sobre o Armando. Dei-lhe de presente duas camisolas (*camisa de futebol), uma do Clube de Regatas Vasco da Gama e outra da Portuguesa de Desportos. Eu tinha pretensão de assistir o clássico Benfica x Porto, contudo, Armando me fez desistir. Disse-me que teria muitas bichas (*filas) irritantes no estádio.

Fomos então numa casa de pasto (*restaurante). Estávamos a saborear um licor de merda (*licor com leite, baunilha,etc) acompanhado de petisco punheta de bacalhau (*tira-gosto de bacalhau desfiado e temperos). Uma delícia experimentar a punheta em local público! E depois tomamos a deliciosa sopa de grelo (*sopa de verduras).

Armando meio triste, expressão de personagem de banda desenhada (*personagem de quadrinhos) veio ao pé de mim (*se aproximou) e enquanto acariciava a pera (*cavanhaque), passou a bichanar (*sussurrar):

- Ora, pois, somos amigos, não? Estou a desconfiar que Ana, minha mulher anda a trair-me. Tem um parvalhão (*babaca) que vive a ligar para ela. Dizem que o gajo é um excelente trepador (*praticante de montain bike). Como tu sabes, a Ana é fotógrafa e está sempre a viajar. Já faz um bocadão que não fodemos e sempre que eu tento, ela diz que está no período (*menstruada). Mas o raios, como ela pode estar com histórias (*ficar menstruada) se não está a usar o penso higiênico (*absorvente) ?

Fiz de conta estar a andar a apanhar papéis (*viajando na maionese), ajeitei o fato (*terno) que trazia vestido (*que vestia), e tentei animá-lo:

- Que estás a dizer, Armando? Como podes cortar na casaca (*falar mal de alguém) assim? A Ana é um doce de pessoa! Tudo bem que ela é meio galinha (*mulher tagarela), mas é o jeito dela! Ela é muito porreira (*bacana)!

Enquanto defendia a esposa do Armando, meus pensamentos estavam a divagar naquela que podia ser mulher de amigo, mas ainda assim era mulher. E que mulher! Por demais gostosa! Uma fotografia dela em fato de banho (*maiô) enchia minha mente, com aquelas tetas (*seios) volumosas e lindos cabelos encaracolados... Eu meteria nela antes, durante e depois do período. E o meu interlocutor, com a mão no cacete (*pão frances), a insistir na teoria da traição. Para acalmá-lo sugeri:

- Por coincidência, a cá em Lisboa está um amigo meu, o Sujiro Nakama, que no Brasil é detetive e sua especialidade são os casos conjugais. Se quiseres, ele pode vigiar esse parvalhão e depois relatar em detalhes.

E assim, depois de saborearmos nossos pregos (*sanduiche de filé) regado com imperial (*chopp), antes de enfrascar-se (*embebedar-se), sem esperar o prato principal que era a base de sapateira (*caranguejo), chamei o empregado de mesa (*garçom) e fechamos a conta.

Bem, o dia seguinte, comecei o dia tomando garoto (*café com leite) na chávena (*xícara). Ao mascar uma pastilha elástica (*chicletes), soltou uma obturação e por sorte, no mesmo sitio, rés do chão (*andar térreo), tinha um estomatologista (*dentista) que prontamente consertou o estrago.

Alegando urgência e por causa das propinas (*impostos) a pagar ao governo, o gajo cobrou mais caro que o normal pelo serviço.

Ana nos acompanhou pelo passeio em Lisboa. Visitei a Torre de Belém, o mosteiro, saboreei os famosos pastéis de Belém com bastante canela e pouco açucar, andamos de electrico (*bondinho), de cityrama (*onibus panorâmico) pelo Chiado, onde tomamos uma bica (*café) no A Brasileirinha, no Alfama, no Bairro Alto e na Baixa. E várias vezes, a portuguesinha se afastava de nós para atender o telemóvel (*celular).

Mesmo com Armando Pinto ao pé, só imaginar que aquela delicia da Ana, estava a dar a rachinha para outro me excitava, deixando meu penis erecto (*em ponto bala). O perfume dela me fazia ficar inebriado de desejo.

Homem nenhum ficava indiferente àquela portuguesinha gostosa. O andar provocante requebrando as ancas fartas, tal qual Venus no Olimpo a seduzir os deuses, fazia martelar na mente, poemas de Camões:

¨Os crespos fios d´ouro se esparziam

Pelo colo, que a neve escurecia;

Andando, as lácteas tetas lhe tremiam,

Com quem amor brincava, e não se via;

Da alva petrina flamas lhe saiam,

Onde o Menino as almas acendia;

Pelas lisas colunas lhe trepavam

Desejos, que como hera se enrolavam¨. (-Os Lusíadas, canto II).

Ana queria aproveitar as rebaixas (*liquidações de fim de ano) e fomos às compras. A portuguesinha apreciava as montras (*vitrines), tal qual um puto (*criança) ante um rebuçado (*pirulito doce), ou gelado (*sorvete). E o forreta (*mão-de-vaca) do Armando só a reclamar. Até para comprar um simples par de peúgas (*meias), meu amigo fica a pensar mais que um bocado.

Naquela noite, levei Armando à quinta (*quinta=hotel, era quarta-feira) e apresentei-o ao Sujiro Nakama. Ao ver a foto da Ana, Sujiro fez cara de calhau (*burro), abobalhado pela sensualidade da portuguesinha. Aceitou investigar o caso.

Como no dia seguinte a Ana viajaria a serviço para Coimbra, Armando Pinto, louco para dar uma queca (*transar), me convidou:

- Tu queres comer uma ratinha (*xoxotinha) ensopada?

Fomos então conhecer a vida nocturna de Lisboa. Para Ana, iriamos no Sr.Vinho, no bairro da Lapa, ouvir uns bons fados. Mas na verdade, meu anfitrião me levou para um puteiro na zona das Docas. Antes tentamos umas pegas (*putas de rua), sem muito sucesso.

Ah, estava me esquecendo de comentar que o Armando é um verdadeiro azelha (*motorista barbeiro). Eu de boléia (*carona), fui com o pé no travão (*freio). Fico a pensar caso tivesse atropelado um peão invisual (*pedestre cego) ou algum saloio (*caipira). Foi de estar a brocha! (*estar aflito!). Sem contar o medo de sermos pego por algum bófia (*policial).

Tal como o maior poeta da língua portuguesa, libertino é meu modo de viver. Se lá chegarei não sei, mas milhares de ratinhas buscarei comer. E que a Ana é melhor que Catarina de Ataíde, dúvida não há. Pela tal, um poeta se auto-exilou e numa batalha, um olho perdeu. Mas pela portuguesinha Ana eu perderia dois, se não fosse, mulher de amigo meu...

Assim, no prostíbulo, escolhí a rapariga mais alta (oh, vício maldito!), de cabelos em caracóis e tetas volumosas. Bem vestida, parecia uma beta (*patricinha), prestes a se encontrar com seu beto (*mauricinho). Seu rosto lembrava uma famosa pivot (*ancora) de telejornal.

E que maravilha de ve-la seminua, com soutien, cuequinha (*calcinha) e cinta-liga encarnada (*vermelha), ornada com rendas e um tanto comportado para os olhos deste ¨homus japanisis brasiliensis erectus¨.

Tirei minha calcinha (*cueca) e coloquei um durex (*camisinha) na minha pila (*pinto). Ela tinha a cona rapada (*boceta depilada), o que aumentou a ponta (*tesão). E a crica (*boceta) era tão apertadinha, que me senti a tirar os três (*tirar o cabaço).

Mesmo profissional, seu jeito de colar o corpo, como uma sardamisca (*lagartixa), era assaz excitante. Nem um paneleiro (*boiola) desanimaria (*brocharia) com ela. E enquanto estava a meter, gemia e dizia-me palavrões com o delicioso sotaque, o que fez deixar-me vir (*gozar) gostoso.

Já que possível não foi comer a Ana, contentei-me com uma réplica, a mais próxima da original. Tive de pagar um adicional de vinte euros, para ficar com a cuequinha de lembrança, onde vou fixar uma banderinha rubro-verde.

No sábado acabou minha estada na terra de Camões. Sujiro Nakama trouxe o relatório resultante das investigações. O rosto de Armando Pinto punha se a iluminar de felicidade a cada frase lida.

- Graças a Deus! Fiz mal em suspeitar da minha santa e amada mulher! A Ana não tem nada com homem nenhum! Ela me é fiel! O tal parvalhão também estava em Coimbra, mas, com a respectiva esposa. Sou mesmo um tulho (*sujeito estúpido)!

E sorridente, deu-me o relatório chibo (*dedo duro). Estava escrito em BRASILEIRÊS:

¨A pedido Sr.Armando Pinto, segui o cidadão, cujo endereço indicado é o bairro chic de Campolide, mas, mora numa favela. Ele viajou de trem a Coimbra. O mulherengo FDP diz que é salva-vidas de praia, mas, na verdade, trabalha de avental, já que ele é um açougueiro. Mente tanto que até na cabeça, para esconder os cabelos pixaim, usa peruca. Ele viajou com a sua mulher e hospedaram no Hotel da Gota Lacrimal. Lá no imenso jardim, perto da Fonte da Gota Lacrimal, o cidadão e sua mulher, envolvidos pelo clima romântico do local, tal qual D.Pedro IV com sua amante dona Domitila de Castro Canto, Marquesa de Santos, transaram de forma maravilhosa. O cidadão recebeu um boquete da sua mulher. O cidadão lascou a piroca na xexeca da sua mulher. O cidadão também comeu o bum-bum da sua mulher. NIHIL. Atenciosamente e de pau duro, Sujiro Nakama¨.

Nisso chega Ana, toda troncha (*desarrumada). Armando Pinto, alegando cansaço e leseira (*preguiça), foi dormir. A portuguesinha viu e pegou o relatório. Ela esperou o explicador (*professor particular) do filho ir embora e a sorrir, com ar angelical, me pediu para traduzir. E eu traduzí do brasileirês para o português:

¨A pedido Sr.Armando Pinto, segui o gajo, cujo endereço indicado é o bairro nobre de Campolide, todavia, reside num bairro de lata. Ele viajou de comboio a Coimbra. O marialva cabrão diz que é banheiro, porém, na realidade, trabalha de bibe, visto que ele é um talhante. Mente tanto que até na cabeça, para ocultar os cabelos gadelha, usa capachinho. Ele viajou com a TUA mulher e hospedaram na Quinta das Lágrimas. Lá no imenso jardim, perto da Fonte das Lágrimas, o gajo e TUA mulher, envolvidos pelo clima romântico do sitio, tal qual D.Pedro I com sua amante dona Inês de Castro, dama de D.Constança, foderam de forma bestial. O gajo recebeu um broche da TUA mulher. O gajo meteu o caralho na cona da TUA mulher. O gajo também comeu o cú da TUA mulher. NIHIL. Atenciosa e cheio de ponta, Sujiro Nakama¨.


Este conto recebeu 12 estrelas.
Incentive yuzo a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
22/06/2020 11:26:41
Se não tivesse as traduções do lado de cada expressão... Meu Deus kkk
10/06/2020 01:42:15
Nossa, quando penso que já vi de tudo, vem você, Yuzo, com um conto desse. Não é a toa que você é um dos melhores do site. Imagino o tanto de pesquisa que fez para escrever esse conto. Rindo muito aqui!!!! Omedetou!!!
05/03/2020 00:55:21
otino muito bom como sempre sao teus contos dez e tres estrelas
04/03/2020 19:20:53
As armadilhas da língua portuguesa. Imagino o tanto que precisou pesquisar para escrever essa crónica. sabendo dessas diferenças linguísticas, penso que não tenho maturidade para viajar à Portugal, pois se me mandarem ficar rabo da bicha, ou sugerirem uma punheta à moda da casa num restaurante não coonseguirei me segurar 😂😂😂
01/01/2020 17:09:26
DENTRE MAIS CENTO E CINQUENTA MIL CONTOS, ESTE ESTÁ ENTRE OS 190 MAIS COMENTADOS DO SITE, COM 69 VOTOS. Bem escrito, merece a nota máxima.
10/12/2019 08:52:17
Divertido.
27/04/2019 11:51:10
Camões, Eça de Queirós, Fernando Pessoa... grandes nomes da literatura lusitana. Já que não teve como pegar a mulher do gajo, o melhor foi se contentar com a "genérica", menos mal... Excelente texto.
10/02/2019 07:42:43
Delicia de conto.
28/10/2018 01:39:48
Rindo muito aqui!A lingua de Portugal é engraçada por si só! Kkk!Usar.calcinha, pegar bicha é coisa de que homem faz naturalmente lá 😂😂😂
12/02/2018 09:32:55
Hilario, cara. Vc sabe como brincar bem com as palavras. Aqui na minha terra, a gente usa também os termos leseira e lagartear. Abs.
03/11/2017 22:27:57
Adoro teus contos, sempre com trocadilhos e pitadas de humor. Vc foi genial, como sempre, nessa aventura em Portugal. Não me excitou, mas, me fez rir pra valer. Um beijo!
03/08/2017 14:45:15
Apesar de ser um conto de humor não deixa de ser um dos melhores que li neste site. Parabéns. Dez.
29/04/2017 07:43:27
Divertidíssimo! O que mais dizer. Uma aula de conto pra quem quer iniciar e até mesmo para os experientes. Seus trocadilhos são simplesmente geniais, tendo como fundo essa aventura em Portugal. Fica aqui meu comentário e nota. Sem dúvida dez. Bjs babados.
01/03/2017 21:08:11
Ah Yuzo, Maravilhoso! Tão divertido e sexy, como pode isso? Hum? Parabéns, de novo e de novo! Beijos
26/06/2016 10:08:48
Criatividade é tudo! Divertido e muito bem escrito. Ganhou uma fã incondicional. Bjus.
02/03/2016 12:31:06
Caro colega, dizem que palavras tem poder, mas saber usá-las é o poder em si, rsrsrs. Adorei o jogo com o sentido das palavras, que resultou num conto divertidíssimo e original. Grande criatividade! Abração!
03/02/2016 07:42:58
Bem criativo esse teu jogo com as palavras. E se essa portuguesinha é aquela que estou pensando, perdeu mesmo de a chance de comer uma das melhores e mais excitantes escritoras do site. Por ela, leva o meu dez.
12/01/2016 16:50:34
Olá Yuzo.. Pra variar, mais um ótimo conto teu. Recriamos o grupo de video-contos e queria entrar em contato contigo. Me mande um email par ao meu: Abraço do Mod - Secret Island - Email:
12/01/2016 06:11:31
Vc é doido varrido, cara. Mas tá bem divertido. Kkkk, valeu.
05/12/2015 15:10:12
Barbaridade, tu és mesmo um balaqueiro de prima. Mesmo quando escreve coisas mui locas, o fazes com estilo e inteligência. Parabéns!


evangelicas na zoofilia com cachorroTa tarada roludo vendo novinhas com cálcinhas melecada macubeiro comendo a foça novinhaquitedo gemedo pelada camisinhaNovinha reboa gostosa yotubcomendo o cuzinho rosinha da mamae contos veridicosdescabaçada pelo primo relataconto isso Júlia peida 2018dona margarida metendo gostosoContos eroticos mamaeeee uii aiialuna novinha boqueteira eu confessoSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhavidio de mae fagando filha novinha chupano rola do paiOvelho fazedosexocomendo a sogra tatiane bem gostosocontos eiroticos leilapornConto erotico minha esposa ruiva 8baixar pornô casais maduro pede rola de travesti negro novinho gozando sem camisinha de latinha do Rolaporno brasil a emtiada amadrasta i o travestissolandoa bucetinha virgem da gatinha cm o picacontos de namorada no churrascoContos eriticos .como virei escrava do vizinhonegaoeu sento no seu pau voce mim abraca e mim beija gostoso pornofaz sua namorada ir ao ceu so com q sua linqua pornodoidoconto erotico funk peladasocaaa com força malandroConto a faxineira de fio dental no quartocontos eroticos meninas de treze anos transando com cachorro com calcinha preta com lacinhos vermelhocabecudo guspinno porraconto erótico lésbico narrado no YouTube com minha priminhaxvideos negao amolenta novinhacontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgecontos de sexo depilada na praiacontos eroticos de coroas com seus inquilinosmenina tranzando escodido de nove anoscontos eroticos chantagiei minha professora para ela me dar o cucontos chantagiei a filha do pastorMeu marido virou minha putinha safadaorgasmo chupando seios contosenteada gostosa brincando de carta mal padrastofotos de mulheres batendo poeta nelas mesma pensando em homem tezudocontos eroticos malv comendo as interesseiraMulheres se vingando da amiga amiga humilhação amiga fetiche contos erotico dei no churrascoconto erotico esposa de lycra .com pacotao marcadozayn prostituta casa dos contos eroticosmulheres santinhas safadascontos eróticos san e dean incestovizinha do intestino curto fodendocontos eiroticos leilaporntravestd nusvideos porno menina cruza com cachorros ate arder a bucetinhawww xvideos.mulher.de.che.o.marido.dorme.tra.fode.cunhadoConto erotico gorda estrupovelho tarsdaocontos fiquei com tesao flagano meu filho dano o cux video a intiada virge aproveit q a mae saiu e traza com padrastomulher.cabeluda.de50.anos.quer.foder.com.umcaralho.grandecomo fui inicianda no menage masculinocontos eroticos dormindo com primoaquilo foi rasgando meu cuzinho contos eroticosContos mendiga pornomae do meu amigo gostosavidesou evagelica e nao tive em casa e procurei fora contos eroticoespiei a minha madrasta gostosa e fiz um vídeo caseiro delaeu quero GTA Marginal trabalhando na ambulância disfarçadopornoirado de puta de shortinho no talo sarrada no onibusabaixar a musica so vei comigo vc n vai si arrebederAmor arrumei dotadoxvideoxvideos incesto filha abracando maliciacontos eroticos cunhado com scata sogra levantado vestido deixadndo genro locoContos de surra na menininha malcriadacontos gays- dei o cu pro meu irmao fiz uma foda bisexual com meu filho minha filha minha esposa meu caseiro sua esposa e sua filha contosCasa de Contos fodas a uma cadela pitbull da vizinhaxvideos erick dotadao o'irmão da ijrejacontos eroticos cheia de pentelhos horriveis