Sandy parte 19: transando com o pedreiro com consentimento do marido.

Um conto erótico de
Categoria: Heterossexual
Data: 15/11/2012 13:23:40
Última revisão: 27/12/2012 22:24:22

Segue mais uma história de Sandy, vivida por ela pouco depois de ter completado 40 anos. Sandy, com 1,65 metros, seios turbinados, pele e cabelo morenos, corpo atraente, estava em seu terceiro casamento, com Cesar. Ela tinha como amante a Anderson, um jovem de 25 anos que trabalhou na chácara adquirida pelo marido dela.

Nos últimos meses, Sandy havia passado por algumas situações complicadas, que a mantiveram afastada de Anderson.

Primeiro ela teve que pagar um preço alto para um garoto que a havia flagrado durante uma transa dela com Anderson no meio do mato, em região próxima da chácara. Na ocasião ela teve que se submeter a fazer sexo com 8 homens ao mesmo tempo, ficando “de molho” por umas 3 semanas para se recuperar. Na sequencia ela teve que transar com dois policiais para poder se livrar dos garotos.

Depois do que aconteceu acima, Sandy ainda teve que lidar com a marcação cerrada de seu marido, que após várias situações suspeitas não confiava mais nela e vivia verificando para onde ela ia. Sem contar que a situação de seu casamento não estava nada bem, a comunicação havia azedado.

Sandy estava desesperada para poder voltar a se encontrar com Anderson e disposta a fazer qualquer coisa para conseguir isto. Ela chegou a dizer diretamente a Cesar que não o amava mais, que o via como um irmão e pedir um tempo para ele, um período em que teriam “férias conjugais”. Acabaram não chegando a um acordo amigável quanto a isto. Sandy também havia tentado sugerir a Cesar para que ela morasse na chácara por um tempo e ele continuasse onde já moravam, mas ela não conseguiu convencer a Cesar e nada disto acabou acontecendo.

Desesperada, Sandy conversava diariamente com Anderson por telefone e ele a pressionava para que ela arrumasse uma brecha e eles pudessem voltar a se ver. Durante uma das conversas com Anderson, ela teve uma ideia que comentou com ele:

- E se eu convencesse o Cesar a deixar que nós transássemos?

Anderson riu, achando a ideia absurda, mas Sandy prosseguiu:

- Talvez não seja impossível. Eu acho que o Cesar andou pulando a cerca também. De repente se eu fizer um jogo com ele em cima disso, quem sabe se não consigo? Além disso, acho que no fundo ele tem alguma fantasia de saber que eu transei com outro homem, ele já chegou a falar sobre isso.

Na verdade, Cesar e Sandy já haviam ido a uma casa de Swing, onde Sandy teve liberdade de transar com outros homens na presença dele, mas ela preferia não comentar sobre isto e muito menos sobre outras aventuras para Anderson, por isto inventou a estória acima. Apesar desta aparente liberalidade, Cesar era muito claro nas “regras”, ele só aceitava que Sandy transasse com homens desconhecidos, que ela não voltaria a encontra-los, etc., por isto ela sabia que deveria ser muito hábil para conduzir esta situação até o ponto que ela queria.

Após aquela conversa com Anderson, Sandy foi matutando sobre o que poderia fazer para convencer a Cesar e com aquela ideia fixa, começou a agir.

Primeiro ela convidou Cesar a tomar banho com ela. Já fazia um tempo que ela não o procurava ou demonstrava desejo, era sempre Cesar que a procurava e a relação claramente não o satisfazia. Ao convidá-lo, isto poderia empolga-lo e levar a consentir com o que ela queria. Durante o banho, Sandy ensaboou bem ao cacete de Cesar e foi acariciando-o. Logo ele já estava de pau duro. Ela enxaguou o cacete de Cesar carinhosamente e logo se ajoelhou, iniciando uma boquete. Olhando para cima enquanto chupava a Cesar, ela podia ver todo o tesão nos olhos cerrados e respiração ofegante dele.

Ela iniciou o boquete mais caprichado que podia, lambia em volta do cacete dele, depois enfiava a cabeça do pau na boca e iniciava um suave movimento de vai-e-vem, terminando com uma lambida safada na cabeça daquela rola. Depois dava uns beijinhos de leve e recomeçava a partir da lambida por toda a extensão daquela pica.

Sandy sabia como excitar a Cesar e enquanto chupava o pau dele com maestria, ajoelhada de frente para ele, de tempos em tempos se erguia um pouco e alternava com chupões nos peitos dele. Depois descia lentamente passando a língua pelo corpo dele até se ajoelhar novamente e recomeçar o boquete no cacete de Cesar. Ele ficava louco com aquilo, claramente dominado pelo tesão.

Quando o pau de Cesar estava arrebentando de tão duro, Sandy foi até o armarinho do lavabo, abriu e pegou um tubinho novo de lubrificante. Ela não fazia sexo anal com Cesar há muito tempo, por isto ela sabia que ele deveria estar “na seca”. Abrindo o tubinho, Sandy começou a passar pelo pau de Cesar e logo em seguida, se virou de costas para ele e pediu que ele untasse o cuzinho dela, até deixar bem lubrificado.

Ela podia perceber toda a ansiedade pela respiração ofegante dele. Quando ela percebeu que já estava bem lubrificada, ficou de quatro no box. Cesar não perdeu um segundo e já começou a encaixar devagar no cuzinho dela. Pouco depois já a segurava pela cintura e ia aprofundando seu pau. Sandy gostava de sexo anal e não teve dificuldades em encaixar aquela rola. Logo Cesar iniciou um movimento de vai e vem e foi acelerando. Ele inclinou seu corpo sobre o de Sandy e começou a elogiá-la e dizer como ela era gostosa.

Sandy sabia que Cesar estava no auge de sua empolgação e ela o provocou ainda mais, dizendo:

- Ai amor, tá doendo mas tô com muito tesão! Mete gostoso vai!

Cesar se empolgou ainda mais com aquele incentivo, acelerando seus movimentos e a profundidade de suas estocadas. Logo ele atingia um orgasmo.

Eles ainda continuaram no banho por um tempo. Depois, se secaram e foram deitar na cama.

Passado mais um tempo, Cesar voltava a tocar Sandy, provocando-a. Ela se deixou envolver e também tocava o pênis dele, que em pouco tempo voltava a ficar ereto. Enquanto o tocava e se deixava tocar, Sandy falava ao ouvido de Cesar, como se tivesse o único propósito de excitá-lo:

- Amor, que tal se nós voltássemos a transar com outras pessoas?

Cesar respondeu:

- Você está a fim de ir em uma casa de Swing de novo?

Sandy foi rápida e logo replicou:

- Não, lá não. Que tal se fosse diferente dessa vez?

Cesar perguntou:

- Como assim?

Sandy continuou:

- Sabe o que é... é que eu também morro de tesão com a fantasia de saber que você transou com outra mulher... isto me excita muito...

Dizendo isto, Sandy continuava masturbando a Cesar. Ele comentou:

- Mas com quem transaríamos? Qual a sua ideia?

Sandy complementou:

- Pensei na Kelly, aquela sua ex-namorada que era uma galinha... Seria excitante saber que você voltou a transar com ela. Mas você teria que me contar todos os detalhes...

Cesar excitado, já de pau duro, mas um pouco desconfiado, perguntou:

- Mas e você, com quem transaria?

Sandy fingindo-se de inocente, falou:

- Não sei, algum desconhecido pelo qual sentisse atração... mas depois contaria tudo para você.

Cesar finalizou a conversa:

- Combinado! Acho que vai ser muito gostoso...

Sandy o beijou e logo desceu com a sua boca pelo corpo dele, excitando-o novamente. Em seguida, ela já o cavalgava e depois, inclinada sobre ele e esfregando sua bocetinha, ela sentia os dedos de Cesar indo fundo em seu cuzinho e gemia baixinho no ouvido dele, dizendo que estava com o cuzinho ardendo por causa da rola grossa dele que a tinha possuído há pouco.

Sandy se esfregava em Cesar e rebolava sobre ele, enquanto Cesar enfiava dois dedos cada vez, indo mais fundo no cuzinho dela. Eufórica por ter conseguido o que tanto queria, Sandy conseguiu atingir um orgasmo gostoso, como há muito não sentia em suas relações com Cesar.

Depois Cesar ainda a penetrou em outras posições, pegando-a de bruços e depois de quatro, em frango assado e de ladinho, finalizando colocando-a de quatro novamente e esporrando sobre a bunda e as costas dela.

Foram se lavar de novo, ficaram se acariciando um tempo embaixo do chuveiro, quando Sandy aproveitou para perguntar se o que tinham falado era pra valer mesmo ou foi só um momento de empolgação e Cesar confirmou que era pra valer.

Na manhã seguinte, Sandy logo enviou um SMS para Anderson dizendo que tinha conseguido e que iam poder se ver novamente.

Na outra semana, Cesar conseguiu marcar com Kelly para se verem e saíram. Para decepção de Sandy, acabou não rolando nada. Aparentemente Kelly estava magoada com Cesar.

Com aquele furo, Sandy achou que se saísse com Anderson, daria problema.

Passado mais algum tempo, Cesar e Sandy combinaram de ficar um final de semana na chácara, afinal estava muito calor. Cesar saiu direto do serviço para ir para chácara, a partir de uma unidade da empresa que ficava próxima, em uma Sexta-feira à noite. Sandy por sua vez, foi com seu carro a partir da casa deles, levando as crianças.

No Sábado pela manhã, Sandy e Cesar já haviam tomado muitas cervejinhas enquanto tomavam sol na beira da piscina, as crianças estavam brincado e eles isolados. Sandy, não se aguentando mais, resolveu se arriscar. Primeiro ela fez um jogo da verdade, onde perguntava para Cesar que traições ele tinha feito enquanto eram casados, prometendo também confessar para ele a verdade da parte dela. Era um jogo muito arriscado e ela sabia, mas com certeza ela não ia dizer quase nada do que realmente havia acontecido e poderia colher alguns “créditos” com o que ele dissesse.

Cesar confessou a Sandy que ele havia transado com duas mulheres que Sandy conhecia e que haviam trabalhado junto com ela e com Cesar, na empresa em que eles se conheceram, antes mesmo de se casarem. Ele confessou ainda, sobre uma viagem a lazer ao Nordeste, em que foi sozinho, antes de casarem e que transou com duas mulheres diferentes. Por fim, ele confessou que em suas viagens para o Norte à serviço, depois que já haviam se casado, ele havia transado com mais 3 mulheres diferentes. Todos relacionamentos ultra-rápidos e sem nenhum envolvimento, segundo ele.

Sandy acabou fazendo uma confissão parcial e em versão super-reduzida, dizendo que uma vez que foi trocar a chave da casa da irmã, chamou o ex-marido para o serviço e acabou pagando uma boquete para ele, sendo que foi só aquela vez e nunca mais. Falou que na época que trabalharam juntos, ela chegou a sair com um cara de Marketing em um dia de chuva, mas que foi muito sem graça e nunca voltaram a transar. Por fim, disse que com o pedreiro da chácara, tinha rolado só um beijo na boca e uma chupada dele nos seios dela e que decidiram parar por aí, com ele tendo ido terminar se masturbando sozinho no banheiro, mas que tinha ficado o tesão e a curiosidade de saber como seria uma transa entre eles.

Todas as histórias contadas por Sandy relatavam menos de 5% do que tinha acontecido antes e depois dela ter se casado com Cesar, mas ela achava que assim, ao fazerem o “balanço” das traições de cada um, ele ainda se sentiria “em dívida”, pois teria pulado a cerca muito mais que ela.

Aproveitando que a reação recíproca as confissões de traição havia sido positiva, que Cesar já havia concordado em deixa-la transar com outro homem, que ele mesmo já havia tentado um lance assim com Kelly (ex-dele) e ainda que ambos já estavam mais liberados pela cervejinha, Sandy decidiu dar sua cartada e foi falando para Cesar:

- Amor, tenho que te confessar uma coisa... Sabe o que é, na verdade, depois do beijo com o Anderson na Chácara, fiquei morrendo de vontade de saber como seria transar com ele... Você sabe como é mulher né? Quando cisma de transar com um homem, não sossega enquanto não fizer isso...

Cesar reagiu respondendo:

- Mas fala a verdade, aquela vez que você mencionou não ficou só nisso né? Vocês estavam sozinhos na chácara, vai dizer que a coisa parou por aí?

Sandy foi firme e insistiu na sua versão da estória e Cesar acreditou, ou fingiu que acreditou. Por fim ele respondeu:

- OK, pode ser. Mas como isso aconteceria?

Sandy logo foi emendando sua sugestão:

- Eu vi que ele está trabalhando na chácara vizinha hoje. Posso dar um pulo rápido agora e combinar dele passar aqui hoje a tarde e me levar para sairmos. Enquanto isso você poderia ir para o centro e ficar com as crianças por lá, junto com os parentes do Pedro (primeiro marido de Sandy que tinha parentes na cidadezinha próxima da chácara). O que você acha?

Cesar respondeu:

- Pode ser. Mas seria por quanto tempo?

Sandy não querendo forçar demais, logo foi falando:

- Pode ser pelo tempo que você achar melhor, não quero fazer nada que depois te deixe magoado...

Acabaram acertando que seria por umas duas horas. Cesar ainda comprou as camisinhas no centro da cidade e deixou com Sandy. Ela já havia ido na chácara em Anderson estava trabalhando e combinado com ele de se encontrarem às 17:00 horas, ele passaria em frente a chácara dela de carro e ela sairia com o o carro dela seguindo-o.

Ainda ficou combinado, por persistência de Cesar, que quando Sandy voltasse ele ainda poderia fazer sexo anal com Sandy. Ele até deixou em aberto que Sandy fizesse sexo anal com Anderson. As condições que Cesar impôs, como de praxe, foram a de que ele teria que ser muito discreto e não comentar com ninguém, que aquilo não poderia ter continuidade, seria só aquela vez, que Sandy e Anderson não manteriam contato após aquela relação, etc. Por fim, Cesar exigiu de Sandy que ela contasse para ele todos os detalhes.

Sandy concordou com aquelas condições, afinal, não via outra alternativa para poder voltar a sair com Anderson.

Aquela tarde ainda demorou uma eternidade para passar, pelo menos na visão de Sandy, que estava ansiosa. Ela aproveitou para tomar um demorado banho, colocar sua calcinha rendada mais sexy, passar bastante creme hidrante e ficar bastante cheirosa e gostosa para seu amante.

Um pouquinho antes das 17:00 horas, Sandy ouve uma buzinada na lateral da chácara e vê o carro de Anderson. Rapidamente ela dá um selinho em Cesar e um beijo rápido nas crianças, dizendo para elas que estava indo no supermercado e ia demorar um pouco.

Sandy saiu e foi seguindo o carro de Cesar. Quando foi combinar com ele, que ficou super-feliz com a oportunidade, ela disse a Anderson que dessa vez não queria transar no meio do mato, que tinha medo de serem pegos por alguém, era muito desconfortável, etc... Anderson concordou e falou para ela não se preocupar, porque ele estava trabalhando em uma chácara perto dali e ele tinha as chaves, sendo que naquele final de semana a chácara estava vazia.

Eles poderiam entrar nesta chácara com seus carros e ficarem lá totalmente à vontade. Sandy também já havia combinado com Anderson que teriam no máximo duas horas para transar, não mais que isso.

Ao saírem do carro, foram de mãos dadas e entraram na chácara. Anderson, sofregamente e com muita velocidade, tirou toda a roupa de Sandy e a jogou na cama, indo por cima dela e beijando-a com muita vontade e desejo. A língua de Anderson percorria a boca de Sandy e ia até o céu da boca, explorando a língua dela com volúpia.

Depois Anderson foi descendo por sua boca e beijando o corpo de Sandy, até chegar nos seios dela, que começou a mamar em revezamento, dando pequenas chupadinhas nos bicos, que estavam super turgidos.

Sandy gemia reagindo àquela boca gostosa e habilidosa de Anderson e ele foi descendo cada vez mais, desta vez chegando até a entradinha da gruta dela. Lá, com toda sua habilidade, Anderson começou a alternar lambidas e chupadas na bocetinha de Sandy, de vez em quando puxando o clitóris dela e brincando com ele entre seus lábios, para depois recomeçar as chupadas e lambidas. A pericia de Anderson naquela chupada, bem como a saudade acumulada, levaram Sandy ao delírio, em menos de cinco minutos ela acabou gozando.

Anderson ainda desceu mais com sua boca e foi mordiscando as coxas de Sandy e descendo cada vez mais, chegou a dar alguns beijinhos e chupões nos pés dela, o que ela adorava e reascendeu o fogo nela. Logo Sandy levantou mais seu corpo e empurrando Anderson para que ele ficasse deitado de costas na cama, foi retribuindo a chupada gostosa que recebeu.

Primeiro Sandy deu um beijo de língua demorado e quente. Depois ela começou a mordiscar o pescoço de Anderson e foi descendo com sua língua pelo corpo dele, dando beijinhos nos peitos dele e continuando a descer, até se deparar com aquele cacete monstruoso, que estava a meia bandeira (Anderson tinha pênis de 25 cm por 5 cm de largura, um dos maiores cacetes que Sandy já havia enfrentado).

Ao chegar no pau de Anderson, Sandy começou a chupá-lo na cabeçorra e logo ele já estava gemendo. Anderson já havia confessado para ela que a esposa dele nunca o chupava, tinha nojo. Até por isto, toda vez que transavam Sandy o chupava e ele ia ao delírio. Continuando com sua boquete, Sandy logo lambia aquele cacetão em toda sua extensão. Mais um pouco e ela voltava a coloca-lo na boca, totalmente duro, engolindo-o até aproximadamente a metade dele e iniciando um movimento de vai e vem, com velocidade e com sua língua espalmada por baixo daquele pau, Sandy chegava até a babar com aquela rola na boca. Depois ela tirou o pau dele da boca e bateu com o cacete dele na face dela. Anderson ficou maluco e gemia cada vez mais alto.

Sandy interrompeu um pouco a boquete, ela não queria que Anderson gozasse tão rápido. Ela logo ficou de quatro e ele não se fez de rogado. Posicionado por trás de Sandy, começou a penetrar a bocetinha dela, com todo o cuidado. Quando Sandy já estava mais acostumada, ele começou a penetrar indo mais fundo com seu pauzão, até quase enterrá-lo nela. Agora era a vez de Sandy gemer e até gritar por sentir aquela rola enorme dentro de si. O tesão era tão grande, que apesar de já se sentir toda preenchida, ela ainda empurrava seu corpo em direção ao dele, o que só aumentava seu tesão e aparentemente o dele, que voltava a gemer e chama-la, de gostosa, tesuda, cavala e assim por diante. Sandy respondia, aos gritos:

- Você é que é um cavalo tesudo e pintudo! Tesão, gostoso! Tava morrendo de saudade dessa tua pica enorme!

Enquanto metia em Sandy, primeiro Anderson ficava ordenhando os seios dela, apertando-os com força, depois ia a beijando desde o pescoço até o meio das costas, segurando-a com seus braços fortes pela cintura e estocando em ida e volta com cada vez mais velocidade na bocetinha dela. Na sequencia, Anderson tirava por completo aquele seu cacetão, para depois voltar a por sua cabeçorra aos pouquinhos na bucetinha dela e ir enterrando aos poucos, começando as estocadas com força e velocidade novamente. Desta vez, Anderson dava tapas fortes na bunda de Sandy e depois a segurava pelo pescoço enquanto continuava suas estocadas, indo até o fundo e depois voltando até quase tirar sua rola. Durante todo este tempo, Sandy reagia gemendo, gritando, chamando-o de cavalo, gostoso, tesudo, etc.

Anderson não aguentou mais e no calor do sexo, tirou seu pau de Sandy e esporrou sobre a bunda dela, em grande quantidade.

Os dois foram se lavar e enquanto tomavam banho, Anderson iniciou as caricias em Sandy. Logo ele estava em ponto de bala de novo (Sandy se maravilhava com a vitalidade daquele jovem). Ela ensaboou o pau de Anderson e se virou de costas para ele. Ele começou a penetrá-la lentamente e enquanto isto, pegou o sabonete e foi esfregando no cuzinho de Sandy. Depois ele já penetrava o cuzinho de Sandy, primeiro com um dedo e depois com dois, lentamente. Enquanto isto, Anderson continuava penetrando a bocetinha de Sandy em vai e vem. Mais uma vez, ele se aproximou do ouvido de Sandy e pediu para ela para comer o cuzinho.

De novo Sandy preferiu dizer que não. Ela queria deixar Anderson completamente maluco pelo cuzinho dela. Também tinha o temor de que se realizasse a fantasia dele, ele não tivesse mais interesse por ela. Sandy respondeu:

- Não amor, hoje não, outro dia. Ainda tenho muito medo do tamanho desse seu cacetão no meu cuzinho, mas ainda vou criar coragem e dar ele pra você, meu cavalo gostoso!

Anderson pareceu se conformar com isto e continuou a penetrar a bocetinha de Sandy com sua rola enorme, em vai e vem. Depois voltaram para a cama e ele a penetrou em posições variadas, fazendo papai-mamãe, frango assado, dentre outros. Mais um tempo e foi a vez de Sandy ir por cima de Anderson e aos poucos, enterrar aquela rola toda dentro de sua bocetinha. Ela se sentia completamente preenchida, era como se não tivesse espaço sequer para entrar um mínimo de ar. Apesar disso, movida pelo tesão, Sandy ainda esfregava sua bocetinha sobre o ventre de Anderson, se masturbando enquanto sentia toda aquela pica. Anderson inclinou um pouco o tronco e logo voltava a enfiar dois dedos no cuzinho de Sandy.

Ela adorava aquela posição e ele ia enterrando cada vez mais os dedos no cuzinho dela, que rebolava cada vez mais descontroladamente, gemendo sobre seu macho. Anderson também gemia e continuava com sua rola dura como pedra latejando dentro de Sandy. Ficaram assim por mais uns cinco minutos, até que os dois acabaram gozando, quase que exatamente ao mesmo tempo.

Sandy e Anderson ainda continuaram se curtindo por mais algum tempo, se beijando e se acariciando. As duas horas passaram muito rápido, para ambos, que se despediram com um gostoso beijo na boca, prometendo que se veriam em breve.

Sandy ainda pegou uma bala de menta que tinha na bolsa, para disfarçar o gosto da rola de Anderson quando se encontrasse de novo com Cesar. Chegando na cidade, Sandy ligou para Cesar e ele foi se encontrar com ela, levando as crianças, para tomarem um sorvete. Depois voltaram para a casa dos parentes de Pedro e lá, Sandy contou para Cesar, cochichando no ouvido dele, como tinha sido a transa dela com Anderson. Ela preferiu contar, não como tinha sido a transa que ela tinha acabado de ter com Anderson, mas sim, a transa anterior que tinha sido no carro dela e no meio do matagal. Ela fez isto porque, se de alguma forma a gravação dessa transa chegasse as mãos de Cesar, poderia alegar que foi aquela com consentimento dele...

Sandy, Cesar, Pedro (primeiro marido de Sandy) e as filhas dela, junto com a namorada de Pedro, foram até a chácara de Cesar e fizeram um churrasquinho, ficando jogando um papo fora.

Foi ainda naquela noite que bateu o arrependimento de Cesar, que ficou deprimido e chorando. Sandy ainda tentou conversar com ele, sem sucesso. No dia seguinte, quando ele viu Anderson passando em frente a chácara, só piorou a situação. A partir daí, ele passou a investigar o que havia acontecido de verdade entre Sandy e Anderson e acabou descobrindo uma série de coisas, como por exemplo, as constantes ligações entre eles, o SMS de Sandy para Anderson após a transa com Cesar em que combinaram que poderiam transar com outras pessoas e assim por diante. Cesar tinha conseguido uma abertura da conta do celular de Sandy pela Internet e a partir daquele momento, as discussões se intensificaram e eles quase se separaram.


Este conto recebeu 6 estrelas.
Incentive a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
29/07/2020 06:40:29
Adorei continua assim obrigado
15/11/2012 15:02:53
Às vezes penso se o casamento tem alguma validade hoje em dia...


jogadoras de volei bonitas dando pornodoidotirando a virgindade da Comando batendo o saco na cara delacontoseroticos/comadre rabudacontos eroticos sendo abusandolevou esposa pro.outro comer.tudo buceta e.cu boqueteesposa chorouestrupadaporladraopegando minha primacontos eróticos fiz sexo por acaso com minha tiaSEXO CUNHADA EMPREGADA PUCHAO de cabelo gratisrelatos e contos caseirosde filhos que fragaram suas mae f sexo pornocontos eróticos reais coroa sequestra as estudantes novinhasdei pra um traficantebotando a garganta da gostosa pra estufarXVídeos Everton você aguentarcarsa da cota fiada na busetafilmes de sexo so conegao do pal grande egrosso gosano dentro da buceta incha da negonaporno elas no escurinho do cinemagostosa sendo assediada abusada a forca perdendo cabacocontos eiroticos leilaporncontos eroticos gay-tal genro,tal sogroPornô doído melhor femendo ia falando o meu deus o meu deus em inglêscontos eroticos drogadaporno.socu.epeitos.glande.pinto.enormecontos eroticos biconto erotico gay com padrasto velho coroa grisalhovideos de porno hem arpmbando.a buceya da mulherxvideos mae filha. genrro historias veridicasxvideos aspanteras homem tirando bosta no cu de mulher casadax vidio de pornó de 2viado dando cu pro otriqueru ver filmi u pai tentano come afilha di dozi anu em cuantu a maedorminovinha contraída com a cabeça da pica lá dentrovadiacalcaporno negra Eunice gostosaxvídeosbuceta da linguonaXvideos gay enfiando abobrinha cabeçuda no curelatos sou safada. e nem meu irmãozinho nao escapou demiContos encesto mae cu sangranocontoseroticos/comadre rabudamulher esculhanbando is outros no comentario do nariz thifanyContos eroticos incestos a forca netinhasscontos eróticos as amiguinhasfodendo velha viúva a força contos eróticosTravesti fica olhando sua amiga recebe crempe analMeninas que adora fazer sexo com seu cão pirocudo em contos erodicosporno cazeiro duas dando juntasConto tire o cabasi de tma guriazinha e goze sinco veziz a bucetinha chegava faze barulho de tanta pora dentro delaconto erotico proibido pra mim hector e sophiebucetinha ns os primero pelinho nvcontos de incesto brincarcontos amante da professora casada e ninguem sabePadrasto,pega,sua,enteada,todasexcontos eroticos de meninas novinhascontos eróticos de zoofilia da autora ketmarina da autora ketmarinacontos da queli tezudinhaDulcilene Crente Contoscontos eróticos vovô fudendo chupando o cuzinho do Netinho mozinhodocenandaXVídeos real Carangola 1280Contos eroticos chantagiei e chupei minha maninha casa dos contos zoofilia com viralatasainnn amor sexoContos eroticos de homes da rola grande e grosa estrupano mulheres casadanovinha desmaia de tanto gosa conto eroticopornomenina bofinho pegando uma morena gostosaele arrebentou meu ultero xvideocontos eroticos mulher casada bi sonia e suas amigasnovlnha dano a bunda gpstoso fotobricadeira de mau gosto enfiou a pica no cu grande xvideos.compai t***** atola a rola no c* da colegial r*****malandro gay passivo dando o cu conto/texto/201711762na fila para o dentista e minha pica ficou dura conto eróticodopei sobrinho contos