Por Causa de Lídia, 7

Um conto erótico de AribJr
Categoria: Heterossexual
Data: 16/01/2009 10:05:03
Nota 10.00

DESEJOS

Sexta-feira, 21 de junho de 2002.

Em cada momento de minha vida passada sempre vivi envolvido por desejos, paixões e sexo. Essa é a verdade nua e crua desses quarenta e três anos.

Vivi dias de harmonia, dias de aventuras e de descobertas que me fizeram ser o homem que hoje sou, mas nunca me senti tão desprotegido quanto aqueles dias tentando não deixar minhas portas e janelas abrirem, Lídia era muito nova, quase uma criança, que não teve a figura de um pai lhe mostrando os caminhos certos, guiando seu passos rumo ao amadurecimento e para a vida. Seria lógico que a mãe tivesse assumido também a figura do pai ausente, mas Francilice nunca foi muito mãe e sempre achou que sendo amiga da filha seria melhor e mais moderno. Hoje sei que o início de tudo sempre partiu dessa maneira irresponsável de Francilice para com Lídia, mais amiga que filha, mais companheira de aventuras que uma garota carente de conselhos, órfã de adultos que lhe mostrasse os caminhos, que lhe ensinassem a desviar com segurança dos obstáculos e que lhe servisse de espelho, imagem de retidão.

• • • • •

Lembro como se fosse agora aquela sexta-feira. Era quase nove horas da noite quando abri a porta de casa, estava tudo muito calmo e as lâmpadas todas apagadas como se não tivesse ninguém em casa. Entrei e joguei a mochila em um canto, fui direto para a cozinha

- Franci!... - chamei, ninguém respondeu.

Tirei a garrafa de vodca do congelador e o suco de manga, preparei um bom copo de bebida. Saí para a área livre, tirei a roupa e tomei banho no chuveiro da piscina. Lembrei que Francilice havia falado que talvez tivesse que ir a Passagem Franca, sentei no chão e senti a brisa fresca passeando em meu corpo.

- Tu chegou amor?

Me assustei, olhei para a porta da cozinha e a vi parada.

- Estou morto de cansado - foi o que me veio no momento - Onde está todo mundo?

Ela estava enrolada em um lençol branco, me olhou e aquele sorriso de anjo iluminou o rosto.

- A mãe viajou pra Passagem Franca - andou como uma deusa e parou perto de mim - Pensei que tu só vinha amanhã

Olhei para cima, o rosto bonito, cabelos sedosos caindo soltos no ombro.

- Porque você não foi?

Ela não respondeu, apenas me olhou com um olhar de falsa inocência.

- Não gosto de Passagem Franca - passou a mão em meus cabelos - E alguém tinha de ficar tomando conta da casa e - deixou o lençol cair e eu respirei preocupado - Alguém tinha que ficar te esperando

Estava nua, o corpo macio e perfumado parecia ter mais vida que a própria vida.

- Não faz isso Lídia... - fechei os olhos sentindo o corpo tremer - Vai dormir filha, vai dormir

- Não estou fazendo nada Papai

Mas ela estava, e sabia muito bem o que estava fazendo.

- Só vou tomar um banho, estou cansado da viagem - respirei fundo tentando fingir que ela não estava nua em minha frente - Fez um calor do inferno hoje

Lídia ficou me olhando e eu desviei a vista de seu rosto na tentativa de fingir que não a desejava, que durante toda a semana sempre foi nela que pensei, que não tinha sonhado não sei quantas vezes e que esses sonhos embalaram meu sono.

- Tu já jantou?

- Fiz um lanche na estrada

- Tu não queres comer nada?

- Não

- Nem eu?

Minha carne estremeceu. Claro que tinha desejos grandes em ter coragem de deixar seguir, de aceitar seus desejos, de esquecer que ela não passava de uma menina criança.

- Deixa disso menina, já conversamos sobre essa - respirei fundo - Você não sabe o que está querendo

- Sei sim E tu sabes que eu sei - passou a mão em meu rosto, o perfume delicado tomou conta de mim - Tu tens que me querer, papai

Estava diferente, nunca me chamava de pai e era a segunda vez naquela noite. Parecia que tinha mudado a tática de abordagem, queria que a visse não como uma menina e sim como a filha da mulher que eu havia escolhido naquele fim de mundo.

- Não podemos fazer isso Lídia, mesmo que eu queira, mesmo eu te desejando não posso fazer o que você pede

- Pode sim, eu te quero Júnior - se abaixou e puxou minha cabeça, e nos beijamos - Ninguém pode impedir isso meu amor, eu te amo e te quero

• • • • •

E o que é o amor e o desejo quando se tem apenas doze anos? Será que mesmo com todo avanço da comunicação em massa, essa geração de seres incríveis que alardeia amadurecimento precoce sabe realmente o verdadeiro significado dessas duas palavras?

- Não é assim Lídia, não pode ser assim... - ficamos olhando nossos rostos, a respiração da garota estava acelerada, as narinas dilatadas - Tu és só uma criança que não sabe nada da vida...

Ela sorria, os olhos brilhavam sob a luz fria da lua e eu sabia que nada que falasse iria mudar aquele estranho sentimento.

- Mamãe perdeu o cabaço com onze anos... - a voz macia - Minha idade não tem nada com isso, eu sei o que quero e quero...

Não deixei que continuasse, me deu uma vontade de beijar aqueles lábios doces, passar a mão na pele macia e sentir seu corpo virgem vibrar.

- Não fala mais nada... - puxei seu rosto e beijei sua boca - Isso pode ser loucura, mas eu te desejo garota...

Ela sorriu e me abraçou, os pequenos montes no peito espetaram minha pele e senti as batidas fortes do pequeno coração vivo.

- Eu sei que tu me deseja, sempre soube...

Ficamos abraçados em silencio, não tinha mais nada o que falar, nada o que dizer a não ser sentir e amar.

Lídia se levantou e sentou em meu colo, meu pau estava duro e ficou pressionando a pele macia das nádegas.

- Aqui não... - foi mais um pedido implorado que apenas uma palavra.

- Quero aqui... Quero agora... - levantou um pouco e segurou meu pau - Deixa, não faz nada, deixa que eu faço...

Respirei resignado, que fosse ela então a tomar as rédeas da situação e apenas estiquei minhas pernas para que ela melhor ficasse acomodada.

- Tenha cuidado... - sussurrei passando o dedo no mamilo direito.

Ela apenas sorriu e mexeu meu pau passando pelos pequenos grandes lábios da vagina.

- Deixa comigo, não te preocupa, deixa comigo...

Senti que estava úmida, que de dentro da pequena caverna nasciam os líquidos do desejo. Ela olhou para entre as pernas, eu também olhava, e viu que estava no lugar certo.

- Sonhei com esse momento... - olhou para mim, continuava mexendo meu pau e passando na abertura do prazer - Queria que fosse assim, não queria na cama, queria assim, só nos dois...

Sempre olhando em meu rosto ela começou sentar, senti o pau vergar quando pressionou, ela me olhava e no olhar um algo estranho, não aquele olhar sapeca que tanto me cativou, era diferente, o momento era diferente.


Este conto recebeu 3 estrelas.
Incentive FNRI a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
23/02/2020 07:32:27
Adorei
15/11/2019 11:25:17
Caralho q deilicia
25/10/2009 03:00:23
eu ja imaginava que a danadnha seria a dona da vz...mais me surpreendi cm a audácia....vlw mesmo Lidia é isso aí...a idade não importa qdo se ama...


vizinha estrupadaviolentamentecontospono aprimiravezPorno contos incesto maes ensinam suas meninas como chuopar bucetas paus dos pais dar os cuzinhiosxvideo conto corninhocontos eroticos dormindosexo bengostoso uma lambida no grelo bem gostosocontos inversaolesbicas incesto contos consolecontos eroticos o filho da vizinha cheirando minha calcinhaesses irmaos tem uma ligacao muito forte pornodoidoele arrebentou meu ultero xvideoconto erotico gay negao dominador gosta de maltratar viado brancocontos real esposa no banheiro masculinotete - conto eroticoXvideo.com irmãn boba chupando pau fino cabesudofilha minha femea contolance francesinha sexo analleticia postal xvideosx vídeo novilhas dos lábios canudos chupando pica contoeroticopicagrandedvd porno vizinho come cu vizinha a forcamulheres gostosa com binco no peito ler contos eroticos menageA bunda do engraxateQuero ler contos escravos roludos macho alfa familia realviciado em estrupa rabuda cu d negra gorda comtos eroticoxsvidio.nao.ta.abrindo.atelacontos eroticos malv comendo as interesseiramamada babentaConto sobrinho gayencoxada no metroQuero ver bons minetes e depois levarem no cuLoirinha Gata Magrinha Recebe Pau Enquanto Ler Um Livro baixar olineconto eroticoesposa submissacasetudo machucano cu do amigo bebado no matoContos eróticos Perdendo o cabaço na Lua de melamo meu corninhopornodoido olhando de binoculoshomem gostoso da rolona hàhàhà gemendocontos eróticos comendo a mamãe aiiii uiiiicontos eroticos crente e o mendigogosou nuonibudepois que fiquei viúva me liberei contoporno em família entiado e madrasta em viagemNuas mamar maeputasContos Eroticos de inseminação pornô com duas vinha beijadoo pai dançandocomo meu tio roludo e comedor comeu minha esposa novinha 1° contosnovinhas.abrir.buzentaso norabo xvideoadmae gostosa malanhao a buceta deixando filho de pau durobicos de tetas estranhas.xvideoscontos eróticos publicadosContos eroticos boa noite cinderelacomtos eroticos ninfeta e o velhovelhas com ocu frocho peida demas dando o cluVideo de pai comendo a filha e tira o cabaço cem do no yootubewww.xvideos.com sexo com bravezaDiscar mãe e filha transando e gemendo de prazerAs panteras tia viuva na picina seduz. subrinhomenina bem magrinha de oculos com seu papai no pornoa casada olha o pauzudo e se apavira x videosMULEKE NOVINHO BATENDO PUNHETA SOZINNHOvizinha estrupadaviolentamenteconto gay o meu sonho de consumomulher fudeno com outro e marido esprando na/salacontoerotico eu namorada mae e tioConto erotico a esposa gostosa recatada velho taradoxvideo.esposa na primera veź com outrominha mulher dando o cuvideos padrasto gay e enteado gay provando coecas no quartox vedeos loira ema da cama nua e homem lanbendo seu cucontos eangelica enlouqueceu com linguadapornocontoscnn