Finalmente comi minha filhinha, Susi

Um conto erótico de Leandro
Categoria: Heterossexual
Data: 27/12/2016 00:33:52

Desde que Susi, minha filha, me mamou na cama dela, não conseguíamos mais nos olhar como antes. Passaram dias, e percebi que ela tinha ficado muito envergonhada. Não tivemos mais oportunidade de nos falar a sós, até um pouco mais de uma semana depois. Consegui sair mais cedo do trabalho e cheguei em casa, novamente só ela estava. Ela estava cochilando no sofá da sala, com a TV ligada. Estava deliciosa, de vestido curto, e vi seus mamilos durinhos se desenharem no tecido. Seu corpo ficava muito definido.

Desliguei a TV e tomei um café. Ela não acordou até eu já estar comendo na mesa. Ela chegou e sentou ao meu lado, sem dizer nada. Ela tinha se servido de um suco de laranja.

- Oi, filha. Tudo bem?

- Sim, pai.

- Você está pensando naquilo, não é?

Ela não respondeu, tinha ficado vermelha. Então voltei a falar.

- Se você quiser, nunca mais tocamos no assunto e fazemos de conta que nada aconteceu. Com o tempo vamos deixando pra lá.

- Não, pai, eu gostei. É só que... é estranho demais...

- Sim, é estranho. Eu também não paro de pensar nisso. Vamos ter que nos acostumar... já aconteceu...

- Eu... quero... fazer de novo, pai...

Quase me engasguei. Eu achei que ela nunca mais iria querer repetir, e que já tinha sido um grande milagre ela não ter virado a cara comigo pra sempre.

- Você... quer de novo, Susi?

Ela olhou pra mim novamente, com um brilho nos olhos. Ela parecia se conter, mas o olhar não mentia.

- Sabe, papai... Eu adorei o jeito... agressivo que você tem na cama...

Meu pau endureceu rapidamente. Ela me chamou de papai, havia anos que ela não me chamava assim! Foi um papai doce, inocente, ao mesmo tempo que cheio de desejo...

- O jeito que você... pegou no meu cabelo... e... sabe...

- Te fiz chupar meu pau...

Ela levantou as sobrancelhas e mordeu sem querer os lábios. Então ela gostava de homem agressivo, de sexo selvagem... Exatamente como a mãe... Já experiente com o que Lúcia, minha esposa, gostava, peguei no braço de Susi de repente, com força, e a levei para o sofá. Joguei ela com força no sofá, e fui me certificar que tinha trancado a porta da sala.

Quando voltei, ela havia levantado a saia e mostrava a calcinha. Eu subi no sofá, peguei as pernas dela com força e arranquei a calcinha. Ela soltou um gemido, a expressão meio assustada, meio faminta. Meti minha cara entre as pernas dela e comecei a chupar aquela bucetinha lisinha. A xaninha dela era menos carnuda que a da mãe, e parecia, talvez por isso, menor. Mais apertadinha, será? pensei, e enfiei a língua. Sem dúvidas, era mais apertada que a de Lúcia, e meu pau latejou de alegria. Também, aquela bucetinha não tinha levado tanta tora como a mãe... Chupei o clitóris dela, massageando-a com a língua, e ela se contorcia e soltava gemidos abafados. Ela pegou os cabelos da minha nuca e pressionou minha cabeça com toda força. Ela estava gozando.

Ela tirou minha cabeça logo e ficou de joelhos no sofá. Tirou o vestido e ficou toda nua... que corpo de ninfeta gostoso aquele! Nossa! Meu pau fica babando só de relembrar! Entendi logo a mensagem, arranquei meu cinto, minha calça e minha cueca, e abri as pernas no sofá, recostado no braço do sofá. Ela ficou de quatro, com as costas arqueadas, empinando a bunda, e começou a chupar. Curti aquela boca, que hoje estava mais à vontade, por todo meu cacete, e fui desabotoando minha camisa, até tirá-la e atirá-la pela sala. Passei os olhos pela sala e vi como nossas peças de roupas estavam jogadas por todo lado, e aquilo me deu ainda mais tesão. Quanta inconsequência estava acontecendo ali!

Abri minhas pernas o máximo que pude e relaxei, meu pau se divertindo, e Susi também, babando generosamente naquela tora. Fiquei gemendo enquanto escutava aquele som de cuspe e de chupação.

- Ah, cadelinha... gosta que eu te xingue, filha?

Ela olhou pra mim e fez que sim com os olhos, a boca engolindo metade da minha pica.

- Então chupa, sua safada... cadela do papai...

Ela chupou por mais alguns gloriosos minutos, e eu a deixei a vontade. Não queria pressioná-la. Se ela quisesse algo mais, ela que teria que pedir. E ela quis, mas o que ela pediu foi uma grande surpresa pra mim...

- Posso chupar seu cuzinho, papai?

Fiquei perplexo. Sempre tive preconceito com essas coisas, e nem Lúcia, mesmo tendo insistido muito em todos esses anos, tinha conseguido me convencer disso. Minha filha Susi, de 18 anos, pedia pra fazer um anilingus em mim.

- Desculpa, pai... é que o Léo gosta...

Fiquei congelado, mas pensativo. Sem pensar, talvez pela extrema excitação que eu sentia, deixei.

- Pode fazer, filha. Quero ver se você é boa nisso.

E ela começou a fazer sem titubear. Ela abriu minha bunda com as duas mãos, e logo meu ânus sentiu um calor: era a língua dela entrando. Estava difícil sentir alguma coisa no começo, mas quando relaxei um pouco mais (porque eu não sentia dor, só uma sensação gostosa de lambida), é que comecei a sentir um tesão enorme! Meu pau latejava, grossíssimo, logo acima da cabeça dela, que se perdeu por trás das minhas bolas, que também pulsavam!

- Caralho, filhinha... onde você aprendeu...?

- O Léo, pai. Ele me insistiu tanto que praticamos muitas vezes.

Fiquei surpreso, mas o tesão era muito maior. Quantas vezes eles transaram???, eu me perguntava, mas a sensação me fez logo esquecer isso e voltei a xingar Susi, do jeito que ela gostava.

- Eu quero te foder, Susi... deixa papai te comer, vai...

- Pai... será...

- Eu tenho camisinhas na carteira, filha... Pega pro pai, está na cozinha... corre lá...

Ela não se moveu. Ficou parada atrás das minhas pernas. Seus olhos diziam Sim, papai! Agora mesmo!, mas seu corpo estava Não podemos! Não podemos!.

- Vai, Susi... você já transa com seu irmão... transa com o papai, filha... Vai... Olha o pau dele como quer você...

Minha pica realmente estava enorme e não abaixaria tão fácil. Comecei a fazer o movimento de punheta nele, estava extremamente sensível. Susi estava salivando.

- Tá bom, pai...

Ela se levantou e foi correndo pra cozinha. Fiquei ali batendo uma, extremamente suado, no sofá da sala. Logo ela voltou com minha carteira. Ela me deu, arranquei uma camisinha lá de dentro e rapidamente encapei o pinto.

Susi rapidamente subiu em cima de mim, pronta pra cavalgar. Com certeza não raciocinava mais, e isso era perfeito. Quando ela mirou a cabeça do meu pau na buceta dela, logo tudo foi pra dentro: sua buceta estava encharcada! Ela soltou um gemido alto e parecia que ia desmaiar, porque seu corpo ficou todo mole.

- Nossa, papai... Você é maior que o Léo...

- Que bom, assim não fico com ciúmes...

Nós dois rimos e ela começou a cavalgar. Aquilo era delicioso. Agora, tenho minhas dúvidas, mas naquele momento eu tinha certeza que já era o melhor sexo da minha vida. Há anos e anos que eu não sentia uma buceta tão apertada! Nem o cu de Lúcia era tão apertado quanto a xaninha da Susi. Ela me beijava enquanto pulava com os quadris, e os seios dela, suados, roçavam pelo meu peito, também suado. Ela agarrou no meu peitoral e furiosamente mexia os quadris, gemendo e gritando alto!

- Caralho, Susi... você transa demais... puta que te pariu...

- Eu transo melhor que a mamãe?

- Com um pouco mais de treino... você chega lá...

Aquilo talvez tenha sido uma provocação, porque ela deitou o corpo sobre mim e rebolou na minha pica como uma funkeira. Esse movimento roçou tão gostoso na cabeça do meu pau que me deixou extasiado, revirando os olhos, e tive que fazer muita força pra não gozar!

- Está querendo provar alguma coisa, sua cadela?

- Quero ser a nova esposa do papai...

E ela sorriu, maliciosa. Adorei aquilo. Agarrei a bunda dela com força, parando os movimentos dela, e comecei a meter muito rápido. Ela virou a cabeça pra cima, quase perdendo os sentidos.

- Vê... então... se você... aguenta... o tranco...

- Aaaahhhh.... aaahhhhh... papaaaai...

Larguei o corpo dela e ela desceu com tudo na minha vara. Ela soltou um grito e deu uma risadinha.

- Seu cachorro...

- Como é transar com o papai?

- Muito foda...

Ela recomeçou a cavalgar e... um barulho na porta! Alguém estava tentando abrir a porta, mas não conseguia, porque a minha chave estava na fechadura do lado de dentro. Batidas na porta.

- Susi... você está aí?

- É seu irmão! - eu falei, baixinho.

- Merda! - Susi respondeu.

- Veste seu vestido, eu vou pegar minhas roupas e vou pro banheiro. Abre pro seu irmão e terminamos lá no banheiro mesmo... ele não sabe que estou aqui...

Ela ficou espantada, mas eu já estava correndo pro banheiro, a pica dura e vestida com a camisinha. Me tranquei no banheiro da minha suíte e de minha mulher. Menos de um minuto depois, Susi bateu e nos trancamos lá dentro. Sem trocarmos uma palavra, ela ficou de quatro, se segurando na privada, e voltei a meter nela. Susi falou, entre gemidos:

- Agora ficou melhor ainda...

- Também acho...

Comer minha filha no banheiro em que tantas vezes tracei minha esposa, mãe dela... Ah, nada melhor! Eu estava pingando de suor. Observei aquele corpo delicioso de quatro pra mim, dando sua bucetinha apertadinha pro papai...

- Como explicou o suor pro seu irmão...?

- Disse que estava calor. E ia tomar um banho gostoso... aqui na banheira...

- Menina esperta!

Uns dez segundos depois desse diálogo, eu anunciei que ia gozar.

- Goza gostoso, papai! Goza pra sua filhinha!

Meus quadris, descontrolados, meteram freneticamente e segurei um urro que alertaria toda a vizinhança. Quando gozei, foi como o calor absurdo de um vulcão brotando das minhas bolas, atravessando meu pau e explodindo na ponta. Tive que agarrar nos quadris de Susi, trazer ela mais pro lado com meu pau dentro e morder com tudo a toalha da minha mulher pendurada. Pude gritar sem ninguém ouvir.

Simplesmente me deitei no chão gelado do banheiro e olhei pro meu pau, a camisinha recheada de porra. Susi sentou na privada e se encostou na parede, ofegante. Ficamos assim, respirando fundo, trocando risinhos, ela brincando o pé pelas minhas coxas.

- Não me atiça, filhinha...

Joguei a camisinha na privada e dei a descarga. Susi tomou um banho de banheira e eu tomei uma rápida ducha, sem nos falarmos. Saí do banheiro olhando pros lados e me deitei na cama, fazendo de conta que eu só estive cochilando esse tempo todo.

Bem depois, quase na hora de dormir, com minha esposa me esperando na cama e Léo já trancado em seu quarto, Susi veio me falar algo ao pé do ouvido quando nos encontramos na cozinha pra tomarmos água.

- Léo veio me perguntar o que fazia uma calcinha minha jogada no meio da sala...

- E você, o que disse?

- Que eu estava batendo uma siririca, claro. Ele ficou com o pau duro...

Então, ela veio na minha orelha e sussurrou:

- Eu chupei ele, mas nada mais. Minha bucetinha é só sua agora, papai.

E deu uma piscadela, voltando pro quarto, rebolando. Com aquelas palavras, meu pau estava pronto pra dar um trato bem feito na patroa!


Este conto recebeu 3 estrelas.
Incentive Augusto Expl a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
16/01/2019 09:58:08
que delicia de filha bem putinha. leia meus contos tbm são assim
28/12/2018 17:54:53
Nossa que delícia!!!
27/02/2018 02:01:26
Estou tão encharcada que só um toque e já me molho toda, queria ta no lugar da Suzy e finalmente ter um orgasmo com um homem assim
MVN
19/07/2017 17:27:00
Sem comentários. Delicioso de mais.
27/12/2016 19:49:58
Mt bom, continue com o relato.
27/12/2016 18:46:24
Top demais
27/12/2016 06:57:12
Adoro esses contos.
27/12/2016 01:35:42
Adorei!!! Continua!!!


ver traveti novinho peladonegão bem dotado chupando e arrombando o c* da novinha louca de lança na casa abandonadarelato erotico mae dormmdo foto de munhe de buceta 2019estupro esposa contos eroticosFernanda,vasconcello,zap,xvideostesao pelo chule da minha patroa contos eroticos podolatriavideo mulher peito duro lavano carro pornocontos erotico prima pequena banhocontos eiroticos leilaporncontos.fraga cheirando causinhaLukinhas contos eróticos gaysan american tales conto eroticoContos eroticos de coroas casada dano abucerta raspadinha pra homes da rola grande e grosagemendo e gozando gostosas espirrar esperma longe. porno atitudipai roludo filiha rabuda teatro pornoCavalo pistoludo cabessudo sexoConto flagante lesbico Viuvavidios caseros de novinhas. fudeno na posisao papai e mamaegravei escondido dizendo vou gozar aimulheres que fuma charuto e souta fumassa na rola do cara ate goza asseste videopalavroespornobrasileirasconfissoes como fiz pra seduzir meu cunhadocontos eroticos mae e filhoxvidoe.cm baianas crentis traindo o maridoquero ver o vídeo da mulher da enxadinha perdendo a virgindade dela mulher beijandonovinha panhando o cachorrinho pra lammber sua bucetinhavidio di hme k toroco disexoconto descobri que sou cornosogro e nora.pornoirado no sofa.familias nua praia de nusdemosvinha perdendo a virgindadexvideo cazadas sendo comidas.por roludos cabessudosconto gay o meu sonho de consumocontos eróticos loba adoro inversãoquitandeiro tarado pornocontos eroticos i picantes di meninas virgesai calma tua rola ta entrando no meu cu contos erótico vidio de homem fosando a mulher a bebe a gosma dele pornodoidocomentários350 anal de meninasesfregou e gosou na xeca da amiga uhhhchantagiei e comi o viadinho magrinho contoscorno manso cafetao contocontos eiroticos leilapornmarcelo richlund casa dos contos ra voce se masturbarfotos de casais tranzandopbrasileropornozoosou casada mais quem mim fode gostoso e patinhoFiquei toda arregaçada com o pedreiroConto gay estupro coletivoconto erótico levando injeçãoconto casada catolica coroa e taradacontos eróticos testando reacao da esposaAjudante de pedreiro dando a bunda grandecontos eroticos nunca pencei disperta tesao en outro homem com minha bundaver fitis de mulheres dando a buceta encostadas na mesa. de vestido curtofilmes porno de diarista espiando patrao batendo punheta brasileira maior de idaderelatos eroticos tirei os 2 cabacinhos das novinhascontos roselene casada safada 2019gay academiaSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhaporno doido trannza durode saiadescadeirada peli roludocasa de contos eroticos, cadela no ciotenho dúvidas que virei corno contosporno novinha foi cariciada na escola contoscontos eiroticos leilaporninsisti meu marido virou cornocarente abraçadinha no sexo pornogay da o cu debruço da arvoreSomente contos reais de marido chorando e ecitado que chega em casa e pega esposa trepandoporno buseta sogra amarra jero na cama e caga na boca dele sexo caseiroVER VIDEOS COM CENAS DE MUITO SEXO DE FILMES OU LÉSBO SÓ COM MULHERES Mais VELHAS,EXPERIENTES,MADURAS,COROAS TODAS AVÓS,MÂES,TIAS LÉSBICAS Fazendo Muito Sexo Bem SAFADO Com MULHERES MAIS NOVAS,JOVENS.contos eroticos seminaristaXVídeo as panteras disfarçada de bombeiro transando muito