COMPARTILHANDO AS PUTAS 2

Um conto erótico de valeriobh
Categoria: Grupal
Data: 20/09/2011 18:57:14
Nota 10.00
Assuntos: Grupal

Na manhã seguinte Felipe encontrou a camareira Dalva no corredor do hotel onde morava. Precisava conversar com ela, já que ela sabia que ele era casado e o havia flagrado com outra mulher na cama. A chamou pro seu quarto e fechou a porta. Tomando as rédeas, disse que iria reclamar com a direção do hotel pelo fato dela ter entrado no quarto sem bater, lhe vendo pelado Nervosa a camareira pediu desculpas e disse que achava que o quarto já estivesse vazio, e implorou para que Felipe não reclamasse porque ela poderia perder o emprego, e naquela cidade pequena eram poucos os empregos com carteira assinada e benefícios. Felipe então pediu que ela não comentasse com ninguém o fato de tê-lo visto com outra mulher na cama, já que era casado. Dalva perguntou o motivo dele trair a mulher, já que achava a esposa dele linda. Felipe devolveu a pergunta e perguntou ha quantos anos ela estava casada. Dalva respondeu 20, já que havia se casado com 15. Felipe a elogiou dizendo que dava pra ela uns 28 anos, já que era uma morena atraente, e perguntou se durante todo esse tempo ela não sentiu desejo sexual por outro homem. Dalva fez uma ligeira pausa e disse que sim, e já excitada com o teor da conversa, disse que naquela noite nem conseguiu dormir direito lembrando a cena que havia visto, e teve que procurar o marido para aliviar seu tesão. Felipe logo percebeu que a camareira havia ficado com tesão ao vê-lo pelado, e lhe perguntou se ela havia gostado de ver o pau dele. Como Dalva balançou a cabeça afirmativamente, ele perguntou se ela queria ver novamente, já abrindo o zíper da calça e colocando o pau murcho pra fora. Felipe fez alguns movimentos de punheta até deixá-lo meio duro, e olhando pra mandou que chupasse. Como se estivesse hipnotizada, Dalva se abaixou e abocanhou o pau, passando a chupar forte e desajeitadamente. Felipe deu-lhe um leve tapa no rosto, mandando-a parar, porque ela estava machucando seu pau, e notando a passividade dela, mandou que ela ficasse de quatro na beirada da cama. Dalva obedecia sem questionar, e passiva ficou quando Felipe suspendeu seu vestido e literalmente lhe arrebentou a calcinha, passando a lhe dar leves tapas nas nádegas enquanto enfiava dedos na buceta peluda e no cu apertado. Quando conseguiu enfiar 4 dedos na buceta, foi ao criado e pegou uma camisinha, encapando o falo, que logo sumiu dentro da vagina melada. Socava com força, a chamando de esposa adultera, vagabunda que chifrava o marido corno, e que ela seria sua puta particular dali pra frente. Dalva apenas gemia de dor e prazer e passiva tornou a ficar quando percebeu que ele havia retirado o pau da xota e estava ajeitando na olhota do seu cu. Trincou os dentes, mas agüentou firmemente sua primeira penetração anal. Pouco antes de gozar, Felipe retirou o pau e a camisinha forçando o falo na boca dela, a fez engolir toda a porra que saiu do seu saco. Limpou o pau na calcinha dela e sem nada falar saiu do quarto, deixando a camareira semi-nua e desfalecida na sua cama. Assim que chegou ao fórum encontrou Rose (a morena do conto anterior) trabalhando como faxineira. Ele se aproximou dela e perguntou porque estava usando o uniforme de faxineira, tendo Rose dito que o Juiz Luis havia lhe contratado para trabalhar. Felipe se dirigiu pro gabinete do Luis e o elogiou pela contratação da Rose, ressaltando que ela deveria ser putinha dos dois. Naquela tarde Dalva procurou Felipe no fórum e disse que não poderia chegar sem calcinha em casa, porque seu marido era muito ciumento e desconfiado. Felipe lhe entregou um dinheiro para que ela comprasse uma calcinha e quando a camareira estava saindo, se virou e disse que havia visto a mulher que ele havia comido no dia anterior trabalhando na limpeza. Felipe riu e disse que ela fez por onde conseguir o emprego. Dalva então perguntou se Felipe também poderia arrumar um emprego pra filha dela. Disse que a filha tinha 18 anos, era casada ha pouco tempo, mas morava com ela, que seu marido trabalhava no corte de cana em São Paulo, e que eles precisavam juntar dinheiro pra comprar uma casinha. Felipe brincou dizendo se ela fosse tão gostosa quanto a mãe e também fizesse por merecer, falaria com o juiz para contratá-la, mandando a filha dela aparecesse no final do expediente no dia seguinte. Na tarde seguinte a secretária do promotor Felipe anunciou que tinha uma moça de nome Rute, filha de Dalva, querendo falar com ele. Felipe mandou a moça entrar e dispensou a secretária. Rute era uma mulatinha tipo mingnon, baixinha, peitinhos pequenos, cintura fina e bundinha arrebitada (diferente da cavalona da mãe dela). Felipe a mandou sentar e após as perguntas triviais, lhe perguntou se ela estava mesmo disposta ao trabalho, porque além de trabalhar duro na limpeza, deveria atender a outros pedidos dele e do juiz. Rute disse que sim, que precisava trabalhar, e como não tinha experiência anterior, ela faria tudo o que lhe mandassem fazer. Felipe alisou ostensivamente o pau sobre a calça e disse que gostava de mulheres obedientes, e perguntou o até que ponto ela iria em troca do emprego, tendo a moça dito que sua mãe havia conversado com ela, e que sabia que deveria agradar o patrão fazendo tudo o que fosse mandado. Felipe mandou que ela fosse até a porta e a trancasse, mandando que parasse no retorno. Mandou que ela desse uma volta, e elogiando o corpo da moça, mandou que ela tirasse o vestido, logo ficando apenas de calcinha e sutiã. Com a mão fez sinal para que se aproximasse e sentasse no seu colo. Rute não apenas sentou como passou a rebolar como uma cobra no cio. A moça era uma putinha nata. Ele abriu e retirou o sutiã, passando a apertar os bicos dos seios enquanto beijava e lambia a nuca e os lóbulos das orelhas. Rute ficou toda arrepiada e se entregou de vez, levando uma das mãos pra debaixo da bunda, passando a apertar o rígido pau do novo chefe. Ela mesma se abaixou e liberou o falo, e antes de enfiar em sua boca, disse que sua mãe não havia mentido quando disse que ele era grande e grosso. Chupou divinamente até receber uma carga de porra na goela, engolindo tudo. Continuou chupando até deixou-o novamente duro. Somente então se posicionou apoiada na mesa, com a bunda empinada e com olhar de puta carente, pedindo para fudê-la com força, que fazia meses que não transava já que o marido estava fora. Felipe arrancou com violência a calcinha, abrindo as nádegas e passando a chupar a semi-depilada buceta e o cu escuro da mulata. Tinha um cheiro divido de fêmea no cio, e sem pensar meteu a pica sem camisinha na xoxota melada. Quando o pau começou a latejar, dando sinal que ele iria ejacular, a moça apenas pediu que não gozasse dentro da buceta, já que não usava remédio. Felipe tirou o falo da xota e foi empurrando no rabo melado dela, que após uma inicial resistência, recebeu no membro até o final. Bombou com força até despejar nos intestinos da mulata nova carga de porra. Como o pau saiu com a cabeça suja de merda, Felipe limpou o falo na calcinha que estava em cima de sua mesa, tendo Rute brincado com ele dizendo que ele gostava de destruir as calcinhas das mulheres que comia (numa alusão a sua mãe). Após ela colocar o vestido (sem calcinha), Felipe mandou que ela se ajeitasse e permanecesse na sala, e foi conversar com o juiz Luis. Luis ponderou dizendo que não havia mais vagas no fórum, mas diante da insistência do Felipe, ainda mais depois que ele contou o que havia feito com a moça, disse que iria arrumar algo pra ela, mandando que a trouxesse. Felipe falou pra Rute que o emprego estava quase certo, só bastando que ela também fizesse o juiz feliz. Apresentou a moça ao novo chefe, e antes de sair lhe entregou uma camisinha para que pudesse testar toda a qualidade dela. ().


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive valeriobh a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
21/09/2011 18:10:23
Adoro uma mulher safada. Daria tudo prá ter uma mulher assim ao meu lado! Como daria. Qq mulher interessada num cara liberal, de Belo Horizonte/MG, imune a ciúmes e amante de uma mulher que ande com a buceta fervendo de vontade de dar, faça contato. Adoro dividir uma mulher numa transa...rs...


arreda o shortinho e mete o caralho no cu da cunhadavídeo porno de mulher com negrão sedo estrupadas no cu e gozando muitoconto erotico mae e filha se pegandoimagens de pica de cavalo atolado em buceta de mulheresesperma na virgem xxividios conyos pornos de pau pewuenocasada escandalosa gosano e agradeseno corno pornodoidocoroa gosado pau do manoradi vedeo de sexofui enrabada por meu padrinho sem doxvideoa baxinhas de camisolarcontos porno fui obrigado a pagar a apostaaxo que minha mulher pulou a cerca pra fazer analvídeos pornô contos eróticos - diário de uma louca fudendo a tia mulheres santinhas safadashomens nú decuéca punhetacontoerotico eu namorada mae e tioirmao pistoludo judia da irmaa empregada sai do banheiro nua para encabular ou encabular o dono da casavovoda bucetabcoroa do cugradaeu quero ver sexo cetonas gostosona de lindas roupastarado nuonibufilha minha femea contocontos eiroticos leilapornmulher mostrando as butetas cabeludaswww.relato mulher cazada tramza com outro macho.com.brAlentejano velho caralhudocontos eroticos desconhecido tirando cabaço d mulecacontos eiroticos leilaporncontos gay Meupadrasto cavalo me fudeu part4relatos eróticos determinada por um negão roludomtk contos eroticos coisas do destino capitulo 1bichinhas com peitinhos de mulhercrente safada contoscontos e histórias de pai tarado não aguentou e comeu a filha de sete aninhos gostosinhamacumba gigante entrando no xiri da novinhavideos mocas sendo encoxadas transporte coletivosvidii lesbica cozando turmidocontos irmazinha nossa punheteiraapostei minha mãe com meus amigos conto erotico analcoroas descuidando da calcinha e da bufeta gostosatexto jibi mae filho fodeu bucetaCasa dos contos eroticos novinha namorada do meu primovídeo pornô ela com shortinho coladinho no corpo quentinhoconto de sexo minha irma mulata rabuda de leguemulher com aparelho nos dentes atrapalha mulher chupar um cacetretribuindo o favor para a mae passando gel no seu cu contos eroticoselacareca contos eroticos de mullheres carecasSexoanalsemdornegao Arobando o viadinho xx videosmobile zoofilia com cachora femiacontos incesto lesbico mae enssina seu filhinho a bate punhetacasadoscontos.com advogada viciosavídeos porno caseros esposinha fazendo suruba com 3homsexo dormindo mesma cama mae se rendeu as caricias do filho contos eroticos de nois dois enrrabadosXvideo budona meladiha.loadoro uma rola gg me rasgando contosConto erotico tia dano cuzinho pro sobrinho titaAliviando os funcionarios contos eróticoszoofilia rs com cao grandaoWESLLEYWEST-CASA DOS CONTOS EROTICOSsou amante d minha cunhda contoesposas exibicionistas na praia de nudismoprica cavalaContos eroticos de pisudos safados xxxvideo sai mestroaçaoPorno estupro irma vai dormir mas o irmao no colchão de arxvideos contos libertinos continuação parte 2xvideos nildaoContos eroticos de sogras coroas bem rabudasmulheres da bucetona gostosas cápor defuscaincesto com meu vô contosfazendeiro me comeu montado no cavalo contos eroticos/texto/201705784Vo e netoContos eroticosPornocontos eróticos eu e meu sobrinhofui arrombada , e adoreiconto erotic incest filhinha da fazendnovinasxxxperna.abertadi calcinhaso porbaxo da saia detro do onibufunk pancada novinha loirinha fudendo muito e meninas também cheirando muitojapinha colegial dano o cu parra rrola gigantecontos eiroticos leilapornContos gays depois de casado dei para o velho vaqueiro de jebacontos eróticos Avenida da minha sogra meu sogro na minha casa