Malhei o Raul para comer a esposa de 1,80m.

Um conto erótico de Yuzo
Categoria: Heterossexual
Data: 20/04/2011 21:24:54
Última revisão: 19/12/2016 21:36:19

Estava fumando fora do aeroporto. Que saco! Em todos aeroportos de primeiro mundo, o fumo é proibido, porém, existem salas específicas nos terminais, até mesmo na área de embarque.

Mais um mico que pagaremos, durante a copa e olimpíadas. Taxas de embarque caríssimas, instalações imundas, desconfortáveis, inseguras, obsoletas, mal equipadas e querendo dar uma lição extremada de ¨civilidade¨. O mundo vai rir.

Um cinzeiro acanhado, cheio e rodeado de bitucas no chão. Sob a garoa fina, local a céu aberto, o ¨fumódromo¨. Nem banco para sentar. O vento frio e os pedintes de plantão a importunar e lembrar que nós somos os marginais, segundo campanhas publicitárias do governo. O fumo mata e enseja a criminalidade, bem mais que o contrabando de armas, o crack, a corrupção e as estatais que desviam verbas destinados à saúde.

- Por favor, pode me emprestar o isqueiro ?

Era uma senhora gorda, já de certa idade, com o cigarro na mão. Cavalheirescamente, acendi seu cigarro e começamos a conversar, em especial sobre as críticas acima. Contei sobre os aeroportos de Nova Iorque, Atlanta, Los Angeles, Tóquio, entre outros.

Nisso se aproximou uma loira, que de imediato, chamou minha atenção. Devo confessar que sou acrófilo (existe isso? Se não, passa a existir. Quer dizer sujeito tarado por mulheres altas). A loira era alta (1,80m. soube depois), cabelos curtos, bem maquiada, uns quarenta anos (só tinha 32 na verdade), não muito bonita de rosto, mas, repito, alta, bem mais alta que eu. Era conhecida da minha interlocutora.

- Oi, você aqui !

- Puxa, que surpresa ! Tudo bem?

Beijinhos entre elas. A cheinha mais idosa dizendo:

- Nossa, como você está linda!

A altona:

- Pois é, agora sou outra! Me livrei do Raul. Nove anos de escravidão! Nove anos sem viver! Estou trabalhando lá no Micheletto...

O papo vai, papo vem. Me afastei um pouco, acendendo outro cigarro. Mas não pude deixar de ouvir, o diálogo animado das duas. Na minha mente devassa, veio a imagem de uma boceta com uma fechadura girando, aparecendo o buraco e os dizeres ¨vacant¨. A loira altona dizendo que seu marido Raul, estava vivendo com outra mulher. O que me entusiasmou foi saber que ela iria para a mesma cidade, e, pelo horário, só poderia ser no mesmo vôo.

Mais tarde, na sala de embarque, 6:15hs. e nada. O avião já deveria ter decolado às 6:00hs. Primeiros raios de sol às 6:30hs. e uma má notícia. O voo havia sido cancelado, face a uma ¨manutenção não programada¨. A multidão no balcão da companhia, todos indignados.

Vi a loira altona parada, mais atrás, segurando sua maleta de mão com rodinhas. Aproximei e ela me reconheceu. Ela, como eu, fazia parte do grupo dos mais serenos, conformados. Antes não embarcar, do que, decolar em um avião com problemas mecânicos. Comentamos sobre aquele fatídico avião da Air France e seu pitot congelado.

Os atendentes atoleimados, propondo nos acomodar no próximo voo, que sairia só às 17:30hs. Para cinquenta minutos voando, teríamos que aguardar mais onze horas! Com os exaltados de plantão ameaçando processar a companhia, reclamar ao procon, à anac, a Deus nos acuda e o diabo a quatro, ofereceram como alternativa, um ônibus leito para uma viagem rodoviária de 450km, com chegada prevista às 14:30hs. no destino.

Simone, este era o nome dela, me indagou:

- Você vai? Acho que vou de ônibus. Fiquei com medo de viajar hoje, de avião.

Mais do que depressa, concordei. Fora nós dois, só outras quatro pessoas aceitaram a troca.

Simone deixou a maleta numa poltrona individual, na frente. Ônibus vazio, com apenas seis passageiros. Fui lá no fundo. Me acomodei numa poltrona singular. Nisso a gata veio lá para trás, com sua cabeça quase roçando o teto do ônibus. Eu apreciando aquela mulher, pra mais de metro, com seu vestido beje de corte clássico, bainha na altura dos joelhos, que deixava entrever as longas pernas.

Acomodou-se no banco duplo, ao lado do meu. E puxou conversa. No início, o tema era falar mal das empresas aéreas. Pelo barulho do rodar do ônibus, nossas cabeças quase se tocavam. Certa altura, ela foi para a poltrona da janela, me chamando para sentar ao seu lado. Só seis passageiros dentro do ônibus e nós, sentados juntos.

- Puxa, que dedos lindos você tem! Sou meio dedólatra (existe isso? se não, passa a existir), sabe? Fico meio excitado quando vejo dedos compridos, tão bem feitinhos como os teus. Ainda mais sem aliança! É solteira? (como se não tivesse ouvido o papo das duas e não soubesse).

Simone repetiu a mesma história que tinha contado para a idosa. Metendo pau no marido:

- Aquele safado do Raul, me traía com outra.

- Verdade? Esse seu marido é um mala mesmo. Não, é um idiota completo. Só pode, pô, trocar uma mulher linda como você e...

Ela me interrompia:

- Nove anos, lavando, passando, cozinhando para o Raul e ele nunca valorizou isso! Para ele quem presta é aquela vadia, horrorosa!

- É um patife esse Raul! (me senti quando criança, malhava o Judas no sábado de aleluia, chutando o coitado do boneco caído e todo arrebentado). Tem homem que é canalha mesmo! Sujeito desse tipo tem mesmo que viver com uma vagabunda qualquer. Não merece uma mulher linda, mulher de verdade como você!

Simone continuava:

- Não sei o que ele viu naquela coisa feiosa. Homem só dá valor a essas safadas, que andam com todo mundo.

Eu dava corda:

- É, tem alguns homens, tão burros que não enxergam nada. Cai no papo dessas imprestáveis, putas mesmo, desculpe a expressão, maloqueiras, macumbeiras (e tadinha, imaginei a outra como Medusa e seus cabelos de serpentes). Elas abrem as pernas, desculpe de novo a expressão, e o trouxa, cai direitinho, esquecendo que tem em casa uma mulher de classe, linda, maravilhosa e desculpe, gostosa como você!

E blá, blá, blá, ela batia de esquerda no Raul, dava de direita na ¨outra¨. Eu chutava e pisava no casal prostrado, usando os sinônimos dela para malhar os traidores e os antônimos para elogiar a altona. E da verborragia, no auge da indignação e entusiasmo, do oral para o físico, as mãos passaram a falar junto, de início com toques leves, sutis, insinuantes, aparentemente involuntários, cheios de segundas, terceiras, quartas...intenções.

Simone também, nela acredito, sem perceber, entrou no diálogo à italiana, cheio de gestos e toques de mão nos meus braços. Se a cabeça de baixo já se enchia de tesão, a cabeça de cima trabalhava em ritmo de Pedro Malazarte. Tinha de achar palavras que pudessem ¨sincronizar¨ com pousadas da mão naquelas coxas grossas, longas, roliças. E procurava febrilmente, textos a serem recitados para justificar carícias no rosto, primeiro estágio, pescoço, segundo estágio, o colo dos seios, terceiro mais difícil, ousado e tudo ou nada estágio.

Ela narrava seus complexos desde a adolescência, pela estatura. A dificuldade de arranjar namorados num universo restrito de homens altos. Até Raul, seu ex-marido, era cinco centímetros mais baixo. Salto alto, nem pensar! Só sandálias rasteirinhas e olhe lá.

O acrófilo aqui, com as mãos encostando naquela extensão toda, falando nos ouvidos e até declamando poemas que o tesão do momento inspirava:

¨Na horizontal, inexiste diferenças,

Tudo é igual, você e eu, engatados,

Não importa as nossas crenças.

Em entrega total, deitados sou seu,

Buscamos o gozo, ambos extasiados,

Num amor animal, oh tara giganteu¨.

Percebi os lábios oferecidos, de fêmea cortejada, entregue. Aquele era o momento! Uma dúvida me assolou, fazendo colar os lábios, de leve, até timidamente, naquela boca. Mas tranquilizei, ao sentir a retribuição ardente e as línguas, desconcatenadas se chocaram na primeira vez, até se entrosarem nas invasões recíprocas.

Minha pica já me incomodava, de tão ereta, dura e latejante. As mãos passeavam por tudo e como tinha corpo para explorar! Faltava mãos para acariciar tantas partes. As subidas e descidas eram lentas, me obrigando a um desconfortável exercício de contorcionismo para alcançar das pernas ao rosto.

Era manhã, mas, os outros quatro passageiros dormiam com as cortinas cerradas. A semi-penumbra ocultava nossos amassos, cheios de paixão. Esquecemos do Raul, da outra, aliás, nem conversávamos mais. Foi difícil descer o zipper nas costas. Complicado também desnudar a parte de cima e mais ainda, tirar o sutiã.

Um par de seios grandes, verdadeiros melões surgiram e no meio, os bicões escuros me convidando a lambe-los circulando pela auréola e dando mordidinhas, alternando com chupadas ora ameaçadoramente intensas, todavia leves, ora ignorando-os para surpreender com sugadas vigorosas.

Já totalmente na poltrona dela, me enfiei entre as pernonas, me abaixei, enfiei as mãos por baixo do vestido, buscando a calcinha. Ela relutou um pouco. Ergui o vestido e passei a beijar a parte interna daquelas coxonas. Isso a distraiu o suficiente para abaixar e tirar a peça íntima. Para vencer suas últimas resistências, caí de boca naquela bocetinha, pequena e desproporcional para aquele corpaço.

Chupei com vontade aquela xoxota deliciosa. Olhei para o rosto de Simone e a vi com as costas da mão direita na boca, sufocando os gemidos e gritos que ameaçava soltar. Pela forma que ela contorcia e forçava o quadril de encontro do meu rosto, ela estava para ter um orgasmo. Era maravilhoso saber que estava dando prazer, àquela, literalmente grande mulher.

Soltei o cinto, botão e zipper. Nem perguntei se podia ou não. Puxei suas pernas, deixando a bundona bem no cantinho da poltrona, me levantei um pouco enquanto abaixava a calça com cueca e tudo. Penetrei de uma vez naquela xoxota, toda encharcada de tesão. Entrou fácil.

A grutinha estava melecada demais. Tirei o cacete, peguei a calcinha e dei uma enxugada no mel que escorria farto da boceta. Limpei também o pau, tendo o cuidado de guardar a tanguinha no bolso. Enfiei de novo. Desta vez senti melhor o avanço, a glande raspando nas paredes daquele buraco quente. Dava impressão que minha pica estava mais grossa ou ela mais apertadinha.

Ah, delícia, estava comendo uma loira altona! Nessa hora, ela era a mulher mais linda e gostosa do mundo! O maior prazer de um acrófilo é estar com a rola dentro de uma boceta e a cara enfiada entre os peitos da altona. É fácil abocanhar os biquinhos, chupá-los no mesmo ritmo das bombadas e sem muito esforço, com a mão bolinar o grelhinho.

Aquele corpaço vibrando a cada socada, era demais! Simone, com sua respiração pesada e ofegante, estava gostando. Eu acelerando, querendo gozar junto. Mas não tive como segurar. Os jatos fartos de porra escaparam, inundando a boceta dela. Parei instintivamente, mas ela continuou num ritmo frenético. Também estava para gozar. Concentrei o máximo que pude para manter o cacete ereto, dentro dela. Ela, ainda com a costa da mão na boca, soltou um gritinho e parou, me agarrando firme e colando seu corpo no meu. Seu orgasmo foi bem na hora, pois, já sentia meu pau ficar meio mole.

Trocamos um beijo apaixonado, saciado. Meu cacete, agora flácido e encolhido, escorregou para fora daquela gruta saborosa. E ela foi no banheiro se limpar. Depois fui eu. Pediu a calcinha, esquecida no bolso da minha calça. Falei que estava lambuzada e devolveria depois (No dia de São Nunca).

Os beijos e apalpadas continuaram pelo resto da viagem. A bundona dela enchia minhas mãos. Só de pensar em comer o cu daquele mulherão, o meu caralho acordou de novo. Quis mais, porém, Simone com medo do flagra, só permitiu alguns amassos.

Não devolvi a calcinha, que hoje, está embrulhada num saco plástico e escondida no fundo do porta luvas do meu carro. De vez em quando, dou uma cheirada, relembrando as sensações incríveis daquela foda. Será que sou um tarado?

Trocamos números de telefone e e-mail. Seiscentos quilômetros nos separam. Não sei, quando e se iremos nos encontrar. Por ser casado, não vou procurá-la. Mas se houver um contato dela...


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive yuzo a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
04/07/2020 10:00:05
Que tesão! Obrigado pela sua visita, leia os meus outros também, espero que goste! Bjs
08/06/2020 22:25:21
Esse meu "Bengôshi" é demais. Que conto maravilhoso! E concordo com a Erikkinha! Sim, você é tarado! rs...rs... Eu amo quando você escreve: "Existe isso? Se não, passa a existir!" rs..rs.. Ah, só uma observação: Dia de São Nunca érs..rs... Vai ter que marcar um encontro com ela para devolver a calcinha! Nota 10, com 3 estrelas!!!! E por favor, volta a escrever...
29/04/2020 03:59:52
Sim você é tarado... kkkkk... Amei o conto é claro, dez e três estrelas, mas como já fui a outra vezes suficientes, você ativou minha imaginação, sobre coisas que podem falar sobre mim... Em fim, é a vida... Beijinhos e obrigada por ter lido meu conto, estou com alguns novos, depois dá uma olhada.
17/03/2020 07:10:44
Achei divertida tua estratégia para pegar a mulher do Raul. Foi delicioso ler como aconteceu. Teus contos sempre com conteúdo, escritos de forma primorosa, além de me excitar com safadezas gostosas. Um beijo!
02/03/2020 19:18:29
Esse seu conto é uma obra prima. Você ganhou essa mulher naquela magnífica combinação de oportunidade e capacidade. A sorte de sorriu por você ser fumante e estar la quando ela chegou, pelo avião ter quebrado... mas você teve muita capacidade de não deixar a oportunidade passar. Sempre que conquistamos uma mulher é como se o universo inteiro conspirasse para nos entregá-la. E foi o que aconteceu aqui. Uma vez uma leitora comparou meus escritos com os seus, dizendo que você tinha parado de escrever mas que eu seria uma espécie de sucessor, pois tínhamos semelhanças em contar o erótico com umas pitadas de humor. Fiquei cheio de orgulho pela comparação. Você com toda certeza é um dos grandes desse site e deveria considerar a hipótese voltar a escrever e nos brindar com pelo menos um conto novo por ano.
29/02/2020 22:14:32
muito bom otimo conto , grato por votar e ler os meus, leia se puder clarissa
13/01/2020 00:57:18
muito bom....
01/01/2020 17:04:00
DENTRE MAIS DE CENTO E CINQUENTA MIL CONTOS, ESTE ESTÁ ENTRE OS 180 MAIS COMENTADOS DO SITE, COM 76 VOTOS. Bem escrito, merece a nota máxima.
26/05/2019 16:15:55
Seu sortudo! Com certeza algo para não se esquecer jamais! Adoramos. bjs
09/05/2019 18:20:06
Excitante.
30/04/2019 11:30:41
Excelente! As companhias aéreas e esses voos atrasados que nos geram boas histórias! Escrevi um conto com o tema parecido, dá uma olhada no meu perfil e comenta o que achou,tá?
28/04/2019 09:04:42
Muito bom.
25/04/2019 13:45:00
Essa estratégia de malhar o ex-marido da Simone deu certo, querido. Como temos praticamente a mesma altura e porte físico, não foi difícil imaginar a cena dentro deste ônibus durante o percurso. Há males que vêm para bem e o cancelamento do vôo foi a senha para um xaveco inteligente seguido de uma transa deliciosa. Beijinhos.
20/02/2019 10:32:12
Delicia de conto.
21/09/2018 16:08:29
Ótimo conto. Nota 10. Dê uma lida na minha série: "EU, MINHA ESPOSA E MEU AMIGO DA ADOLESCÊNCIA"
18/09/2018 22:06:04
Muito bom Yuzo! Gostei da analogia buceta-fechadura vancant KKK Mandou muito bem de novo
12/02/2018 09:22:12
Meu caro escritor vc é danado ein. Sempre pensando em ganhar mais uma altona. Um dos melhores contos que li dentro do estilo, além de excitante ao extremo. Dou nota 10 pelo texto cativante. Bezitos.
08/12/2017 16:43:41
Delícia de conto, eu sempre quis tranzar num ônibus, parabéns nota 10
26/03/2017 15:44:39
sensacional
03/02/2017 23:15:22
Ah Yuzo, delícia ler esse também! Mais uma vez sugando a minha atenção, me perdi lendo entre suspiros e a temperatura aumentando aqui! Parabéns!


xx drasio video .conSou mulher casada meu compadre me fodeuquando voltei entrei no quarto da minha irmazinha e vi ela se mastubando dei uma bronca nela contos de incestoContosSexo anal gays x novinhoscontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgegostaria de ver no XVídeos mãe dando conselho para o filho de camisola mas sem calcinha no quarto dando conselho dando bronca no filhofotos de bucetas do faisaoirmagostozaxvideoler cantos erotico d gei novinhobukkakeMande vídeo de mulher pelada de 16 a 20 anos preferência galeguinhaBaxar xevidio porno novinha dando para o garagistaver vidio pitudo dando uns amasso na novinha que nunca vio rolacdzinha burguesinhawwwxvidio.com depiladora preseitotia gostosas foder com subtilcontos podolatriacontos cdzinhavídeo da mulher da bundona sentando na pica do menino loboperfume de cueca empinando a bunda para trás homem de cuecaele a enrabala e ela a cagar.se pornorabuda de calça apertada limpando estantelingua no greloroselena insaciávelmoleque tarado.contosliberei minha esposapornô brasileiro mulheres comendo outra com pipador falando putariaminha enteada estava com a b******** inchada e pediu para mim mussarelacontos pornos comadres morenaconto erotico patricinha estupradacontos eroticos malv comendo as interesseiratirei a virgindade do meu irmão novinho contoPage coletanea de video coroas masturbando gozando escorrendo melzinho galasurpresa+no+banheiro+pornoprovoquei levei no cu contoseu, minha namorada, minha namorada e meu tiopornos de cornudos a serem enrrabadoscontos eróticos viadinho chupou meu paucontos fui pra cama com mega dotado marido viu o estragocheirando a calcinha contosconto minha mae puta atendendo cliente em casabundas maciinhasmunher midino o pou do negauConto.erótico cunhada junteix video mulher amarra o penis do marido com negocio transparente e da pro negaocifra o marido no banheiro com amigo dele levantou a saia e o amigo do marido meteu no cu dela vídeo pornô doidocontos de encochadas no carnavaleu conto sou casada brincando com meu cunhado e ele me passou a varaq gostozo e bebe porra d pau do meu sogro. escodido d marridoxvidiocasada fudendo a pica do machoxvideo gay toma surra de bucetacomendo a buceta da gostosa na barra de suco de limãoGlory hole em banheiros publicos conto realso avo na siririca cam esc brvirei puta do cunhado cearence parte 5contos de negro roludo e novinha/texto/200907770negao arebentou o cu dessa mulher e ate arebentou todas as pregasxividio cuida e primocomi a pmcontos eroticos entre pai e filha em viagemseduzindo o pedreiroeu sou viuvo eu tava sozinho em casa com meu genro eu chupei seu pau eu disse pra ele fuder meu cu virgem conto eróticocasadoscontosfilhaSobrinha QUERNDO GRAVIDAR DO TITIOtroncudo na putaria gaymae cpontos erotixos/texto/201210326jornalista77 contos eroticoteste de fedelidade que mue darao bucetamarido esposa hormonios femininos dedos no cu conto eroticomulheres tocando sirica no trabalho e gosando com seu casuloxvıdıo ruıvagostoza fudeno com 3travecoscontos eroticos quentessedusio empregadinha virgem ate fude laxvideos novinha aprendendo a polotar moto