UMA INESPERADA SURUBA

Um conto erótico de Ehros Tomasini
Categoria: Heterossexual
Data: 01/12/2015 08:26:55
Última revisão: 01/12/2015 12:26:19
Assuntos: Heterossexual, Anal, Oral

O CRIME DOS VIEIRA DE MELO - Parte 14

Os dois capitães-do-mato atenderam prontamente ao chamado do patrãozinho. Em menos de cinco minutos após o negro Simão dar o recado, já estavam perto do açude, onde os aguardava o jovem Manoel ainda furioso. Ele contou rapidamente o que lhe acontecera, omitindo a suspeita de que havia sido enrabado. Mas nem foi preciso dizer nada aos dois homens rudes. Estes observaram os rastros no solo e logo entenderam o que havia acontecido ali. O sulco deixado pelos pés sendo arrastados na areia, as marcas deixadas pelos joelhos do moço no chão, perto do tronco, e a posição das pisadas bem atrás dele indicava que alguém tinha tomado no cu. E tudo levava a crer que havia sido o patrãozinho. Os dois capitães-do-mato se entreolharam, quase não contendo a vontade de rir que a desgraça do moço lhes causava. No entanto, apenas se limitaram a perguntar:

-O sinhozinho viu para onde o agressor fugiu?

- Claro que não - respondeu Manoel irritado - Eu caí imediatamente desacordado após receber a cacetada na cabeça. Mas antes, eu vi quem ia me atacar: era aquele negro mascate que apareceu no engenho. E vosmecês não conseguem ver aonde essas pegadas levam?

Um dos homens coçou a cabeça meio encabulado. Olhava para o chão, quando respondeu a pergunta do filho do patrão:

- Essas pegadas levam de volta à casa grande, sinhozinho. E achamos que pertencem ao negro Simão - disse o que parecia ser o líder da dupla de capitães.

- O quê??? - quase berrou o jovem - estão querendo insinuar que foi o desgraçado do escravo Simão que me seviciou???

- Não falamos nada de ninguém ter sido enrabado, patrãozinho. O sinhô mesmo é que está dizendo... - continuou o capitão.

Manoel percebeu a besteira que acabara de dizer, por isso logo desconversou. Mas os dois homens continuavam com o mesmo risinho safado de antes. Aí, o moço fez uma expressão como se tivesse caído na real. Soltou uma imprecação:

- Putaquemepariu! A negra Eudóxia estava de comum acordo com o negro que me nocauteou. Ficou de enxerimento comigo tentando distrair minha atenção até que o comparsa acertasse-me a cabeça.

Berrou, liberando todo o ar dos pulmões:

- Prendam os dois e amarrem lá no tronco, que eu chego já lá!

*******************

- Precisamos fugir depressa, Eudóxia. O patrãozinho vai desconfiar que fui eu a dar-lhe uma paulada na cabeça. E se vosmecê estava por perto, decerto vai cismar que estava mancomunada com esse negro aqui.

Simão estava suando muito, desesperado de arrependimento pela desfeita com o sinhozinho. Sabia que os capitães-do-mato logo matariam a charada examinando os sinais deixados na areia. Mais uma vez, se maldisse por não ter fugido na canoa junto com o escravo branco. Mas não queria que a negra Eudóxia pagasse o pato por ele. Queria que ela se fosse do engenho o quanto antes, em sua companhia. A escrava, no entanto, não achava que estivesse em perigo. Insistia em ficar, acreditando que havia conquistado a simpatia do filho mais novo do dono do engenho. Apavorou-se quando os dois capitães se acercaram dela e a seguraram firmemente pelo braço:

- Você está indo para o tronco, negra. Ordem do sinhozinho Manoel - disse o que parecia o líder dos mal-encarados capitães-do-mato.

- E você, Simão, vem junto com ela - disse o outro sujeito - vai pagar por sua ousadia com o nosso patrãozinho!

O negro Simão não esperou para ouvir o fim dessa frase. Correu em direção à porta de saída da senzala, pretendendo fugir dali. Mas foi derrubado por um tiro de garrucha dado por um dos compinchas do senhor de engenho. Aproveitando-se que os dois homens tinham a atenção voltada para o escravo, Eudóxia esgueirou-se para fora da senzala. Percebera a gravidade da situação e não queria ir para o tronco por causa da impulsividade do negro que atacou o patrãozinho por ciúmes dela. Antes de fugir, no entanto, olhou para trás. Ouviu quando um dos capitães disse a Simão:

- Vosmecê enrabou o sinhozinho. Agora ele vai te capar antes de te matar de uma surra a chicotadas, negro tarado e audacioso.

Deu uma coronhada com o cabo da carabina na cabeça do escravo, quando terminou de proferir a sentença. Simão desmaiou de dor, quando teve a cabeça atingida. Eudóxia correu em direção a mata. Sabia que estava em perigo. Teria que sair rápido dali.

Ouviu os cachorros latindo, enquanto corria o mais depressa que podia em direção a algum lugar qualquer. Nunca se afastara tanto do engenho, temendo que pensassem que estivesse fugindo e mandassem os capitães atrás dela. Estes eram negros de tribos rivais a dela e tudo fariam para recaptura-la. E, se os cães a alcançassem, estaria perdida. Eles a destroçariam viva. Controlou o fôlego e correu, correu e correu. Sempre ouvindo os latidos dos mastins atrás de si.

***************

A negra não soube quanto tempo passou correndo. Já estava esbaforida quando encontrou a égua ferida, tendo o garanhão ao seu lado. O animal se levantou e se pôs em posição de defesa, querendo proteger a companheira ainda fraca por causa da perda de sangue. O cavalo, no entanto, empinou as orelhas ouvindo os latidos dos cães ao longe. Puxou a égua pelas rédeas, em direção a margem da estrada, para dentro da mata. Ficou arrodeando a poça de sangue no chão, em trote em círculos, como a pedir ajuda para a negra encobrir os rastros da companheira. Eudóxia demorou um pouco a entender o que o animal queria. Mas logo encobriu o sangue, arrastando com os pés a areia fina sobre a poça no chão. A égua desmoronou por trás de uns arbustos. Mas não fez nenhum barulho quando os cães se aproximaram, latindo e acuando-a. Estavam bem adiantados aos homens que os incitavam a perseguição. O garanhão, no entanto, escoiceou-os a todos, saindo em defesa da companheira. Os cachorros ficaram lá, caídos, muito machucados pelas pancadas que receberam do equino. Aí o animal empurrou a negra com o focinho e depois ofereceu montaria a ela. Eudóxia montou e o garanhão se afastou dali a galope. Ele relinchou, esperando que os perseguidores o ouvissem e o seguissem, afastando assim o perigo da égua ser vista pelos capitães-do-mato.

Quando, mais de meia hora depois, chegou ao Engenho Velho, foi imediatamente avistado pelo velho negro que ainda estava deitado na rede armada no alpendre. Este, mais uma vez, levantou-se de um pulo ao ouvir o tropel do animal.

- Sua companheira transformou-se numa negra? - riu divertido o velho mascate, dirigindo-se ao garanhão - Ficou muito mais bela e formosa.

Esbaforida, Eudóxia falou para o velho guerreiro:

- Senhor, eu soube que vosmecê é um bravo guerreiro. Precisa salvar meu companheiro, pois ele vai ser castrado pelo sinhozinho lá da senzala onde sou escrava!

- E o que ele fez para merecer isso? - perguntou o mascate, sem se alterar.

- Não sei bem - disse a negra num fio de voz - mas ele não merece isso. O que eu sei é que bateu com um pedaço de pau no sinhozinho, pensando que estava me salvando dele. Agora, dois compinchas do patrãozinho estão me perseguindo desde o engenho. Acho que logo estarão aqui.

Nesse momento, João Paes apareceu à porta do casarão do engenho. Perguntou o que estava acontecendo e o negro o informou dos fatos. O jovem mostrou-se preocupado. Não queria que os homens o vissem ali, denunciando sua identidade. Logo saberiam que ele era filho do dono do Engenho Velho e do Engenho Novo. Disse para o negro guerreiro:

- Esses lacaios não podem sair com vida daqui. Denunciariam quem somos. No entanto, não podemos matá-los pois meu pai sofreria as consequências, entendeu Mtumba?

Sem responder ao jovem, o negro voltou sua atenção para a escrava:

-Está disposta a se sacrificar para salvar seu homem, negra?

- Não é o meu homem, mas fez merda para me salvar do filho do dono do Engenho Pindobas. Farei o que for preciso, meu rei.

- Eu não sou seu rei. Você não pertence a minha tribo. E de hoje em diante será uma escrava livre - falou Mtumba entredentes.

- O que essa negra tem que fazer?

O velho pensou por uns instantes. Depois, sem nenhum constrangimento, disse a ela:

- Quando os seus perseguidores chegarem aqui, é preciso que a vejam trepando comigo. Isso irá distrai-los enquanto o sinhozinho toma as devidas providências.

A negra deu um sorriso safado. Agradeceu, mentalmente, aos santos de Umbanda por estarem dando nova chance dela tirar o atraso de tanto tempo sem foder. Olhou para o volume entre as pernas do negro. Depois comparou-o ao volume entre as pernas de João Paes. Sentiu mais tesão pelo branco. O velho guerreiro percebeu seu interesse pelo moço. Disse baixinho, ao ouvido do jovem sinhozinho:

- Essa negra gosta de dar o cu. Veja como o tem empinado. Te daria de bom grado, mas faça-a implorar por dá-lo. É dessas que tem que ser bem fodida, senão nunca se sente satisfeita. Acha que consegue?

- Como você pode ter certeza de que ela é tarada por rola no rabo? - quis saber o jovem.

- Observe a inclinação da bunda e o modo como ficou comparando o tamanho dos nossos cacetes. E veja que não recuou quando propus que fodesse comigo. Ainda por cima, quer livrar o companheiro de ser castrado. Essa gosta mesmo de rola, meu jovem amigo, e não a quer na boceta. Prefere no cu.

- Você está sendo presunçoso demais, velho amigo. Quem sabe ela apenas gosta do negro e quer salvar a pica dele de ser extirpada? - ponderou o sinhozinho.

- Não vamos discutir, pois o tempo urge. Os capitães já devem estar por perto. Enquanto me escondo para pegar os sujeitos de surpresa, proponha a ela que espere por mim. Pergunte se ela quer levar duas picas, ao mesmo tempo, no rabo. Se ela recusar, estarei errado. Mas, se ela fizer cara de curiosa com a proposta, espere que eu volte. Fiquei tarado no rabão dela.

- Velho safado e sem vergonha - sorria João Paes - Desde quando passou a se interessar por rabos de negras jovens?

- Desde que me entendo de gente. Mas agora estou ficando velho e procuro gozar antes que não consiga mais levantar o cacete.

- Me convenceu. Vou fazer o que diz. Mas veja lá o que vai aprontar com os capitães. Não podemos matá-los aqui nas cercanias do engenho.

Mtumba afastou-se sem responder. Antes de ir-se, porém, apalpou a bunda da escrava. Esta não rejeitou sua ousadia, até sorrindo com o gesto dele. A negra apalpou também o volume do sinhozinho, bem marcado sob a calça apertada de tecido cru que vestia. O jovem puxou-a pelo braço em direção a rede onde estivera descansando o negro.

- Vamos trepar numa rede, sinhozinho? - espantou-se graciosamente ela - nunca fiz isso. Dizem que é difícil e que temos que ter muito equilíbrio.

- Prefere tomar na bunda em outro lugar?

- Eu ouvi o que o velho sem-vergonha propôs ao sinhozinho. Se é pra levar duas picas no cu, quero estar numa posição mais confortável - disse com convicção a escrava.

Antes que o jovem dissesse alguma coisa, ela o arrastou para perto de uma das paredes da construção muito esburacada por balas. Encostou-o no barro frio e retirou toda a própria roupa por cima da cabeça. Baixou a calça dele e abocanhou o membro ainda bambo. Chupou-o sem pressa, como se não tivesse a pretensão que ele gozasse logo. Espremeu a vara do jovem entre os seios enquanto o chupava com eficiência. Então, ouviram vários tiros vindos da estrada. Ela ficou apreensiva, mas o jovem demonstrava muita tranquilidade. Confiava no velho negro demais, negando-se a acreditar que ele estivesse levando a pior. Puxou-a de volta para si e disse que não se preocupasse: o negro logo estaria ali.

Eulália acorreu até a porta da casa grande, alarmada pelos estampidos. Viu a negra Eudóxia no cio e aproximou-se do casal. Perguntou o que a escrava estava fazendo ali. Esta a puxou para perto de si, pedindo que ela lhe mamasse os peitos. João mamava um enquanto a negra Eulália atendia o chamado da outra. Eudóxia fechou os olhos e ficou ronronando de prazer. Eulália baixou a boca, lambendo a xoxota dela, sempre perguntando o que a escrava estava fazendo ali. Esta apenas gemia de gozo, tendo os peitos sugados pelo sinhozinho e a boceta mordiscada pela jovem. A negra gordinha também assomou a porta, preocupada por causa dos tiros que ouvira. Viu o trio na maior libertinagem e disse que também queria foder. Chamou a outra negra, sua amiga. Esta apareceu toda encurvada por conta das feridas provocadas por chicotadas nas costas. Não quis participar da gandaia. Preferiu ficar observando, masturbando a boceta encharcada.

Aí Mtumba apareceu caminhando em direção a casa, trazendo sob mira de sua velha carabina os dois capitães-do-mato desarmados.

FIM DA DÉCIMA QUARTA PARTE


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive Ehros Tomasini a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
01/12/2015 15:20:03
Delicia de conto muito bom estou adorando sua narativa


casa de contos eroticos, cadela no cioconto erotico/gay asistindo percy jacksonescravo comendo escrava no qyarto da sansalagosto muito de praticar zoofiliacontos eróticos bem depravado de bem picanteminha prima contocontoseroticos/comadre rabudaxvidepeliContos eróticos de incesto entre familias aonde todos mamam e foden em todas as posiçoes possiveis e de todo o jeito em orgiasporno doido eu vinha na rua naprasa de noite mim fudeiroDescabacei a buceta da minha prima no hotel conto erotico de primo e prima cabaço no hotelContos gays o jumento do velho borracheiro me deixou louco .buceta fididaxvideos encinando a sobrinha a dirigir sentou no colinho ai ja erameu corno troxe um negão para me foder e tirou fotoscontos eiroticos leilapornXVídeos não tinha dinheiro para pagar o aluguel dela você pagou na horaContos eroticosminja vizinha velhamenina novinha dormindo sem calcinha toda arreganhada com seu pinguelo lá de forapunhetando para cunhadinha verxvideosgostosa chifrando corno com seguranças na festa contos eroticosmuler pega marido colocando prima pagando boqeteAs Panteras estrupo carreteiro caminhoneiromulher mini sainha curtinha piscininha peladinhaxvidioae c filhowww sexo adulto 18 anos tutorial de como trazar com cachorros roludos pau gigante. zoofilia.porno doido . com brpornô grátis só contos eróticos sogra cozinhacontos eroticos sendo arrombada por dois machos que chupam gostoso minhas tetasfudendo a auiliar da dentista no banheiro pornodoidocasa dos contos eroticos com sobrinhos chupador de bucetaPunhetas hxh belem paraminha esposa me contou que era boqueteirax vidios coroa coloca sonifero no cafe do sobrinhoxvideosó no cu pracaga grossopirucas gozanoasoga faga rero condo afilha xvidedei minha buceta na minha infanciamilsinho saindo da buceta x vidioscontos feminização forçadacontos minha empregada chupou minha bucetacontos pegando a vizinhapornodoidolucianaporno quadrinhos banda desenhada pau grande negro traindo o marido com o sogro de pau grandeboquete travestifilha centa no colo do propio pai no sofa e mete com ele perto da propia familia video pornofotos de bundas bonziadas nuasnegrinha achou que era facil dar o cú e chorou na piçacontos eroticos tiamulher bebada foi tamar banho e acordou ebgatada pelo cuwww x. vidio gozano klesposa trai o esposo na fantasia c mulato de 1:90xvideos mulhe subindo escada de chortinho homen bate punlheta egosa muintovídeo de moleque pequenininho trancadinho batendo p****** sexocasa dos contos tema scarpornodoido gato lembi bucetaMulheres escandalosa fudendo mete que vou. Goja no xvideosver relatos verdadeiro cheirava as calcinhas da minha primayoutube tarado comeu sobrinhas sexaul tirado a roupa nuasreymer ,eroticocontos gay primeira vezHistorias erosticas viadinho dano para o visinho dotado e chora d dorconsolo no cu e vizinhi no muro.. contos eroticoscorroas fudeno com tres danocuvideo de virgem se entregando pata o pauzudonovinha so de minicasiavideo de prono doido com loiiraasanal sem frescuraconto erotico de tia e sobrinho evangelicocontos eróticos de anjo negroinistiu e comeu a gata ba moto ela gemia muito e posto na netContos de maridos cornos e otários casados com esposas putas e safadascontos de scatcontos sobrinha da vizinhaSo mete movimha na pica duranovinha de xoeti.hcrente safada contosgozando no ponto de onibusFotos de sexo lesbico entre vilma e bettymoreno sarado de sunga de bombeiro