Não resisti: chupei e comi minha irmã

Um conto erótico de Montenegro
Categoria: Heterossexual
Data: 01/02/2012 17:45:25

Não resisti: chupei e comi minha irmã

50 anos, casado, servidor público, cargo de nível superior, uma carreira exitosa e situação financeira estável.

O corpo, evidentemente, já não ostenta a forma ideal - uma barriguinha saliente denuncia o peso dos anos. Porém, a virilidade não sentiu ainda o efeito devastador do tempo. A libido não morreu, e espero jamais morra. No mais, pareço desejável.

Moro em Goiânia e vez ou outra vou a Brasília visitar minha irmã, mais nova que eu dez anos, também casada, mãe de Tiago, um lindo adolescente.

No sábado viajei, e voltaria domingo.

Cheguei por volta do meio dia e fui calorosamente recebido. Tiago saíra com os amigos e certamente só voltaria tarde da noite.

Coincidentemente, o marido, Márcio, viajara para São Paulo há uma semana e só retornaria no domingo à noite.

Minha irmã é uma deusa negra, belíssima: magra (mas carnuda), alta, seios graúdos, apetitosos e durinhos, e uma bunda deliciosa. Pernas roliças, longas, lisas. Cada passo que dava, vestindo um short de lycra sumaríssimo, colado e enterrado na bunda, insinuava o tesouro que se escondia entre as pernas.

Tomamos cerveja, ouvimos música, conversamos e almoçamos.

Por volta das 4h disse a ela que gostaria de deitar um pouco e descansar, tirar um cochilo.

Ela me ofereceu o seu quarto, e disse que ficaria na sala, corrigindo trabalhos escolares dos seus alunos - ela é professora, e é considerada por todos os colegas e pela direção do colégio como uma profissional muito dedicada e eficiente.

Perguntou se não gostaria de um banho para relaxar; aceitei prontamente.

Deu-me a toalha e encaminhou-me para a suíte.

O apartamento não era grande, mas muito aconchegante.

Tomei um banho demorado, sequei-me e vesti um calção de malha que costumo usar para dormir, leve e transparente.

Ao sair do banheiro, percebi que ela tinha cerrado a veneziana do quarto, deixando-o bem escurinho, com um tom ligeiramente íntimo e convidativo.

Sem camisa, deitei-me de costas em sua cama e fiquei por um tempo olhando o teto, o pensamento vagueando.

Eis que ela bate à porta, levemente, e entra. Diz que estava se sentindo acalorada e queria um banho, se eu me incomodava.

Claro que não, meu amor! Fique à vontade.

Então ela começou a se despir ali mesmo, na minha frente, e saiu displicentemente rumo ao banheiro. Não pude deixar de notar suas curvas, seus seios pontiagudos, os mamilos escuros, apontados para mim como se quisessem conectar desejos ocultos. Tampouco ignorei sua bunda aveludada, negra, polpuda.

Senti que algo em mim se movimentava, entre as pernas e o olhar, entre a consciência pudica e o corpo irreverente, insubmisso.

Voltou alguns minutos depois, envolta numa toalha que cobria apenas o tronco, deixando as coxas à mostra e os seios exuberantes, como se quisessem saltar em minhas mãos.

Permaneci calado, olhando-a boquiaberto, atônito com a imagem, completamente nova e desconcertante para mim.

Ela disse:

Que tal vermos um vídeo aqui no quarto? Tiago baixou na internet; é um drama bem interessante e ainda não vi. Topa?

Nem precisei responder: meus olhos assentiam; mais que isso, pediam.

Ela pôs o DVD, tirou a toalha e deitou-se ao meu lado. Disse que estava um pouco frio, levantou-se e pegou um lençol no armário. Pude ver, enquanto ela se erguia na ponta dos pés procurando o lençol, o quanto minha mana é gostosa. Que visão fantástica eu pude apreciar naquele momento, contemplando sua bunda, o chumaço de sua bucetona. Até o grelo dava para ver, saliente, tentador.

Deitou-se suavemente ao meu lado, cobrindo-nos e aninhando-se em meus braços.

Meu Deus, eu era um homem e ela, uma mulher, deitados, juntos, eu sentindo o cheiro de sua pele, ela com a cabeça apoiada em meus braços, nossas pernas roçando uma na outra. Senti os pelos das pernas se arrepiando, e uma vontade de senti-la mais perto de mim foi tomando conta do meu corpo, a essa altura já totalmente liberto de qualquer preconceito.

Eu a queria como fêmea, e lentamente fui baixando o calção, o pau já intumescido, rijo, vibrante.

Não sou avantajado, mas devo ter uns 16 ou 17 cm de pica, negra, grossa, carnuda.

Deixei-me envolver completamente pelo clima que se instaurou na cama, e nada fiz para impedir que as coisas se desenrolassem de forma natural.

Percebi que ela se achegou um pouco mais a mim, apoiou o braço esquerdo sobre meu peito, sua mão começou a acariciar meu tórax, abdômen, bem devagar, mas com firmeza.

Ela, mais que eu, sabia exatamente o que queria. Ela não titubeava, ia direto ao ponto, cheia de volúpia.

Meu pau já expelia o líquido seminal, denunciava o tesão de comer minha irmazinha querida, de penetrar e me perder para sempre no escuro do seu ventre.

Ela movimentava a perna sobre a minha e eu sentia os pelos da sua xana roçando minha coxa, quase tocando meu sexo.

Não me contive: virei o rosto e procurei sua boca. Ela não hesitou, permitiu que seus lábios carnudos fossem tocados pelos meus. Beijei-a suavemente, a princípio, depois fui introduzindo a língua em sua boca, nossas línguas se enroscavam. Sentia sua língua sugar a minha com lascívia, e sua respiração descompassada, o peito arfando.

Ela me desejava, sim, e não se contentaria com pouco.

Abandonei de vez a timidez, e puxei o lençol do seu corpo. Pude enfim contemplá-la por inteiro, seu longilíneo corpo exposto ao meu tesão, oferecendo-se, insinuando-se.

Acariciei seu ombro, fui alcançando seu peitinho, primeiro por baixo, pela base, e fui subindo a mão, alisando sua pele macia e cheirosa, toquei o mamilo endurecido, envolvi seu peito, minha pera gostosa.

Beijei sua nuca, mordisquei a orelha, disse algumas palavras insensatas enquanto a outra mão percorria sua barriguinha, descia até o púbis, e eu senti sua vulva inchada, penetrei o dedo médio, sua xana completamente molhada e quente.

Posicionei-me aos seus pés e aproximei a cabeça de sua buceta peluda, senti o cheiro do néctar, beijei-a uma, duas, três... mil vezes beijei aquela xoxota deliciosa e carente. Minha língua acariciou seus lábios vaginais, penetrou o pântano e incendiou meu sexo. Seu grelo descomunal mais se assemelhava a um falo, duríssimo, saliente. Chupei intensamente, brinquei com ele, e eu me sentia o mais feliz dos homens.

Meu cacete latejava, atentava contra todo e qualquer senso de moralidade, era só luxúria, desejo incontido.

Ela começou a gemer, a mexer os quadris de um lado para o outro, segurou com as duas mãos minha cabeça e puxou-a em direção ao seu sexo. Gemia cada vez mais alto, suspirava, suava.

Segurei suas pernas, erguendo-as abertas em “V”, e ajoelhei-me bem perto da sua xavasca sedenta. Rocei a cabeça do pau em seus lábios vaginais, para cima e para baixo, sem deixá-lo penetrar, apenas friccionando de leve.

Não me contendo mais, introduzi a cabeçorra na entradinha, deixei a pica deslizar suavemente para dentro, sem nenhum esforço. Sua gruta escura e encharcada engoliu-a inteira, e começamos um lento vaivém, aos poucos acelerando o ritmo, bombando, ela pedindo: “Mete esse pauzão todo em minha xota, vai, irmão! Mete gostoso em sua maninha!”

Não me fiz de rogado. Quanto mais ela clamava, mais eu socava, cada vez mais fundo e com mais força, e ela queria mais, já gritava, endiabrada, suas unhas cravavam minhas costas enquanto os olhos pareciam duas naves perdidas sobrevoando a tarde de Brasília.

Ela pulsava, mexia os quadris num frenesi ensandecido, arqueou o corpo e sentou-se de frente para mim, buscando meus mamilos para abocanhá-los e chupá-los, babando neles, sugando-os violentamente, um de cada vez, totalmente fora de si, enlouquecida, linda e gostosa como jamais suspeitei.

Ela gozou, uma, duas vezes, e eu também gozei abundantemente, derramei todo o meu leite em sua caverna, e permanecemos abraçados por alguns minutos, meu pau dentro da sua buceta melada, a porra escorrendo pelas beiradas, exalando um odor acre e gostoso, o cheiro do sexo saciado.

Foi a melhor transa da minha vida. Minha mana deliciosa, meu tesão, minha loucura, minha eterna danação.

Montenegro, em 12 de novembro de 2011.


Este conto recebeu 3 estrelas.
Incentive Montenegro a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
09/09/2012 13:38:52
Não foi só a LuaDoce que ficou molhada. Meu pau escorreu baba.
01/02/2012 19:44:37
Montenegro,parabéns pelo seu conto,ele é maravilhoso e muito excitante,a minha primeira mulher foi minha irmã e transamos até hoje,clique no meu comentário,leia e comente as nossa transas.
01/02/2012 18:47:44
Adorei parabéns minha boceta ta molhada
01/02/2012 18:29:16
Muito gostoso e bem escrito. Gostei!
01/02/2012 18:28:21
Muito gostoso e bem escrito!


microempresa vídeo de pornô das coroas empregadasdisvirtuando a bucetaXvideo com a mulhe grita esperneia pra nao emtra na picaConto erótico interacial largando o esposo para viver com amante negrochupando buseta labefo pasda mso bocscasa dos contos meu marido contratou mestre de obra negro comSexo com fucionaria buceta apertadinha relatos/texto/201210326xvideo estrupo no vadraceirocriando uma putinha contoscontos eiroticos leilaporncontos eroticosMinha mãe e meu irmão adotivo -porno primo cupinsporno marido esguelha a garganta profunda da esposa e gosa no fundorabuda di saia mostrando a bucetona pra homem que fico loco e nao aguentamulher nega corpo de violao bunda grande pingelo muito grande trazando com travetis negro pica de jumentoQuero ler contos escravos roludos macho alfa familia realvidio porno homen emtera o pou todo na garganta da muher ate gozarler contos eroticos de padres reaiscontos eroticos garantido trabalho do maridocomo virei cornoirma cassulinha dando mole xvideomamae sentou no meu colo e eu nao resistir e comi ela contos erpticosBuceta e c aadas pelo pau do papai negao. Conto erotico heterossexual.Mulher andando de fildental arredor do homem ai depois o homem aranca no dente e gosa na buceta delapeguei me filmando e pus pra mamar gayVideo de porno com puta de 19 Anos video de 01h00contos eroticos malv comendo as interesseirax negona budona lascadacontos eróticos deiminhabucetapromeu filho menor depois que cheguei daacademiaXVídeos emcoxado a muher da vestido pau para foraincesto/imaginaçoes com a maebaixar as brasileira dois munto xnvdeovideo pornor nagao fudendo o gay e falando fuleragem senta na minha rola vamos gozar juntosquero ver moças de 18 anos de baby doll bem curtinho dentro de casa em movimentoAbrir filme de sexo caixa de molho tirando a virgindade das moças de 18 anos gostosaeu quero ver vídeo pornô primo comendo a prima linda hein galeguinhaXVIDIOSFLIMEesposa vai posar na casa da irma e acaba dando o cuzinho ç o sobrinhowww.loirinha ingenua e tarada negao pauzudo e tarado contosporno novinha fica brava porque a camisinha estourou e ele nao avisouSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhacontos eroticos degay perdendo as pregasenfioo seu pirocao no cu do viado no chuveirovidios de contos errotics pai arregaça a boceta da filhamulher aprende como dirigir em cima do motoridsta pornôConto scat minha mulher solta pum na transa e gosteiporno o pai da quer reaizar o sonho de fpde foder a filha mas ele deu varias tentativa para consiguergay contos molestadocarioca dando buceta peluda pros dois marmanjos e gemendo alto pornodoido03machos se fodendoconto gay o meu sonho de consumoSou uma exibicionista casada e o garoto bate punheta me olhando peladaporno.com negao levanta a saia enfia até o saco enche de porramãe fraga tiu abuzedo da sua filhavidio porno prima dando escorada na mesa de shortinho e de calsinha socadacontos de peidocontos incesto mae gts contos eiroticos leilapornxxxvideo pau de 70mgosando dekiciosamente com namoradominha prima nechupando gostosocontos de incesto brincarContosmulherbebadaquero ver vídeo pornô as duas sobrinha novinha insistindo para o tio comendo o c****** virgem da lapacurra anal contoscontos erótico gay brincadeirinha com meu irmãoconto erptocp gay paivirei mulher na cama contos wmeu amante me come todo mesconto erptocp gay paimaria alice deu ate o cu contofudeno uma ninfeta muito gostosa porbodoidocasa dos contos gaymulherpornocachorroera so a cabesinha mais ele empurrou a rola toda no meu cucontos eiroticos leilapornXvideo anal mao levamtado a barogano colo do padrinhoconto erotico vendo.a.minha filha gemendo toquei siriricaFui encoxada e iniciada por um roludointiado gosando detro das lindas madrastassexo homens gozando e.falandopalavroes