O NOVO NORMAL: NUDISMO EM FAMÍLIA (PARTE 2)

Um conto erótico de Alvaro Campos
Categoria: Heterossexual
Data: 07/01/2021 13:45:03
Última revisão: 12/01/2021 16:06:29

A ideia de que eu e minha filha de 19 anos deveríamos andar nus pela casa, como um novo acordo, um pacto que eu seria obrigado a cumprir, em nome da felicidade dela, era algo que eu ainda precisava digerir. Pensava em dar uma basta naquilo tudo, fazer desenrolar-se o novelo de toda uma série de obrigações paternas urgentes e necessárias. Era preciso encarnar o peso de velhas normas e tradições. Eu era o pai, o responsável. Não podia permitir aqueles excessos.

Eu, um pai desavergonhado, pelado, no sofá de casa. E se os outros observassem essa cena? Eu pensava nisso e, ao mesmo tempo, surgia na minha mente o rosto triste e murcho da minha menina. As semanas em que ela havia andado cabisbaixa pela casa, murcha, acuada, presa numa quarentena interminável. E a felicidade que ela ficou quando se aproximou mais de mim, contou suas intimidades, e viu as suas propostas de nudismo e maior liberalidade serem aceitas. Depois, a felicidade de poder masturbar-se na minha frente, sem precisar se esconder. E a beleza do seu corpo desnudo, os seios bem torneados, firmes, a vulva bem rosadinha, um corpo tão belo como o da mãe. Aquela beleza que desabrochava, forte, viva, deveria ser escondida, guardada? E tudo, porque eu era o pai, a figura da ordem, dos deveres, dos cumprimentos... Eu deveria... Fodam-se as tradições, os tabus. A minha filha era tão linda, o corpo dela... e ambos éramos adultos, autônomos, livres.

Eu estava pelado, no sofá da sala, relembrando o momento em que vi a minha menina se tocando, brincando com o seu corpo, divertindo-se. Muitos, vendo essa cena, podem me achar um pai desavergonhado, lascivo, despudorado, mas fodam-se. Minha filha havia me ensinado a repetir “fodam-se os tabus”. E era isso que eu repetia, enquanto na minha mente surgia a imagem da sua vulva rosadinha, aberta, lisa, um dedinho no clitóris, fazendo movimentos circulares, enquanto o outro a penetrava levemente. Relembrei a sua voz inocente e sensual, dizendo: “está até pingando de tanto prazer”. E comecei a repetir aquilo, “está até pingando de tanto prazer”, e passei também a fazer movimentos. Perdido em pensamentos, de olhos fechados, eu me masturbava no centro da sala e repetia “pingando de tanto prazer”. Repetia as palavras da minha filha, numa espécie de sussurro, de mantra. A sua xana aparecia cada vez mais molhada e quente na minha mente, como a da mãe, encantadora, deslumbrante. Sem pensar, movido pelos pensamentos, eu me tocava, os espasmos ficavam cada vez mais intensos, até que acordei num gozo intenso, forte, as mãos e o corpo cheios de brancura, viscosidade e prazer.

Abri os olhos e, envergonhado, deparei-me com o olhar curioso e penetrante da minha filha. Tentei esconder-me. Com as mãos, tapei o meu membro, sentia-me sujo.

A minha filha, porém, não se fez de rogada. Sentou-se ao meu lado, segurou nas minhas mãos esbranquiçadas, sem ligar para a porra que ainda escorria, e falou:

– Calma, pai, não precisa ter vergonha. É normal. É o nosso prazer. Você me viu e eu te vi. Por que temos que esconder algo tão natural como a nossa necessidade de prazer? Está tudo bem, pai, está muito melhor do que antes. Agora, somos realmente íntimos. Nunca fomos tão unidos como estamos sendo agora. Isso é lindo, pai, você não percebe? É lindo! Fodam-se os tabus. Viva a nossa união, a nossa felicidade.

Depois de dizer isso, a minha Bia foi ainda mais surpreendente. Ela sentou-se no meu colo e falou:

– Não ligo para o fato de você estar sujo de porra ou envergonhado. Não ligo para o fato de você estar nu ou se sentindo sujo. Eu continuo sendo a sua pequena e apenas quero a sua presença, o seu colo, o seu carinho, a sua intimidade. A sua pequena está carente, pai, e deseja você. A sua pequena deseja uma presença viva ao seu lado e, nesse momento, só temos um ao outro. Fodam-se os tabus, pai, fodam-se as normas.

Eu não podia pensar muito no que estava acontecendo naquele momento. O meu corpo nu, cheirando a sexo, e a minha filha no meu colo, carente de afeto, sem se importar com nada. Refleti um pouco e, aos poucos, procurei esclarecer minhas preocupações:

– Filha, entendo que você esteja carente, sem amigos, sem namorado, presa nessa quarentena. Eu também me sinto carente. Entendo tudo isso. Mas me pergunto se você ou nós não estejamos confundindo tudo. Aquilo que você procura em mim deveria buscar em outro homem, num namorado, num marido. Tenho medo de prejudicar a sua vida, seus relacionamentos futuros. Eu deveria apenas cuidar de você e te preparar para o mundo, para outros relacionamentos, outras situações.

Ela permaneceu olhando nos meus olhos, tocou no meu rosto com delicadeza e falou:

– Pai, eu juro que você não está me prejudicando. Eu sei que tudo que estamos fazendo agora é passageiro. Nada é definitivo. Sei que tudo isso é e será sempre o nosso segredo. E sei que não podemos permanecer íntimos dessa forma por muito tempo. Mas nada no mundo, nesse momento, parece ser normal. Não poder ir para escola ou sair com amigos, acha que isso é normal? Não tenho mais vida social, pai, e só temos um ao outro. E, nesse momento, pai, nossos corpos têm fome e sede. Então, por que não? Juntos podemos ser mais fortes.

Tentei responder alguma coisa, mas as palavras me fugiram. Dúvidas e medos me remoíam. Tudo parecia tão natural para minha filha, tudo estava tão organizado na cabecinha dela. Aquilo era passageiro, era apenas o nosso novo normal da quarentena, nós dois estávamos infelizes e carentes, que mal faria se nos apoiássemos um no outro? Depois, a vida seguiria seu rumo. Pensei em tudo isso, enquanto olhava ternamente para minha filha. O seu rosto estava plácido, sem culpas, dizendo-me que a vida era leve e simples, sem complicações.

Minha pequena Bia aproximou ainda mais de mim, suas mãos tocaram os meus cabelos, o meu rosto... e os seus lábios se aproximaram dos meus. Não resisti. Aquiesci, os seus argumentos, a doçura do seu corpo, nossas carências, tudo passou a me envolver, rompendo por completo as minhas defesas. A boca da minha filha era terna e vigorosa, sua língua se encontrava com a minha, como se fossemos animais sedentos por carícias, por novos contatos, o beijo prolongado aproximava os nossos corpos com calor, intensidade e doçura. Eu não pensava, apenas seguia a dança daquele corpo que se grudava ao meu. Eu me deixava guiar, entregava-me. Ela estava em cima de mim, possuía-me com sua boca, palavras e lábios se uniam. “Nada é definitivo. Nada no mundo, nesse momento, parece ser normal. Só temos um ao outro. Nossos corpos têm fome e sede. Fodam-se os tabus”.

Eram essas palavras que se repetiam na minha cabeça, quando percebi que o meu membro estava rígido novamente e que a minha filha, com o corpo molhado de prazer, passava a envolvê-lo com facilidade. Num sorriso, a minha pequena sussurrou:

– Estamos abraçados, papai. O sexo nada mais é do que a extensão de um afeto, de um abraço. A minha xota tem lábios que acariciam e beijam o teu membro. Eu estou dentro de você, papai, eu sou tua e isso será sempre uma lembrança viva e forte. Eu te amo. Eu te amo, de verdade. Sou tua filha e tua amante. Eu sou tua, papai. Sente a força dos nossos corpos, me penetra, sai e entra com força, penetra com intensidade para eu sentir ainda mais forte o roçar dos nossos corpos, pele com pele, faz de conta que você está apenas dançando comigo, papai. Uma dança viva e voraz, em que nossos corpos estão livres. Vai, papai, me faz feliz, me faz mulher, vem, abraça com calor a tua linda filhinha.

Não consegui falar com palavras, apenas com o corpo. Quanto mais a minha filha falava, mais eu aumentava a intensidade. O meu membro saia do seu corpo para adentrá-la com ainda mais força, pele com pele, corpo com corpo. Ela me oferecia o seu ser e eu a aceitava. Sorvi sua boca, sentindo a voracidade da sua língua, depois suguei a maciez dos seus seios durinhos e crescidos. Em pouco tempo, o seu corpo começou a estremecer dentro do meu. Ela havia gozado com intensidade e estava frenética. Em nada parecia a adolescente murcha de dias atrás e acho que foi por isso, por ver e sentir a sua felicidade radiante, que eu aceitei de bom grado quando ela retirou sua xota do meu membro e me ofereceu para que eu a chupasse e sentisse o seu sabor... um sabor que pingava de prazer. Com um sorriso, a minha pequena Bia falou:

– Oha, papai, como você me deixa molhadinha. Olha, papai, como você me faz feliz. Acho que nunca havia gozado com tanta intensidade. Em sinal de agradecimento, preciso te mostrar, em atitudes, a minha inteira gratidão.

Foi assim que a minha filha aproximou a sua boca do meu membro e passou a sorvê-lo por completo, mergulhando nele, ficando sem fôlego, babando, deixando-me atônito com seus muitos truques de garota experiente. Ela engolia tudo, cada centímetro do meu membro, ficando quase sem respiração, e sentia prazer naquilo, no sexo sem limites. Fazia isso e depois me beijava, revelando-me que o sexo penetrava cada poro do seu corpo, estava em todos os sentidos, era sorvido pela sua boca, cheirado pelas suas narinas, sentido pela sua xota quente e fremente.

Não resisti e percebi que iria gozar. Tentei retirar o meu membro da sua boca, mas não consegui. A minha porra adentrou a sua boca e salpicou no seu rosto, escorrendo pelos cabelos e lábios. A minha filha fez um sorriso maroto, retirou com os dedos todo aquele líquido e bebeu tudo, como se fosse uma rara iguaria. Depois, ela me deu um beijou e encerrou a noite, dizendo:

– Agora, não tem mais volta, papai. Estamos enamorados, amantes, juntos. Eu sou tua e você é meu. A quarentena fez as suas mais novas vítimas. Sou a tua presa e você é a minha. Estamos enlaçados e eu nunca estive tão feliz em toda a minha vida.

Ao escutar essas palavras, só consegui abraçá-la. Naquele momento, não senti culpa e uma felicidade chegou a invadir o meu rosto. A minha filha estava feliz e eu também. Naquele momento, ambos queríamos aquele abraço e aceitávamos o novo normal que nos envolvia. Eu supria a carência dela e ela fazia o mesmo comigo. Não importava mais se aquilo era considerado errado. Nós dois, depois de muito tempo, nos sentíamos vivos e felizes. A minha filha estava sentada no sofá e, desnudo, eu a abraçava. No colo dela, eu a abraçava. Mesmo sendo o pai dela, eu precisava de um colo, de um apoio, de um afeto mais íntimo e mais intenso que me devolvesse a vida.

LEIA TAMBÉM A TERCEIRA PARTE: O NOVO NORMAL: NUDISMO EM FAMÍLIA (PARTE 3).

Para ler a terceira parte, basta clicar no pseudônimo Álvaro Campos e procurar o último conto publicado.

Não deixem de comentar e de nos brindar com três estrelinhas.


Este conto recebeu 81 estrelas.
Incentive Alvaro Campos a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
11/01/2021 23:30:26
Verifiquei que o Locabessudo não se encontra mais na Casa dos Contos Eróticos. Todos os seus contos e comentários não estão mais presentes. Saiu do site ou foi banido.
11/01/2021 19:27:11
Alvaro Campos. Vi sua resposta ao Locabessudo. Mas não vi os comentários dele e gostaria de ver pois ele é sempre muito original nas suas análises. "Lococabessudo, obrigado pelos elogios. Fico feliz que tenha gostado. Quanto aos poucos erros de português, encaro com naturalidade, visto que sou professor de português (o nome Álvaro Campos é também um heterônimo de Fernando Pessoa. Roubei a ideia do grande escritor português)." - Aqui eu já sabia. Quando à segunda parte é espetacular a descrição primorosa e poética da relação de entrega entre os dois, a beleza, o carinho e o desejo em doses que não chegam a conspurcar a relação de amor pai/filha. Excelente. Adorei.
11/01/2021 00:09:13
Que filha! Que filha! Nota 10 com louvor.
10/01/2021 23:45:43
Bom demais, vou ler a terceira.
10/01/2021 23:36:40
Mil estrelas!
09/01/2021 15:38:58
Olá, parabéns pelo seu conto Se puder enviar fotos de sua filha :
09/01/2021 07:28:49
Não sou ninguém para julgar, não tenho filha. Gostaria de ver fotos!
08/01/2021 22:27:47
Muito bons os seus contos! Penso parecido e até já vivi situação parecida. Essa pandemia está fazendo coisas que nunca imaginamos! Adoraria conversar mais sobre isso, trocar experiências... Me escreva
08/01/2021 19:25:22
Quem quiser fotos da minha filha Bia, deixe aqui seu comentário e um e-mail.
08/01/2021 13:53:33
Mora em São Paulo como seria se nos dois comecemos ela juntos gosaria igual uma cadela no cio adoro nota mil resguardando fotos
08/01/2021 13:50:14
No terceiro vai comer o bumbum da filhota adoraria estar no seu lugar
rgm
08/01/2021 12:15:30
LINDÍSSIMO conto tudo com excelente detalhes ela consegue desta forma e com estas palavras tudo o que bem quiser , eu somente quero umas fotos mande para mim obrigado sua nota é MIL mais três estrelas aguardo respostas ansioso
08/01/2021 08:02:51
Parabéns eu no meu outro comentário já imaginava que iria acontecer o inevitável embora ajo que é uma fantacia sua e não e real se for realmente real manda umas fotos dela bati duas imaginando sua filha
08/01/2021 07:34:04
Ótimo relato, será q vai der mais ?????
08/01/2021 07:03:58
Muuuito bom, continue...
08/01/2021 05:08:00
Maravilhosa descrição do que deve estar rolando por esse mundão em pandemua
08/01/2021 03:16:20
Parabéns.
08/01/2021 00:49:00
Maravilhoso!!! Continue!!!
07/01/2021 21:38:27
Parabéns! Excelente conto.
07/01/2021 19:40:38
sensacional adoravel e luxuriosa leitura merece mil estrelas , , se puder leia os meus e comente tambem. obs aceito criticas.

Listas em que este conto está presente



minha mae e a travestis contosNovinha da cuzinho no enlevadoxxx com a minha tia e fiz ela se mija.e caquase eu tava afim de cozinha da minha cunhada mais nova aos berros XVídeosContos sogra safada e fogoza seduz e se apaixona por seu genro e trasa elehetessexualsogra fazendo sexo selvagem com o gel da pica cabeçudaconto erotico magrinha negaocomendo a mulher do chacareiroCuidando das amiguinhas da minha irma contosencoxada conto eroticocontos eiroticos leilapornconto erotico gay com padrasto velho coroa grisalhomulher daperreca piquininihaxvideos novinha sentando em palzao de 59cmcontos eroticos comi a coroa casadacontos eróticos uma vida incestuosa como tudo começou pt 3conto puta obedientecirleia bucetudaContos eróticos - quero roubar o marido da minha mãebucetas depiladastia muito gostosa foi vê o sobrinho tomar banho e não aguento e fez sexo com ele que tem o pau renomeconto hot meu bisneto mamavacontos gay pai e filhocontos pedreiro maduro e a novinha virgemLeonilda Vídeos Pornôconto erotico mulher drogadaFoto de homem baxinho picudomae mte como primo filla pega eles ke goso muito em filme de pornoporno cosquinha papai cansaducasa dos contos eroticos com fotoscontos erotico arrombando sogra feia contos eroticos infoXVídeos vídeo nacional e caseiro mulher dormindo sendo acariciada por saisnovįnha do sexo anal tuXVídeos que dia para minha esposa enfiar o biquíni na b***** e assanharam os outros homens na praiaXxvideo cazeiro comendo a mamae apos chega do trabalhor 2009[email protected]wwwxvideos pinto mole subindoxnxc.akeiteContos Mamadas no paizimmanual de corno manso gatobom/texto/201212880Quadrinhos cabeludos de uma gangue de monstros tarada por mulheres gostosas! HQs lotadas de criaturas horripilantes que vão te dar medo e prazer!contos eroticos malv comendo as interesseiracontos porno scat lesbicocontos anal com jegue humanovideos pornò homem chupando gostosòalevantei o vestido da cunhada gostosa e levou bucetacontos eróticos mae peituda e filho magreloirma fudedo coma irma no esguinchoxividio Carlosxxxvideos bafo psi comendo sua filha escondidotrelada xxx conto fotoConto erotico trio elétricocontos eroticos_O primo do meu namorado gozou na minha bucetacontos eiroticos leilapornconto bem erótico ele chupistas meus seios lá atrasbrincando escanchada contos pornopor favor senhor eu nunca fiz sexo anal pornocontoseroticos minha madrasta chorumingava com pau no cuMeu cão ralf me comeu contoContos eróticos de sogro e nóra safadavideo de padrasto tentando resistir a enteada sentando no colo delesexotesaogostosoX video maê fas bogueticontos eiroticos leilapornmulher marrou ele e martuba devagarincontos eiroticos leilaporncontos eiroticos leilapornConto erótico sololupusAs novinha que adora chupar i tamar a porraRogeriodepaudurocontos eróticos de homens que gostam que suas esposas transem com outrosvideo de colegial sedo encoxada por baixo da saia com penis pra fora entremeio as pernas e varginaxvideolekchupar e engolir esperma comentariosconterotico o penis do ev irmaoroladanucupau extraordinariamente grande e grosso gozando dentro e arrombando a bucetinha apertadinha da menina novinhaporno irma tremendo no pau ate o fundoflexionando caio no xvidever videode mulher. gozando nno pinto bem grossoler contos eroticos menageFelipe e Guilherme- Amor em londresXVídeos a mulher fica pelada dentro da casa e o cálice piacontoerotico namorada e mae putas do tio jorgeporno doido faxineira obedientemulheres fudendo na obra fqconto erotico de esposa que so anda de micro saiacontos fudi a minha norabaixar filme pornográfico de coroas transando buceta com buceta liberado para assistir e já funcionandomarciano novinhopeladohugo mansinhocoroa rolado comendo novinhogay contos eroticos gaygostosas dos pelos descoloridos tomando no cu de bruçosxv minha tia tem abusetas graandever buceta da bunduda de tramandai rs